Agosto 12, 2019

A capacidade crítica do editor de jornalismo está em baixa?

A capacidade crítica do editor de jornalismo está em baixa?
Reprodução

Aquele profissional que passa grande tempo, diariamente, à frente do desktop para produzir notícias em qualquer meio, da internet à TV, está sem fôlego para avaliar corretamente o que é notícia relevante. No momento, ele está correndo atrás de declarações sistemáticas e absurdas de uma série de autoridades, sem tempo de escolher as mais significativas e tratá-las até o esgotamento.

Logo que surge um assunto importante, aquele é atropelado por outro, como está sendo o caso dos hackers da operação Vaza Jato, do The Intercept. Quando surgiu o possível caminho da negociação do hackeamento, via candidata à vice Manuel Dávila, estava aberto uma possibilidade de esclarecimento. Mas ficou nisso. Ninguém foi atrás dela para prestar esclarecimento, e ela continua viajando tranquilamente pela Europa. Em férias.

Um dos detonadores de assuntos é o próprio presidente que estabeleceu uma rotina à saída do Planalto, de falar diariamente aos repórteres, ou em eventos ou via internet, sempre com frases de efeito e temas polêmicos, como uma metralhadora.

Está na hora, então, dos jornalistas deixarem de reproduzir tudo o que ouvem, seja de quem for, deixar de veicular algumas bobagens e focar no mais importante: a vaza jato, votações no congresso e Amazônia. O resto é cortina de fumaça que induzem o jornalista a ser repassador de declarações diversionistas, deixando de lado o que o público deve realmente saber.

 

Continua o problema do tempo

O mais recente programa Painel, da GloboNews, juntou o ministro do meio ambiente e o diretor demitido do INPE. Tema quente, bom debate. Eis que no final, Renata Lo Prete diz a frase de sempre: "Infelizmente o nosso tempo está acabando”.

Será que ninguém da direção vê o programa? Além de ser um fechamento repetitivo e do século passado, demonstra o tempo que o assinante deveria ter para ser esclarecido.

 

Mexe na RIC

- Ao que a coluna sabe, Vanessa Nora não fará a partir de hoje, 12, a co-apresentação do Balanço Geral. Baixou na RIC uma determinação de corte de horas extras e ela entrou no pacote, pois cedo da manhã está com SC no AR. Uma pena, pois ela vinha tentando se entrosar com Raphael Politto.

- Paulo Alceu volta ao ar como comentarista, depois de um descanso desde o período eleitoral, quando o público viu que ele preferia a candidatura derrotada de Gelson Merício. Paulo tem experiência e sabe que jornalista é uma coisa, marketing é outra.  

 

Avaí, Figueirense

Há semanas, as rádios têm problemas para preencher seus espaços esportivos, cada vez mais pobres, porque jogadores e dirigentes só falam em coletivas. Para os executivos, está tudo bem, pois até agora não fizeram nenhum gesto de aproximação.

Lamentável!  

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!