Abril 16, 2018

A pesquisa diz muito sobre SC

Mais do que um levantamento, a pesquisa do Datafolha à Presidência, realizada entre 11 e 13 deste mês, indica que a natural interferência das costuras nacionais na formação das alianças em Santa Catarina será forte e inevitável. Basta observar o desempenho pífio do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), o mais cortejado entre os maiores partidos do Estado (PSD, PP, MDB e DEM), de 6% a 8% das intenções de votos, a depender do cenário com ou sem Lula (PT) na disputa. Ou seja, Alckmin precisará de todos os votos possíveis para crescer e não exitará em propor sacrifícios aos tucanos e demais aliados catarinenses, sem ignorar o MDB, Eduardo Pinho Moreira e Mauro Mariani, a quem recorreria atrás de votos e apoio. Na mesma pesquisa, Lula (PT), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) dividem a preferência do eleitorado, o que favorece os pré-candidatos ao governo: Décio Lima (PT), Rogério Portanova (Rede) e até Jorginho Mello (PR), caso confirmada a parceria nacional com Bolsonaro.

 

O que dizer

Por isso a postura de risco do pré-candidato Gelson Merisio (PSD) ao governo do Estado, que oscila, semana sim, semana não, entre apoiar Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT), tão diferentes ideologicamente quanto água e vinho. O problema de Merisio parece ser muito maior que este: questionado entre os pessedistas, ele exercita o que mais gosta, promete dar o palanque que não pode cumprir, pois o PSD nacional, leia-se Gilberto Kassab (foto, ao lado de Alckmin), o fará, mais cedo ou mais tarde, manter a mesma linha à Presidência, ou com Alckmin ou com o ex-prefeito de São Paulo João Doria Júnior, também do PSDB, que passa a crescer nas cotações como substituto caso a atual pré-candidatura não decole.  

 

Detalhe

Sem Lula na disputa ao Planalto, ainda não está claro para onde irão os votos da esquerda, já que nem ao menos nos cenários onde o ex-prefeito Fernando Haddad ou o ex-governador Jaques Wagner, ambos do PT, seriam os candidatos substitutos, não fica evidenciada qualquer transferência de votos. Nem mesmo o agora brizolista Ciro Gomes aparece como depositário dos votos petistas. Muito menos Manuela D’Ávila (PCdoB) ou Guilherme Boulos (PSOL).  

 

Sem chances

Nem um milagre ou a tradicional estratégia do marqueteiro Fábio Veiga de desconstruir os adversários sugere que o ex-ministro Henrique Meirelles (MDB) venha a ser um candidato com força suficiente para incomodar na corrida ao Planalto. Meirelles, que passou sem ferimentos ou arranhões pelos governos de Lula (PT) e Michel Temer (MDB), entrou para ser vice, provavelmente de Alckmin, posição também buscada pelo deputado federal e presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM).  

 

Podemos e PSB

O senador Alvaro Dias (podemos) ainda decepciona nas pesquisas à Presidência, mas deverá crescer como alternativa do centro, o que não é nada mal para os deputados Natalino Lázare e Fernando Coruja, instalados na Assembleia. Porém o que chama a atenção é o cerscimento da pré-candidatura do ex-mionistro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, respondável por conduzir o julgamento do Mensalão do PT, que filiou-se ao PSB e não confirmou ainda a candidatura à sucessão de Michel Temer. Desde já, Barbosa já figuraria em uma eventual vice para alguma chapa ou figura capaz de amealhar votos dos descontentes da política.     

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!