Outubro 11, 2019

Ao mestre Sidney Poitier, com carinho

Ao mestre Sidney Poitier, com carinho

A história de vida de Sidney Poitier, que completou 92 anos em fevereiro deste ano, é extraordinária.  No início eu achava que ele era um príncipe de algum país distante, tal a elegância do porte e a delicadeza com as palavras. Mas Sidney nasceu nas Bahamas, filho de família pobre e só aprendeu a ler aos 15 anos quando foi para Miami morar com o irmão. Foi seu empregador, um comerciante judeu, que ensinou as primeiras letras ao garoto. A história, contada na biografia Uma Vida muito além das Expectativas, é comovente. Famoso, o ator tentou reencontrar seu "professor" para agradecer, mas foi em vão.

No livro, Sidney relata também a discriminação que sofreu e as dificuldades que enfrentou para se tornar um ator em Nova York, mas conta de maneira sóbria, sem demonstrar ressentimento ou autopiedade.

Pois é, aquele jovem pobre e analfabeto, transformou-se num dos maiores atores do cinema, além de diretor e diplomata. Sidney fez história ao se tornar o primeiro negro a ganhar um Oscar de Melhor Ator por seu papel em Uma Voz nas Sombras, em 1963. Em 2002, recebeu um Oscar pelo conjunto da obra. Cultuado pelos seus pares, ele é um verdadeiro modelo principalmente para os afrodescendentes que desejam seguir a carreira artística. Além de seu trabalho no cinema e nos palcos, Poitier sempre participou dos movimentos em defesa dos direitos civis.

Entre os filmes mais importantes de Sidney Poitier estão Uma voz nas sombras (1963), Acorrentados (1958), No calor da noite (1967), Adivinhe quem vem para jantar(1967) e, claro, o mote desta edição: Ao mestre com carinho.

Além de To sir with love, selecionei outros filmes e séries sobre uma das mais importantes atividades humanas, aquela que pode ajudar a mudar vidas e o próprio mundo: a educação.

Boa leitura, bons filmes!

___________________________________________________________

 

AO MESTRE, COM CARINHO – direção: James Clavell - 1967

Sidney interpreta Mark Tackeray, um engenheiro que aceita dar aula numa escola de subúrbio operário, em Londres, enquanto aguarda um emprego melhor. Os alunos, quase todos brancos, são indisciplinados e hostis. A vida do professor vira um inferno até que ele consegue se aproximar dos jovens usando de autoridade e respeito. As lições vão além das matérias tradicionais, ele fala sobre fatos da vida, ensina boas maneiras e defende os alunos junto ao outros professores. A cena final é muito linda. A música To Sir, with Love, com Lulu, é encantadora e Sidney Poitier dançando com os alunos é algo inesquecível.

Um fato triste: a South African Publications Control Board baniu o filme na África do Sul, alegando que era "ofensivo ver um homem negro ensinando uma classe de crianças brancas". Por incrível que possa parecer, o apartheid naquele país durou até 1994.

***

 

CONRACK – direção: Martin Ritt – 1974

Esta história é baseada em fatos. Na década de 1960, Pat Conroy, um professor interpretado por Jon Voight (antes de virar o pai da Angelina Jolie...) vai lecionar em uma escola pobre para negros na Carolina do Sul. Ao chegar lá, ele – que já foi racista -  descobre que os alunos são negligenciados pela instituição e, ao tentar mudar a situação, entra em conflito com a direção da escola. Como os estudantes não conseguem pronunciar seu nome, o chamam de Conrack, daí o título do filme.

***

 

MR.HOLLAND- ADORÁVEL PROFESSOR – 1995

Richard Dreyfuss interpreta um músico que decide lecionar para ter mais dinheiro e assim se dedicar a compor uma sinfonia. Inicialmente ele sente grande dificuldade em fazer com que seus alunos se interessem pela música e as coisas se complicam ainda mais quando sua mulher dá luz a um filho, que o casal vem a descobrir mais tarde que é surdo. Para poder financiar os estudos especiais e o tratamento do filho, ele se envolve cada vez mais com a escola e seus alunos, deixando de lado seu sonho de tornar-se um grande compositor. Passados trinta anos lecionando no mesmo colégio, após todo este tempo uma grande decepção o aguarda.

Dreyfuss foi indicado ao Oscar de Melhor Ator pelo papel. Aqui também há uma canção inesquecível: Beautiful boy, composta por John Lennon para o filho dele com Yoko Ono, Sean. Vou colocar o vídeo da cena aqui, avisando a quem ainda não viu o filme que é um spoiler !

***

 

SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS – direção: Peter Weir – 1990

Este certamente é o título mais conhecido da nossa lista e o papel mais importante de Robin Williams. O filme conta a história de John Keating, um novo professor de literatura, que volta para dar aula na tradicional escola Welton Academy depois de ter sido um aluno brilhante décadas antes. Ele tem uma metodologia diferente ao tentar fazer com o que os alunos pensem por si próprios, o que vai de encontro ao que é tradicionalmente feito no colégio. Ele conta aos alunos sobre a Sociedade dos Poetas Mortos que ele tinha criado quando era estudante e isso incendeia a imaginação dos jovens. Depois que o personagem de Robin Williams proferiu a frase "Carpe diem " (aproveite o dia, meninos. Façam suas vidas extraordinárias) ela acabou sendo eleita a frase número 95 entre as 100 mais famosas da história do cinema.

O filme foi indicado ao Oscar de 1990 em quatro categorias e acabou levando apenas Melhor Roteiro Original. Robin Williams perdeu para Daniel Day-Lewis pela interpretação em Meu pé direito.

***

 

MADADAYO – direção: Akira Kurosawa – 1993

O último filme do mestre Akira Kurosawa conta a história das últimas décadas de vida de Hyakken Uchida, professor de alemão e escritor que se aposenta no início dos anos 40. Para reconhecer o talento do professor, seus antigos alunos fazem reuniões para matar as saudades e trocar experiências.

Pode-se dizer que o canto de cisne de Kurosawa não é seu melhor trabalho, mas ainda é um belo filme, como todos os que o diretor fez ao longo da vida.



***

 

ENCONTRANDO FORRESTER – direção: Gus Van Sant – 2000

Este é o melhor dos últimos filmes feitos antes da aposentadoria por outro dos meus amores do Cinema: Sean Connery. Ele interpreta um escritor recluso que acaba se tornando o mentor de um jovem negro, ganhador de uma bolsa de estudos em uma escola de elite de Manhattan, depois que o rapaz aposta com os amigos que vai conseguir falar com ele. Depois do insólito encontro, o ranzinza Forrester e o jovem acabam se tornando amigos. O escritor ensina métodos de escrita, mas o jovem também dá a Forrester algumas lições de vida.

***

 

ENTRE OS MUROS DA ESCOLA – direção: Laurence Cantet – 2009

A França não ganhava a Palma de Ouro do Festival de Cannes havia mais de vinte anos, quando Entre Muros da Escola levou o prêmio mais importante da mostra. A trama: No começo do ano letivo, o professor François Marin sabe que tem um difícil trabalho pela frente. Dando aulas de francês para um grupo de filhos de imigrantes de um colégio na periferia de Paris, ele tem que lidar com muitos conflitos além do simples aprendizado de seus alunos da 7ª série. Não apenas ele terá que ensinar a norma culta do idioma, como tem que fazer com que os jovens entendam a importância de saber estas regras mesmo que não usem em seu dia-a-dia, além de ter de lidar com todos os conflitos que se passam com esses adolescentes quando estão Entre os Muros da Escola.

O filme é um misto de documentário e ficção, baseado no livro do professor François Bégaudeau, que também escreveu o roteiro. O autor é também protagonista do filme e, assim como ele, os alunos eram estudantes reais e não atores, mas interpretavam personagens baseados em fatos comuns. Nenhum deles, no entanto, teve que seguir um roteiro pré-determinado. Os diálogos foram surgindo naturalmente através de workshops realizados semanalmente durante todo um ano letivo. (Guia da Semana)

****

 

A CLASSE (Klass) – direção: Ilmar Raag - 2007

Um raro filme da Estônia que chega ao Brasil, numa visão nem um pouco romantizada da escola. Ao contrário, o bullying atinge um grau assustador e, para piorar, a história se baseia em fatos. Sinopse: Kaspar e Joosep têm 16 anos de idade e estudam juntos na mesma classe. Eles não são amigos, mas Kaspar acaba defendendo Joosep, ameaçado por baderneiros da escola. São jovens realmente cruéis, num ambiente de degradação. Kaspar e Joosep querem a mesma coisa: um pouco mais de dignidade em suas vidas.

A Classe foi selecionado pela Estônia para concorrer a uma vaga no Oscar 2008 na categoria "Melhor Filme Estrangeiro".

___________________________________________________________

 

É COISA NOSSA

PRO DIA NASCER FELIZ – direção: João Jardim -2007

Este documentário investiga o comportamento de adolescentes em colégios brasileiros, ouvindo alunos de três classes sociais, levantando discussões sobre temas como violência, relação entre aluno e professor e desigualdade social. Pro dia nascer feliz ( mesmo título da música de Cazuza e Frejat) venceu três prêmios no Festival de Gramado de 2006, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Música e Prêmio Especial do Juri."

___________________________________________________________

 

FORA DE SÉRIE

MERLÍ – 3 temporadas – Netflix

Já escrevi sobre esta série espanhola na coluna, mas vale a pena repetir quando o tema é o professor. O Merlí do título (pronuncia-se Marlí pois a série é falada em catalão) é um professor de Filosofia que usa métodos pouco convencionais para dar aula e conquistar os alunos. A série fez tanto sucesso na TV local que ganhou o mundo através da Netflix. Cada episódio usa o filósofo ensinado por Merli para a turma como gancho para desenvolver a história.

A primeira temporada começa com Merlí falido, procurando emprego, tendo que ir morar com a mãe e ainda receber de volta o filho adolescente, Bruno. Abre parênteses : na boca da velha senhora, uma atriz muito doida, estão  algumas das melhores "tiradas" da série. Ela é impagável! Bem, quer o destino – aliás, o roteirista – que Merli consiga trabalho justamente na escola do filho. Lá ele encontra um bando de adolescentes pouco interessado em aprender Filosofia. Isso, até o professor trazer os grandes pensadores para o mundo atual. De cara, ele apresenta à turma os peripatéticos, discípulos que Aristóteles ensinava ao ar livre, caminhando. Foi empatia imediata.

Bruno  se incomoda em ter o pai como professor, acha que vai "pagar mico" diante dos colegas. Mas, logo a turma inteira cai de amores pelo mestre transgressor. Logo,logo também, Merlí se torna o pesadelo do diretor e de alguns colegas invejosos e conservadores e nós entendemos que ele está longe de ser perfeito. Bem longe, aliás.

___________________________________________________________

 

LITERATURA & CINEMA – DICA DA COLUNA

Para quem quiser conhecer mais da história do grande Sidney Poitier, recomendo a autobiografia Uma vida muito além das expectativas - Cartas para minha bisneta.

No livro o ator relata as passagens mais importantes de sua vida e da carreira em forma de carta para sua bisneta, Ayele. A ideia surgiu quando a menina nasceu para representar a sexta geração da família Poitier. O bisavô quis que ela soubesse por ele o que se passou até à chegada dela ao mundo. Ele conta tudo de forma comovente, mas sem apelar para a pieguice. Um lorde, como sempre. Aos 92 anos, Poitier continua um exemplo de dignidade para todos os que abraçam essa carreira tão afeita a egos e vaidade.

___________________________________________________________

"Então, estou bem comigo mesmo, com a história, com meu trabalho, com quem sou e quem eu era". (Sidney Poitier)

THE END

(*)Fotosdivulgação/reprodução

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!