Dezembro 18, 2019

CEIA HARMONIZADA

CEIA HARMONIZADA

Escolher a bebida que melhor combine com a ceia, pode ser uma experiência muito bacana neste período de festas. O mestre-cervejeiro norte-americano Garrett Oliverry, autor do livro “A Mesa do Mestre Cervejeiro”, explica que a bebida é sempre capaz de transformar cada refeição em “uma experiência gustativa interessante e memorável. Ela pode aguçar seus sentidos e fazê-lo prestar atenção no que está acontecendo em seu palato”. Ele se referia à cerveja, claro, mas o conceito pode ser empregado também para o vinhos e outras bebidas.

A coluna aproveitou a deixa e reuniu algumas dicas que podem ajudar a garantir uma experiência como esta.

Mas, antes de começar, é importante identificar os principais ingredientes do jantar de Natal ou Reveillon. Com essa informação em mãos, é importante saber que as harmonizações podem se dar de pelo menos duas maneiras:

1 - Contraste. As diferentes características da bebida e do alimento, valorizam ambos. Um exemplo desta lógica é o uso de gotinhas de limão (ácido) sobre a costelinha de porco (gordura).

2 - Semelhança. Neste caso, comida e bebida possuem elementos sensoriais parecidos, o que ressalta aromas e sabores. Vale, por exemplo, para a combinação de embutidos (que são defumados) com cervejas como a rauschbier, também defumada.

Há ainda uma terceira possibilidade.

3 - Corte. Características da bebida, como a carbonatação, limpam o paladar. Um bom exemplo desta harmonização é a combinação de cervejas mais ácidas, que cortam a gordura de alguns tipos de queijo. 



Sabendo disso, segue um resumo do que considerar na hora das compras:

Perú/Chester, Carne Suína

Carne suína é uma carne clara, com pouca gordura. E se assemelha muito com a carne de aves em textura e sabor. Por isso combina muito bem com vinho branco como o chardonnay. O bom e velho vinho verde, também é uma boa opção. Quem prefere consumir o tinto a recomendação é escolher vinhos menos alcoólicos e amadeirados como gamay, merlot, tempranillo, sangiovese ou pinot noir. Em se tratando de cerveja uma boa opção é o estilo pale ale, que tem toques maltados e um amargor moderado. Pernil ou barriga de porco também combinam muito bem com cervejas do estilo saison.

Bacalhau

Também pode ser harmonizado com uma série de brancos mais encorpados como o chardonnay, ou tintos mais leves, como os indicados acima. Se a opção for por cerveja a dica é escolher uma APA, amber ale, ou german pilsner, que tem corpo médio e um amargor um pouco mais pronunciado. Outra possibilidade – que ameniza o sal e o azeite do prato – é uma boa e refrescante weiss. A cerveja de trigo, por sinal, também combina muito bem com pratos à base de frutos do mar.

Sobremesas em geral, panetone e rabanada

Por terem um caráter adocicado, combinam com vinhos de colheita tardia (mais licorosos) ou espumante moscatel. Sobremesas muito doces, como uma torta Glória ou pudim, podem harmonizar também com um icewine ou vinho do Porto. No caso da cerveja, boas opções são as fruit beer, porters e stouts. As duas últimas são mais usadas em harmonizações com doces à base de chocolate, como brownie ou petit gateau. A alcóolica e complexa cerveja estilo barley wine também é uma excelente opção para acompanhar uma pannacota ou créme brulée.

Nozes, castanhas e amêndoas

Combinam com espumantes brut ou rosé. No caso da cerveja o ideal é combinar com estilos que tenham alto teor alcoólico como a IPA, que ajudam a limpar o palato do excesso de oleosidade das castanhas.



Cervejaria Leopoldina/Divulgação

Outras dicas:

- Vinho tinto, mais amadeirado, não costuma combinar com pratos muito salgados, muito menos com peixe. Isso porque o tanino do vinho pode deixar a comida com um sabor metalizado.

- Cervejas leves acompanham comidas leves. Cervejas mais fortes e encorpadas harmonizam melhor com comidas mais pesadas e gordurosas. Se a comida for picante, a dica é escolher cervejas mais lupuladas.

- É importante planejar quais as bebidas acompanham qual alimento e – principalmente – em qual sequência. Se você planeja servir cervejas de diferentes estilos, comece com as mais leves, tanto em sabores quanto em álcool, evoluindo para cervejas mais complexas e alcoólicas no final. Da mesma forma, com o vinho. Do mais leve para o mais tânico e alcoólico.

Agora o principal... A ideia de harmonizar comida com bebida é para ser uma experiência prazerosa. Mas se isso se tornar estressante pra você, dê um passo atrás e relaxe... OK? 

_____________

 

O TOP DO ANO


Instagram/Reprodução

Jornalista norte-americano Brad Japhe, especializado em bebidas e viagens (e uma das boas referências da coluna), aceitou o desafio da Bloomberg e listou as melhores bebidas do ano. Ele analisou 317 rótulos ao longo de um mês e fez uma lista das preferidas dele. Na relação há bourbon, gin, rum, licores e até um campari que passou por barrica de carvalho. Rolando um pouco mais a página dá pra ficar sabendo quais as melhores cervejas norte-americanas na opinião de Japhe.

_____________

 

DERROTA JUDICIAL


Fassbier/Reprodução

A coluna informou em abril sobre uma polêmica envolvendo uma cervejaria gaúcha. A Fassbier, de Caxias do Sul, tinha registrado a marca Helles, e vinha notificando outras cervejarias para que não usassem a denominação em seus rótulos. O problema é que o nome helles se refere a um estilo de cerveja, originário da Alemanha. Agora a justiça se posicionou sobre o assunto e decidiu que nenhuma cervejaria pode ser impedida de usar a palavra em seus rótulos. Segundo o desembargador Ney Wiedemann Neto, a palavra tem o intuito de informar o consumidor sobre uma categoria de cerveja, que se diferencia das demais por aspectos de cor, sabor, ingredientes, método de produção ou origem. Tal como ocorre nos estilos lager, pilsen, weissbier, india pale ale, entre outros. E considerou descabida a tentativa da Fassbier de tentar se apropriar do termo.

_____________

 

SELO CERVEJEIRO

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação de Jaraguá do Sul, lançou na terça-feira (17), um edital para escolher o “Selo da Cerveja de Jaraguá do Sul”. A intenção é escolher uma logomarca que possa ser utilizada por cervejarias locais para identificar a produção local. Algo como um selo de qualidade, para definir critérios de qualidade e valorizar a produção local. A melhor logomarca leva R$ 3 mil. O concurso é aberto apenas a moradores de Jaraguá do Sul.

Tags:
vinhos cervejas cerveja artesanal drinks destilados whiskey gastronomia portal makingof
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Jefferson Douglas da Silva

Jefferson Douglas da Silva

Jefferson atuou por mais de 25 anos em jornais e emissoras de televisão de Chapecó, Blumenau, Joinville e Florianópolis. Foi repórter, editor, apresentador e gestor de equipes de TV, entre elas a chefia de redação da RBS TV. Como jornalista – e descendente de italianos – pode conhecer em detalhes a rotina de cantinas e alambiques que produzem vinho colonial e cachaça no Oeste do estado. Fez cursos de coquetelaria (Senac) e produção artesanal de cerveja (Escola Superior de Cerveja e Malte). Apaixonado por vinhos, estuda o assunto desde 2001.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!