Julho 10, 2018

CINEMA & VINHO

CINEMA & VINHO
Sideways- Entre umas e outras

A inspiração para o tema da semana veio da nova coluna do Portal Making Of: DRINK4FUN, sobre vinhos, cervejas e destilados. Quem assina é o jornalista Jefferson Douglas, querido ex-colega de RBS TV, a quem dou as boas-vindas. Entendo quase nada de vinhos, mas de Cinema, um pouco. Juntei os dois e espero que vocês gostem da seleção. Se faltou algum filme favorito, acrescente no rodapé da coluna ou pelo e-mail . Mas, se for alguma dúvida sobre vinhos, consulte o Jefferson.

 E para os que acham que cinema e vinho não têm nada a ver, fica a frase do mestre Federico Fellini:

"Um bom vinho é como um bom filme: dura um momento e te deixa na boca um gosto de glória. É novo em cada gole e, como acontece com filmes, nasce e renasce em cada sabor".  Tim, tim !

------------------------------------------------

FICCIONAIS

Sideways – Entre umas e Outras ( direção: Alexandre Payne – 2004)

Uma espécie de road movie, onde dois amigos resolvem percorrer as vinícolas da Califórnia. Jack ( Thomas Harden Church) vai casar e visitar os vinhedos é um presente de Miles ( o sempre ótimo Paul Giamatti) para seu "parça". Entre uma taça e outro, Miles vai mostrando sua erudição sobre vinhos e também que gosta de beber além da conta. O crítico Paulo Villaça chama atenção para a cena em que Miles/Giamatti " diz gostar de Pinot Noir pela fragilidade da uva e a necessidade de que o vinicultor saiba apreciar seu potencial, protegendo-a e valorizando-a. Miles está falando de si mesmo". É uma bela metáfora, sem dúvida. Já Jack é um ator fracassado, egocêntrico e infantilizado. Entre os conflitos da maturidade compartilhados pelos dois há também muito humor, o que torna o filme ainda mais interessante.

 

Um bom ano (direção: Ridley Scott – 2006)

Ridley Scott é um diretor eclético. Fez desde a ficção científica cult " Blade Runner" (clap,clap,clap) até o arrasa-quarteirão " Gladiador". Aqui, ele mostra que também tem boa mão para  filmes românticos. Russel Crowe, com quem já tinha feito "Gladiador", interpreta um empresário bem-sucedido de Londres que vai ao sul da França para negociar a venda de uma vinícola deixada de herança por seu tio. Chegando lá, porém, ele vai recordando os ensinamentos do tio sobre vinho quando era criança, entende que o lugar precisa de mudanças, assim como ele mesmo. Pra completar, a mulher que cuida do vinhedo é a super atraente Marion Cottilard, o que só poderia acabar em romance. Entre drama e comédia romântica, Ridley Scott mandou bem de novo.

 

O julgamento de Paris ( direção: Randall Miller   - 2008)

O filme é baseado em fatos e acompanha o início da indústria de vinhos em Napa Valley, Estados Unidos. Em 1976, um inglês que morava em Paris resolveu criar uma degustação às cegas que chamou de Universidade do Vinho. Sua intenção era entrar no mercado dos bons vinhos quase monopolizado pelos franceses. Entram na competição um pai e filho americanos, com sua vinícola à beira da falência devido à concorrência dos vinhos estrangeiros. Grandes enólogos avaliam a bebida, sem saber a origem. Os californianos acabam sendo melhor avaliados, o que causou uma revolução na indústria vinícola. Esse filme com bom elenco ( Alan Rickman, John Goodman, Bill Pulman, Marisa Tomei...) não entrou em cartaz nos cinemas ( saiu direto em DVD e blue-ray) mas é divertido e merece uma chance.

 

A sorte do vinicultor ( direção: Niki Caro – 2009)

Sobran Jodeau é um jovem viticultor que anseia por criar o vinho perfeito. Em 1808, o camponês recebe a visita de um anjo que lhe dá algumas mudas de videira para plantar nas terras da família. Uma vez por ano ele precisa encontrar o anjo para receber conselhos sobre as uvas e a vida. Como diz a sinopse oficial : "Sobran é forçado a compreender a natureza do amor e crença no processo de luta com o sensual, o sagrado e o profano - em busca da safra perfeita".Um dia, o anjo... ok, vou parar por aqui pra não cometer spoiler.

 

O vinho perfeito ( direção: Ferdinando Vicentini Orgnani – 2013)

O título original em italiano é "Vinodentro". Ainda não assisti, mas me parece bem interessante, então deixo a sinopse original. Giovanni é o especialista em vinhos mais reverenciado da Itália. Ele abandonou o emprego de bancário para se dedicar à arte de apreciar a bebida e reconhecer safras exclusivas. Até que, certo dia, ele é acusado pelo assassinato da esposa Adele e vai parar na delegacia, onde o quebra-cabeça de sua paixão louca pelo vinho é desvendado. No elenco: Lambert Wilson, Giovannna Mezzogiorno. ( Trailer: Fênix Filmes)

***

DOCUMENTÁRIOS

 

Somm e Somm-Dentro da Garrafa ( direção: Jason Wise – 2012 e 2015)

São dois documentários que se completam. No primeiro,"Somm", quatro sommeliers se preparam para fazer o exame Court of Masters Sommerliers, enfrentando uma maratona de estudos práticos e teóricos. Apenas 10% dos candidatos que fazem essa prova conseguem conquistar o tão sonhado broche de Master Sommelier. São cerca de 200 felizardos desde o começo em 1969.

O segundo, "Dentro da Garrafa" mostra os quatro sommeliers do primeiro, contando suas experiências. São 10 histórias divididas entre eles, produtores e jornalistas.

 

Sour grapes ( direção: Jerry Rothwell e Reuben Atlas – 2016)

Aqui a história é bem diferente, pois mostra um caso de falsificação de garrafas vintage.

Rudy Kurniawan, um jovem indonésio, grande conhecedor de vinhos raros, vendeu a bebida falsificada para americanos ricos, metidos a entender do assunto. Ele faturou dezenas de milhões de dólares , negociando através das mais conceituadas casas de leilão dos Estados Unidos. Não sei se chega a ser um spoiler, mas atenção: Laurent Ponsot, um produtor de vinhos da Borgonha, acabou descobrindo que suas garrafas foram falsificadas e estavam sendo vendidas por Kurniawan. Foi o fim do golpe que deixou uma lição para os "experts".

 

Um ano em Champagne ( direção: David Kennard – 2014)

Como se sabe, a denominação champagne só se refere aos vinhos produzidos na região de Champagne, França. Os demais são espumantes ou , na Itália, o prosecco ( que o Jefferson me corrija, se eu estiver escrevendo bobagens...rs).

Este documentário mostra como são produzidos esses vinhos ma-ra-vi-lho-sos ( dá pra perceber que eu gosto, né?), desde pequenos produtores até as grandes casas, exportadoras para o mundo todo. Ficamos sabendo através dos mais importantes produtores  sobre as regras super rígidas na produção do champagne , o enfrentamento das pragas que podem por tudo a perder e ainda as marcas deixadas pela guerra.

------------------------------------------------

O FILME QUE VIROU LIVRO

Mondovino ( documentário -2003  e livro- 2010  )

Não, não me enganei, desta vez o documentário veio antes do livro, mas o autor dos dois é o mesmo. Jonathan Nossiter dirigiu "Mondovino", uma co-produção Argentina, França, Itália e Estados Unidos. Ele nasceu nos Estados Unidos, mas foi criado em Paris. Estudou Artes Plásticos, mas acabou se dedicando ao teatro e ao cinema. É também enófilo.

Durante três anos Nossiter percorreu Napa, Florença,Bordeaux, Cayafat na Argentina e até Pernambuco com sua câmera digital, portanto não espere grandes paisagens com fotografia espetacular. O foco do documentário acabou sendo a globalização.

Encontrei uma boa análise, na RTP, Portugal, sobre o documentário: "o vinho é um símbolo da civilização Ocidental há milhares de anos. Mas nunca, até hoje, a luta pela sua alma foi tão desesperada. E nunca houve tanto dinheiro, e orgulho, em jogo.

No entanto, as lutas não são entre quem mais se esperava: produtores regionais contra multinacionais, ou produtores locais contra os poderosos capitães da indústria.

No mundo do vinho, os suspeitos do costume nunca são os esperados...

Desde os multimilionários de Napa Valley na Califórnia, passando pelas rivalidades de duas dinastias de aristocratas de Florença, e pelas batalhas de três gerações de uma família da Borgonha, que resiste para conseguir conservar os seus poucos hectares de vinha, Mondovino, apresenta a saga das sucessões no mundo do vinho em três continentes".

 

O Livro – Gosto e Poder no mundo do Vinho (Cia das Letras - 2009)

Alguns anos depois, Jonathan Nossiter escreveu o livro. Ele mesmo explica: "este livro nasceu de uma aventura pessoal: a da minha história de amor com o vinho e o cinema, vista através do prisma da França, país que se tornou, desde a infância, no meu terroir de eleição. Quis cruzar emoções íntimas com uma reflexão sobre a beleza e o gosto. Num certo sentido, é um apelo à insurreição contra os nossos próprios medos: trata-se de reencontrar a liberdade - ou seja o sentido - do gosto".

------------------------------------------------

É COISA NOSSA

Vinho de Rosas ( direção: Elza Cataldo – 2005)

O mundo do vinho não é um tema comum no cinema brasileiro. Ele aparece sendo degustado em muitas cenas de filmes nacionais, mas não como protagonista. O filme "Vinho de Rosas" vai um pouco além ao contar a história fictícia da filha de Tiradentes, Joaquina do Espírito Santo Xavier, criada desde os três em um convento. Ao completar 18 anos, ela descobre que a mãe está viva e, ao buscar sua história,  acaba revelando o destino das mulheres dos inconfidentes: a produção de vinho de rosas.

O filme é resultado de uma pesquisa de sete anos. Elza Cataldo queria revelar o lado feminino da Inconfidência Mineira.  Embora a crítica no Brasil não tenha valorizado "Vinho de Rosas", Elza ganhou o Prêmio de Melhor Diretora Estreante no Festival de Batumi, Geórgia, em 2006, além de prêmios nacionais para o figurino, som e cenografia em Maringá.

Obs.: Por curiosidade pesquisei para saber se existe realmente um vinho de rosas. Sim, feito de forma artesanal, com pétalas sem agrotóxico de alguns tipos específicos de rosa. Mas não pense que é simples! A recomendação que mais gostei : Cortar brotos bem cedinho, quando o orvalho da manhã não tem tempo para secar.Isto é devido à concentração de óleos essenciais não ligados, que na parte da manhã é 69,6-72,5%, e cai para 44-55% por meio do dia. Uau !

------------------------------------------------

EM CARTAZ

Filmes em cartaz com sessões gratuitas. Não vai ao cinema, quem não quer...

Cinema do CIC –Centro Integrado de Cltura - Florianópolis

Sem Dentes: Banguela Records e a Turma de 94
Dias 12, 14 e 15 de Julho de 2018, às 20h (quinta-feira, sábado e domingo)
Direção: Ricardo Alexandre - Gênero: Documentário - País: Brasil -Ano: 2015 - Duração: 135 minutos
Abordando o cenário do rock, dos festivais musicais e batalhas de fitas, o documentário fala sobre o selo Banguela Records, criado por Carlos Eduardo Miranda e pelos Titãs. Uma ideia fundamental para a renovação da música jovem brasileira da época.

 

Cineclube da Fundação Cultural Badesc – Florianópolis -Centro

PSICANÁLISE VAI AO CINEMA

A separação

Dia 13- sexta-feira – 19h - Direção: Asghar Farhadi – Irã –

O filme conquistou o Urso de Ouro de Festival de Berlim de 2011. Mesmo ainda se amando, Nader (Peyman Moaadi) e Simin (Leila Hatami) são obrigados a se separar por causa do desejo dela em deixar o Irã à procura de uma vida melhor no exterior. Ele, no entanto, se recusa a abandonar seu pai, que sofre de Alzheimer.

------------------------------------------------

BEIJO DE CINEMA

Russel Crowe e a francesa Marion Cotillard provaram que tinham química em "Um bom Ano", por isso foram os escolhidos.




------------------------------------------------

 

HASTA LA VISTA, BABY!

FRASES DE CINEMA

Apesar do enorme sucesso de bilheteria, a franquia 007 não abre mão de um bom merchandising ...

"Minha querida, existem algumas coisas que simplesmente não estão corretas, tais como beber Dom Perignon '53 acima da temperatura de 3°C graus. Isso é tão ruim quanto ouvir os Beatles sem protetores auditivos!" James Bond (Sean Connery), em Goldfinger, (1964)

                                            ********

Nem mesmo o Dr. Hannibal Lector (Anthony Hopkins)...

"Certa vez, um recenseador tentou me pôr à prova. Comi o fígado dele com feijões e um bom Chianti". (O Silêncio dos Inocentes).

------------------------------------------------

AVA VIU O VINHO... SAÚDE E ATÉ A PRÓXIMA !

THE END

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários