Dezembro 12, 2019

CRÈME DE LA CRÈME

CRÈME DE LA CRÈME
Monte Agudo/Divulgação

A encantadora família Rojas Ferraz (foto) apresentou na última quinta-feira (05) os novos lançamentos da vinícola Monte Agudo, de São Joaquim.

Os lotes são pequenos e com características muito peculiares. É o caso do espumante extra brut Sinfonia Blanc de Blancs, produzido somente com uvas Chardonnay. Os outros dois lançamentos são da série Expressões de Altitude. A ideia é empregar esse selo somente para vinhos especiais, que vão ser produzidos eventualmente, apenas quando a qualidade das uvas for excepcional. O crème de la crème da vinícola.

O primeiro desta série especial é o Chardonnay 2017, que passou dez meses em barris de carvalho. O vinho continua refrescante – com aroma de abacaxi e maçã – mas ao mesmo tempo levemente amadeirado e com notas de baunilha e manteiga.

O outro é o Cabernet Sauvignon 2012 (uma safra icônica). Os 20 meses em barrica francesa de primeiro uso, domaram os taninos e evidenciaram um aroma fantástico de cassis e amora.

Como comentei, tratam-se de vinhos especiais, com uma produção super restrita: Apenas 897 garrafas do Cabernet e 1.100 do Chardonnay.

O evento foi na Santa Adega em Florianópolis e reuniu amigos da família, jornalistas e clientes da vinícola (fotos).  

_____________

 

VINHO COM DNA NACIONAL


Epamig/Divulgação

Bons vinhos são armazenados e envelhecidos em carvalho francês ou americano, certo? É fato. Mas se depender da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), esse conceito pode estar com os dias contados.

Pesquisadores estão avaliando se madeiras nacionais como ipê-amarelo, castanha-do-pará e jequitibá podem ser usadas para a fabricação de barris. Além de reduzir a dependência do carvalho importado o uso de madeiras nativas pode garantir características únicas aos vinhos nacionais

“Ao envelhecer vinhos brasileiros em madeiras originais do nosso país, acreditamos que teremos mais um atrativo para o usuário brasileiro, além de um diferencial para o consumidor externo”, avalia a pesquisadora Renata Vieira.

Para o estudo, os pesquisadores utilizam o Syrah produzido no Sul de Minas e comparam amostras desse vinho envelhecidas em diferentes madeiras – inclusive carvalho.

As primeiras análises mostram que as madeiras brasileiras não alteraram características importantes do vinho e tem agradado os degustadores. A castanha-do-pará e jequitibá madeiras tem se mostrado mais viável até agora.

_____________

 

NO ESPAÇO


SpaceX/Divulgação

A SpaceX, companhia espacial do bilionário Elon Musk, levou ao espaço há alguns dias mais uma carga para abastecer a Estação Espacial Internacional (ISS). Em meio a diversos materiais de pesquisa, um chama atenção. É um lote de grãos de cevada para que os astronautas estudem os efeitos da gravidade no desenvolvimento das plantas e no processo de maltagem dos grãos.

Além de usada na fabricação de alimentos, a cevada é o cereal mais empregado na fabricação de cerveja puro malte, whiskys e outros destilados.

_____________

 

ÁLCOOL FREE


Heineken/Divulgação

Confirmando a tendência de aumento no consumo de bebidas sem álcool ou com baixo teor alcoólico, a Heineken acaba de lançar no Brasil a 0.0. A puro malte foi criada na Holanda em 2017 e, segundo a cervejaria, tem sabor idêntico à Lager tradicional.

A garrafa verde continua em uso, agora acompanhada de um rótulo azul. A bebida tem 69 calorias e deve chegar ao mercado brasileiro, de fato, no começo de 2020.

Tags:
vinhos cervejas cerveja artesanal drinks destilados whiskey gastronomia portal makingof
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Jefferson Douglas da Silva

Jefferson Douglas da Silva

Jornalista com especialização em Gestão de Marcas, atuou por mais de 25 anos em jornais e emissoras de televisão de Chapecó, Blumenau, Joinville e Florianópolis. Foi repórter, editor, apresentador e gestor de equipes de TV, entre elas a chefia de redação da RBS TV. Tem experiência em assessoria de comunicação e relações públicas nas áreas governamental e privada. Conhece em detalhes a rotina de cantinas que produzem vinho colonial no Oeste do estado e alambiques do Vale do Itajaí. Fez cursos de coquetelaria (Senac) e produção artesanal de cerveja (Escola Superior de Cerveja e Malte). Apaixonado por vinhos, estuda o assunto desde 2001.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!