Julho 05, 2019

Drogas no cinema

Drogas no cinema
Brad Davis em O Expresso da Meia Noite

Não, não vou falar sobre filmes ruins, daqueles que a gente sai do cinema dizendo "que droga de filme"! Duas coisas inspiraram o tema da semana, a escolha do O Expresso da meia noite como melhor filme pela cronista Viviane Bevilácqua na seção "Os favoritos de..." na edição anterior e a história do militar brasileiro da Aeronáutica, preso na Espanha com 39 kg de cocaína na bagagem, no avião de apoio à viagem internacional do presidente da República.

O que tem a ver um caso com outro? Aparentemente dois homens comuns que estragam a própria vida, para usar uma expressão suave, ao se envolverem com o tráfico de drogas. E as duas histórias são reais.  Nosso recorte será este, não entrarão aqui os muitos filmes e séries sobre grandes traficantes como Pablo Escobar ou El Chapo.

Vocês já sabem que estou mais econômica na seleção, então escolhi apenas 06 títulos sobre o assunto. Querendo acrescentar, fiquem à vontade.

Mas, não é só isso: temos ainda duas séries, Marlon Brando, Olivia de Havilland e Andrea Buzato, dizendo quem são seus favoritos no cinema. Boa leitura, bons filmes.

____________________________________________________________

 

O Expresso da meia noite –  Alan Parker – 1978

É verídica a história de Billy Hayes, um jovem americano, que em viagem a Turquia decide levar em seu retorno dois quilos de haxixe presos por baixo de suas roupas. Seu plano acaba não dando certo e ele é preso. A vida dele se transforma em um pesadelo quando vai para a prisão turca e enfrenta os métodos brutais e as celas imundas. Quando espera ser libertado ele é levado a um novo julgamento com efeito retroativo, que o condena a uma longa pena. Hayes faz de tudo para sair, mas o contexto político entre Estados Unidos e Turquia acabou dificultando as negociações.

O filme ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora Original e Roteiro Adaptado para o então iniciante Oliver Stone. O ator principal, Brian Davis,  tinha 27 anos quando interpretou Billy Hayes e ganhou o Globo de Ouro. Morreu aos 41, em suicídio assistido, para acabar com as dores provocadas por um processo avançado de Aids.

Disponível no YouTube (dublado).

***

 

A Viagem (Brokedown Palace) – Jonathan Kaplan- 1999

Acho que este é o único filme da nossa lista não baseado em fatos , mas a confusão desesperadora em que as duas amigas se metem é bem comum no mundo real. É preciso estar atento para não cair numa dessas.

As estudantes americanas Alice (Claire Danes) e Darlene (Kate Beckinsale) mentem para os pais e, ao invés de viajar para o Havaí, decidem se aventurar e visitar a Tailândia. Lá, elas conhecem Nick, um australiano charmoso que convida as duas para viajar com ele para Hong Kong. Ao chegar no aeroporto, o serviço de segurança encontra drogas nas suas bagagens. Nick desaparece, enquanto Alice e Darlene são julgadas pela Justiça tailandesa. (sinopse oficial)

***

 

Profissão de risco (Blow) – Ted Demme – 2001

Este filme não trata de um pequeno traficante, de uma "mula", mas George Jung também era um americano comum quando se tornou o maior importador de cocaína do cartel colombiano de Medellin, comandado por Pablo Escobar. Foi na década de 70, quando o comércio internacional de drogas se expandiu tornando-se uma atividade super lucrativa. Jung que havia sido um simples jogador de futebol no colegial viu no tráfico uma maneira de enriquecer. Sua ascensão foi rápida e espetacular até que ...

Um das atrações do filme é ter Johnny Depp como protagonista, ao lado de Penélope Cruz.

Disponível no Now/Net (não grátis)

***

 

Meu nome não é Johnny – Mauro Lima – 2008

João Guilherme Estrella ( Selton Mello, ótimo) também era o típico jovem classe média, que promovia festas regadas a álcool e outras drogas em sua casa, no Rio de Janeiro. Além de consumidor, o jovem simpático e bem relacionado começou a abastecer seus amigos com quantidades cada vez maiores de drogas ilícitas. Com a demanda dos clientes aumentando, Estrella se tornou um grande traficante da Zona Sul carioca, um negócio se tornou muito arriscado. Com a morte do pai, passou a viver num pequeno apartamento com a mulher Sofia (Cleo Pires), deixando de lado qualquer tipo de luxo para não despertar interesse da polícia. Levado pelos acontecimentos e sem jamais pensar nas conseqüências, leva uma vida desregrada até que um dia a sorte deixa de sorrir para ele.

O filme fez bastante sucesso e  João Estrella deu muitas entrevistas na época do lançamento. O elenco conta também com Julia Lemmertz, Rafaela Mandelli, Ângelo Paes Leme, Eva Todor, entre outros.

***

 

Kid Cannabis – John Stockwell – 2014

Este eu ainda não vi, mas a premissa é boa e tem tudo a ver com nosso tema: baseado em uma história real, o filme acompanha um jovem de 18 anos e seu amigo de 27 que criam uma rede milionária de distribuição de maconha na fronteira com o Canadá. Nate abandona o ensino médio e embarca no tráfico para ganhar dinheiro. Claro que sua vida sofre uma reviravolta.

A conferir.

***

 

Curumin- O homem que queria voar – Marcos Prado – 2016

O diretor foi contato pelo próprio brasileiro, preso na Indonésia por tráfico de drogas, para fazer o documentário. O cineasta achava que iria registrar a experiência na prisão de Marco Archer, mais conhecido nas comunidades do surfe e da asa-delta como "Curumin", e depois a sua libertação. Mas ele acabou se tornando o primeiro brasileiro a ser condenado à pena de morte por tráfico de drogas, após ser capturado pela polícia tailandesa em uma ilha nos arredores de Bali, um território indonésio localizado no Oceano Índico. Marco, que havia largado a atividade de professor de asa delta, foi flagrado com 13 quilos de cocaína e ficou 12 anos no corredor da morte.  O que determinou a execução de Marco foi a posse do novo presidente da Indonésia que havia se acabado de se eleger, prometendo rigor nos crimes de tráfico de drogas.

Uma curiosidade: a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o militar da FAB preso na Espanha com cocaína na bagagem foi: " pena que ele ( o militar ) não foi preso na Indonésia". Era uma referência à execução de Marco Archer naquele país.

Disponível no Now/Net.

____________________________________________________________

 

FORA DE SÉRIE

Gente comum que se envolve com venda de drogas é um tema bem recorrente nas séries de TV também. Aqui, duas delas.

Breaking Bad : Considerada uma das melhores séries da história, ela conta a história de Walter White, um professor de química, diagnosticado com um câncer agressivo e demitido da escola onde dava aulas. Revoltado e preocupado com o futuro da mulher e do filho portador de deficiência, ele usa seu conhecimento de química para fabricar metanfetamina. Para apoiá-lo na venda, ele se junta a um ex-aluno, Jesse Pinkmann. Brian Cranston viu sua carreira explodir com o papel do professor WW.  A série de 5 temporadas fez tanto sucesso que há rumores de um filme original da Netflix  com os mesmos atores e personagens para breve.

 

Ozark : A premissa lembra Breaking Bad : os Byrde e seus filhos adolescentes, Charlotte e Jonah, parecem uma família comum com uma vida comum. Exceto pelo trabalho de Marty ( Jason Batman), um consultor financeiro de Chicago que é também o mais importante lavador de dinheiro para o segundo maior cartel de drogas do México. Quando as coisas se complicam, Marty precisa tirar sua família da grande Chicago e se mudar com ela para a região bucólica dos Lagos Ozark, no Missouri. A séries está indo para a terceira temporada.

Disponível na Netflix.

____________________________________________________________

 

OS FAVORITOS DE ...

Andrea Buzato, jornalista, atriz de cinema, TV e teatro, premiada com o Kikito de melhor atriz coadjuvante no 42º Festival de Cinema Gramado pelo filme "Os senhores da guerra".

Minha ligação com o cinema: Começou na adolescência. Estudava e tirava boas notas para minha mãe deixar eu ir ao cinema aos domingos. Todos iam ! Tinha um bem grande no centro de Balneário Camboriú e outro drive in mais na saída da cidade. Passava a semana seguinte querendo comentar e assistir mais uma vez aqueles filmes. Quando resolvi ser atriz, aos 15 anos, foi pensando nas atrizes que eu admirava na telona, já que teatro praticamente não existia na minha área e novelas tinham Ibope zero na minha casa. Meus primeiros papéis como atriz foram tensos e, ao meso tempo, maravilhosos. Tive oportunidade de fazer longas e apresentar festivais com uma diversidade incrível de filmes. Na família que criei, com meus três filhos, diversão é assistir a filmes, série e fazer arte.

Um filme : A Sociedade dos poetas mortos (Dead Poet Society). Assisti sozinha num cinema do Rio, bem na época que "peitei" a família para fazer teatro e ser artista. Foi bem forte me enxergar na tela. Robin Williams estava incrível!

Um diretor: Sou Almodovariana de carteirinha!! ( nota da colunista: eu vi primeiro !)

Uma atriz : Sempre amei Vanessa Redgrave, mas Meryl Streep está cada vez mais espetacular! Cada personagem dela no cinema é uma aula de interpretação. ( nota da coluista: que alegria ver Andrea lembrar de Vanessa Redgrave, uma das minhas atrizes favoritas. Quanto a Meryl Streep, bem, ela é Meryl Streep...)

Um ator : Anthony Hopkins é um gênio da atuação para as lentes. As cenas dele podem ser estudadas milimetricamente, cada olhar, cada respiração, tem intenção.

Uma cena : Cena do filmes As Horas, com três atrizes que adoro ( Juiane Moore, Meryl Streep e Nicole Kidman), baseado em contos e na vida da escritora Virginia Woolf, que amo! Numa das fugas dela da casa no campo, o marido tenta dissuadi-la na estação de trem a ficar, dizendo que ela não vai sobreviver se voltar para Londres. E ela (Nicole Kidman) diz: "não existe paz, evitando a vida".Assisti milhares de vezes esse filme quando ensaiava " Uma sociedade", peça adaptada de um conto de Virginia. Um filme cheio de nuances sobre o feminino.

Uma série : The Handmaid´s tale (O Conto da Aia). Uma série essencial para as mulheres nestes tempos tenebrosos.

____________________________________________________________

 

Dica: Workshop de performance no vídeo

Já que ela está nesta edição da coluna, aproveito para reforçar que Andréa Buzato vai compartilhar conhecimento e experiência na atuação em frente às câmeras no Workshop de Performance no Vídeo, que acontece no dia 15 de julho, na Base Coworking, em Florianópolis.

É uma boa oportunidade para garantir mais segurança e expressividade no vídeo, instrumento cada vez mais importante nas mídias sociais e na trajetória do profissional de Marketing, Educação, Comunicação e Vendas.

Maiores informações pelo WhatsApp 48 99805.8884.

____________________________________________________________

 

EM CARTAZ

Pra ninguém dizer que não vai ao cinema porque o ingresso está caro... Ouve o podcast aqui!

 

Links:

http://fundacaoculturalbadesc.com/cineclube-2019/

http://cultura.sc.gov.br/programacao/tipo/cinema

 

____________________________________________________________

 

HISTÓRIAS DE HOLLYWOOD

Olivia de Havilland faz 103 anos !

 

A história da atriz Olivia de Havilland, a doce Melanie de E o vento levou, rendeu vários livros, mas desconheço se algum foi traduzido para o português. Uma pena, porque sua vida é um roteiro pronto. Ela e sua irmã, Joan Fontaine, protagonizaram uma das maiores rivalidades de Hollywood. Tudo começou na infância quando a mãe sempre demonstrou preferência por Olivia e aumentou quando Joan resolveu seguir a mesma carreira da irmã mais velha. O embate seguiu por toda a vida, com cada uma disputando as glórias da indústria cinematográfica para dizer "eu sou a melhor". No quesito Oscar, Olivia levou vantagem, com duas estatuetas de melhor atriz: uma pelo filme 'Só Resta uma Lágrima' (1946) e outra por 'Tarde Demais' (1949). Joan recebeu uma estatueta de ouro por Suspicion/Suspeita (1941), do mestre do suspense, Alfred Hitchcock.


As irmãs Joan e Olivia

Sempre tentando ser superior, Joan Fontaine chegou a dizer :"casei-me antes de Olivia, ganhei o Oscar antes dela e, se eu morrer primeiro, tenho certeza de que ela ficará furiosa de tê-la batido nisso também". Se Olivia ficou ou não furiosa nunca saberemos, mas Joan " conseguiu" partir antes da irmã, mesmo sendo um ano mais nova. Morreu em 2013, aos 96 anos. As irmãs nunca se reconciliaram.  Olivia vive em Paris e completou 103 anos no última segunda-feira, 01/07. Continua incrivelmente bela como mostra esta foto tirada aos 100 anos.

____________________________________________________________

 

DICA DE LEITURA – CINEMA

E o dia 1° de julho marcou também os ...anos da morte de Marlon Brando, um dos maiores atores da história do cinema. Entre seus filmes mais importantes estão Um bonde chamado desejo ou, no Brasil, Uma rua chamada pecado; Sindicato de Ladrões; O último tango em Paris e O Poderoso Chefão. Com toda esta importância e uma vida pessoal trágica, ele inspirou várias biografias, autorizadas e não autorizadas. Mexendo na minha estante achei estes três para sugerir a vocês:

Brando-Canções que minha mãe me ensinou – Brando e Robert Lindsey -Ed.Siciliano –

Sempre tentando se manter discreto, Brando decidiu falar de sua vida aos 70 anos, neste livro escrito por ele e por Robert Lindsey. Aqui, claro, ele teve controle sobre o que publicar.

Marlon Brando – A face sombria da beleza – François Forestier – Ed. Objetiva

Aqui, o bicho pega, pois autor foca justamente no lado sombrio , como diz o título, da vida do grando astro. A tragédia familiar: o filho de Brando assassinou o namorado da irmã, a filha favorita de Brando, que depois se suicidou, seu declínio físico e profissional, enfim, como os deuses estivessem cobrando tudo o que recebeu em beleza, talento, amores.

A infância de Marlon também não foi fácil e certa vez disse ele : Se eu não tivesse sido ator, teria me tornado um vigarista e acabaria na cadeia. Ou talvez tivesse enlouquecido".

Brando – Movie Icons – Editora Taschen

As publicações da Taschen são voltadas para imagens. Aqui, estão reunidas fotos das filmagens, dos bastidores e momentos íntimos de Marlon Brando. E, como se sabe pelas telas, ele era uma " força da natureza" em fotogenia. Além do talento, foi um dos atores mais belos do cinema. Duvida ?

Depois desta imagem nada mais a acrescentar...a não ser, até a próxima sexta-feira.

THE END

(*)Fotosdivulgação/reprodução

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!