Maio 02, 2019

EDUCAÇÃO: OBJETIVO E METODOLOGIA, E NÃO DINHEIRO.

EDUCAÇÃO: OBJETIVO E METODOLOGIA, E NÃO DINHEIRO.

A economia com a previdência dará dinheiro, sim, para a educação. Mas isso não resolverá o problema da educação, da sua missão. Os professores merecem aumento de salário, sim. Mas isso não resolverá o problema da educação, da sua missão.

A única coisa que resolverá o problema da educação, da sua missão, é a definição correta de seu objetivo, exigido pelo futuro, e a implantação de uma metodologia para se chegar a esse objetivo do futuro. Se dermos mais dinheiro para a educação e aumentarmos o salário dos professores, sem que eles definam e implementem o objetivo e a metodologia exigidos da educação pelo futuro, esse gasto de mais dinheiro com a educação não servirá para coisíssima alguma.

O objetivo da educação do futuro tem que ser gerar empreendimentos, empregos, rendas e previdência satisfatórias para todos os brasileiros. Para fazer isso, a metodologia da educação do futuro tem que partir de uma estratégia simples, mas poderosa: Metade do tempo da educação assumir a responsabilidade total pelo sucesso das carreiras concretas de vida e trabalho dos indivíduos, do nascimento até a morte. E metade do tempo injetar em tais carreiras as tais matérias básicas – matemática, línguas, ciências, etc. – devidamente articuladas aos interesses concretos das carreiras concretas de vida e trabalho dos indivíduos, do nascimento à morte. Como faz a educação na Finlândia.  

Mudança assustadora, não e mesmo, para os educadores arcaicos que estão aí no Brasil, viciados apenas na decoreba de textos e fórmulas, e na implantação dessa decoreba na cabeça dos alunos. Sem fazer nada que garanta o sucesso das carreiras concretas de vida e trabalho desses alunos.

A educação do futuro está pedindo por uma revolução radical em termos de objetivação e metodologia. Assim sendo, é uma grande ingenuidade dizer que apenas com o dinheiro economizado pela reforma da previdência se vai resolver o problema da educação. É exatamente o contrário. Se implementarmos a educação do futuro, ela irá resolver o problema da previdência de forma definitiva. Que depende de arrecadação. A reforma da previdência que se está buscando implementar nesse momento é apenas um paliativo. Está se colocando a previdência na UTI para tratar apenas dos sintomas fiscais da sua doença. Mas não se está atacando a causa, a raiz, da doença. Que é a falta de empreendimentos, empregos e rendas satisfatórios para todos os brasileiros. O que só a educação pode providenciar. Não a educação que está aí, no Brasil. Mas se investirmos esforços pra valer no objetivo e na metodologia da educação do futuro, que assumirá a responsabilidade total pelo sucesso das carreiras concretas de vida e trabalho de todos os cidadãos, do nascimento à morte, com ajuda da revolução comunicacional-informacional que está aí. Sem isso, podemos esperar pela morte da previdência, que está sendo adiada apenas.

*Ricardo Luiz Hoffmann é Formado em direito, técnico em assuntos educacionais da Universidade Federal de SC, aposentado.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!