Dezembro 16, 2019

Está faltando reportagem investigativa

Está faltando reportagem investigativa

Onde está aquela dúzia de repórteres que evitam se identificar e até correm risco de vida para tratar de grandes temas? Estamos sentindo falta deles. Sumiram de vez ou deram um tempo nestes momentos difíceis para o Jornalismo?

Tomara não estejam por aí só correndo atrás de ladrõezinhos de gado ou procurando vereadores do interior que ganham diárias para "comparecer" a cursos frios.

Isso também vale. Mas o que está fazendo falta é a grande investigação. Por exemplo, daquela história do porteiro que suspostamente dedurou Bolsonaro dando passagem a um dos matadores de Marielle. Soltaram a bomba jornalística assim, no ar, e não se fala mais no assunto? Qual é o final da história?

E qual a verdade na prisão dos quatro brigadistas no Pará? São inocentes ou culpados de terem ateado fogo na região do Alter do Chão? E o trenzinho da alegria ao Vaticano no evento de Irmã Dulce: quase nenhum registro. E de outras locomotivas festivas, partindo quase todos os meses do Congresso, com a parentada junto.

Há muitos assuntos abandonados pela mídia. Depois de meses ou anos ganham versão oficial. E a imprensa fica com ela, pois não buscou a sua, porque não investigou. Então, está na hora dos repórteres investigativos saírem da zona de conforto e voltarem a luta. Nós precisamos.

 

Doping

Falando em coisas abandonadas, foi bastante estranho o comportamento das equipes esportivas com relação ao suposto doping do craque Bruno Henrique. A notícia que ele havia usado uma substância proibida no jogo Flamengo 4 x Vasco 4, foi dada com exclusividade pelo Fox Sports 2, sexta-feira passada.  

Aqueles poucos que divulgaram a nota, já deram a explicação que o rapaz havia sido liberado da acusação há três meses. Segundo o Flamengo, a sustância detectada é de um colírio para tratamento de glaucoma.

Bruno tem problemas com essa doença há anos, mas daí a não divulgar durante três meses essa situação, são coisas diferentes. O exame do jogador revelou uma substância diurética para mascarar doping. OK, muito provavelmente Bruno Henrique é um cara limpo, mas torcer pelo mundial do clube para os cariocas não impede que repórteres tratem desse assunto, sendo investigativos ou não.

 

Fake News

Um tema relevante que ficou nas nuvens, literalmente: a denúncia da ex-líder do governo Joice Hasselmann, que fake news são produzidas dentro do Palácio do Planalto, sob a liderança de um filho do presidente. Foi depoimento oficial no Congresso, mas o assunto parou ali.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!