Agosto 11, 2017

Grupo assume nova identidade e deixa RBS no passado

Já tem hora marcada para o grupo empresarial paulista NC assumir a compra da RBS Santa Catarina: será terça-feira, 15, às 19h, para convidados, a apresentação dos propósitos da nova empresa, vinhetas e campanha. Nos últimos dias o marketing está trabalhando na apresentação de teasers do que vem por aí. Fabian Londero, do RBS Notícias, esta nas ruas falando do jornal que apresenta (ver aqui). O logo já foi divulgado (ver matéria) mas o cenário ainda está sendo finalizado. Vão permanecer com a redação ao fundo, como fazem 9 entre 10 TVs do mundo, mas o âncora terá um monitor à frente para interagir.

É uma mudança radical na nomenclatura e nem tanto no conteúdo, que permanece ligado à Rede Globo na maior parte do espaço. Nos últimos meses houve um enxugamento da programação local das praças, com redução de funcionários, que continua. Sabe-se que o Grupo NC busca resultados, o que contrapõe, por exemplo, com o modelo atual de jornais impressos, que já são deficitários ou vão chegar lá. Espera-se alteração em breve nessa área, com a criação de um portal semelhante a Gazeta do Povo, em Curitiba, que foi visitada recentemente. Fala-se também que no futuro os jornais onlines terão uma edição impressa substancial aos fins de semana.

É esperar para ver o que foi definido nesses longos meses de transição da RBS para NSC.

Lembrando que o mentor e grande incentivador do negócio, Lírio Parisotto, não faz parte do processo, ficando apenas com as empresas NC, cujo foco até agora era compra de patentes e produção de remédios. 

  • MEIO-OESTE

A redução da programação local no interior catarinense pegou em cheio o planalto e meio-oeste. Lá a ex-RBS comprou a emissora de Joaçaba passando a gerar programação local. Depois mudou o principal para Lages, deixando Joaçaba como sucursal. E mudou de novo, agora mantém apenas equipes nas duas cidades. A TV Catarina - BAND SC - fechou definitivamente a operação em Xanxerê e a RIC acabou com a programação local na mesma cidade, mantendo também uma equipe.  

  • AFLIÇÃO

O rádio de Florianópolis está em um momento de grande aflição. A Guarujá demitiu muita gente, está atrelada a Band Nacional e careca de gestão. O programa de debate esportivo, por exemplo, que seria de maiores chances de audiência, se perde em discussões inaudíveis entre Miguel Livramento e Paulo Britto. É um debate neurótico, cujos digladiantes deveriam ser separados.

Na CBN, reportagem, comentário e especialmente plantão estão em um momento muito ruim. Com um pouco mais de liderança já teria mexido para melhorar o time, por exemplo, contratando o plantão Luiz Gonzaga, o melhor da área que está desempregado em Florianópolis.

Enquanto isso, o ouvinte sofre.

Claiton Selistre é jornalista.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!