Agosto 19, 2019

Jornal Hoje, desafio para âncoras

Jornal Hoje, desafio para âncoras
Reprodução

O Jornal Hoje perdeu o rumo. De um produto light, cheio de matérias festivas e de roteiros turísticos, passou a hard, mas sem ser inédito. Acaba tratando dos mesmos assuntos do Jornal Nacional da noite anterior, gerando uma sensação de já visto.

Virou, também, fim de linha para editores que deixam outros telejornais. Para os âncoras, ao contrário, passou a ser trampolim. Evaristo Costa quebrou a sequência e se estressou, deixando a apresentação para ir a lugar nenhum. Seu substituto, Dony de Nuccio, recebeu rápidas oportunidades de crescimento, porém pisou na bola ao assinar um contrato milionário privado sem falar com a Globo e teve que sair.

Quebrada a sequência lógica, Maria Julia Coutinho assume agora a bancada, por enquanto sozinha. A emissora ainda não anunciou quem lhe fará companhia.    

O JH é estratégico para audiência, porque em várias cidades é a porta de entrada para o SBT e a Record.

O desafio ficou maior ainda.

 

Aos editores, com apreço

 

Desde o começo na TV2 Guaíba sou admirador dos editores de vídeo. Naquelas máquinas inadequadas de anos atrás ou modernas estações de software, é preciso muita criatividade e técnica para transformar uma ideia em algo que sensibilize.

Nas ilhas de edição, vi grandes trabalhos, como o de Sérgio Kaiser, colocando imagens factuais em cima de um trecho de ópera para marcar um Jornal do Almoço de fim de ano. Nos últimos dias, a chamada de dois minutos para o filme “O Coringa”, de Joaquim Fenix, é um primor.

Alguém na terra não gostaria de ter feito esta edição?  

 

Dicas

O que os editores de texto de telejornal deveriam dar um tempo:

- Desmatamento da Amazônia. Matéria todo dia é demais;

- Declarações erráticas de Bolsonaro: de vez em quando deixar que fale sozinho;

- Dar um tempo para consultores de temas variados. Alimentação, por exemplo, é só dizer que verdura faz bem para todas as doenças em uma frase; 

- O futebol da capital parece que vai sumir do mapa, mas a mídia trata o assunto amenamente;

- Não foi feita ainda a matéria definitiva sobre incentivos fiscais em Santa Catarina. Grande parte da mídia assumiu que é contra no embalo das assessorias.

 

BEC

O Brusque tornou-se campeão nacional da série D, ao ganhar do Manaus, com público recorde na Arena Pantanal: quase 45 mil pessoas.

Faltou, entre eles, um jornalista esportivo catarinense que testemunhasse a conquista. Ou que, pelo menos, fosse à Brusque mesmo, pois a torcida que não pode viajar acompanhou a partida ali mesmo.

E sobrou gente na internet procurando fotos e imagens para compensar. 

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!