Janeiro 23, 2020
SÃO JOSÉ EM AÇÃO

MDB se reúne sem debater impeachment

MDB se reúne sem debater impeachment
RODOLFO ESPÍNOLA/AGÊNCIA AL/12NOV2019

A maior bancada da Assembleia, que tem direito a indicar dois participantes dos nove na Comissão Especial que analisará o crime de responsabilidade e a possibilidade de abertura de um processo de impeachment contra o governador Carlos Moisés da Silva não tratou oficialmente do assunto em um jantar na casa da deputada Ada de Luca, na Praia de Jurerê, em Florianópolis, na noite de terça (21).

Presentes o vice-presidente da Assembleia, Mauro De Nadal, e os parlamentares Volnei Weber (foto), Jerry Comper, Fernando Krelling e o líder Luiz Fernando Vampiro (foto); ausentes dos deputados Moacir Sopelsa, que tinha outro compromisso; Romildo Titon, que está em viagem; e Valdir Cobalchini, que não recebeu o convite porque não há sinal de celular no sítio dele, em Caçador.

Vampiro esquivou-se de duas perguntas no encontro: sobre a liderança do governo no Legislativo com a informação de que não foi convidado para esta função e a sobre a composição da comissão especial do impeachment, assunto que ficará mesmo para o início do ano no parlamento, dia 3 de fevereiro.

Os deputados comemoraram que não foram tiradas fotos do jantar, na última terça, principalmente depois das repercussões que encontros políticos passaram a ter nas redes sociais.

 

Prioridade

Para não dizer que apenas amenidades, muitas risadas, um bom vinho, camarão à milanesa, bolinho de siri, salmão e frutos do mar, compuseram a noite dos deputados emedebistas, o assunto eleição municipal entrou na pauta.

A conversa foi sobre uma maior “intervenção”, leia-se participação mais forte, dos deputados estaduais nas campanhas às prefeituras, que exigirá um contato mais próximo com o presidente estadual da sigla, o deputado federal Celso Maldaner.

 

Cabo eleitoral

Prefeito de Florianópolis Gean Loureiro tem percorrido municípios da região da Grande Florianópolis e até do litoral sul para prestigiar o lançamento de pré-candidaturas apoiadas pelo DEM.

Isso mesmo, nem sempre o motivo da viagem é um integrante do novo partido de Gean, que sabe que o momento de dar apoio é agora, já que, depois, quando o foco for a campanha à reeleição, ficará impraticável atender à agenda de convites.

 

HAUDREY MAFIOLETE/DIVULGAÇÃO

APOSTA NA JUVENTUDE        

O prefeito de Concórdia, Rogério Luciano Pacheco, 52 anos, é o novo vice-presidente estadual do PSDB, uma aposta na renovação e juventude de quem comanda a segunda maior cidade administrada pelos tucanos em Santa Catarina. Ao lado da presidente estadual do partido na foto, a deputada federal Geovania de Sá, Pacheco acumula vitórias no quesito gestão pública, e, em 2019, o Conselho Nacional de Administração reconheceu a cidade como a de melhor governança no Estado e a segunda melhor do país entre os municípios com até 100 mil habitantes. Experiência política também não falta para o advogado que já foi vereador por cinco mandatos e presidente da Câmara, entre 2013 e 2015, e também presidiu a Associação dos Municípios do Alto Uruguai (Amauc), no ano passado.

 

Comparações até na presença

O Congresso em Foco confirma, de acordo com a mesa do Senado, que Jorginho Mello (PL) teve 97,33% de presença – duas faltas -, Esperidião Amin (PP) 92% - seis faltas - e Dário Berger (MDB), que se afastou para tratamento de saúde, 73,33% - 20 faltas -, tudo no primeiro ano da atual legislatura.

O mesmo levantamento, aponta Jorginho como colocado 2º lugar do ranking dos mais assíduos que ainda é integrado por Lasier Martins (Podemos-RS), Randolfe Rodrigues (REDE-AP) e Styvenson Valentim (PODEMOS-RN).

 

Economia

O uso do papel no governo do Estado quase zerou e agora a Secretaria da Administração comemora uma economia que deve chegar aos R$ 10,6 milhões por ano com a contratação de serviços de impressoras para o Poder Executivo.

O grande responsável por esta evolução chama-se pregão eletrônico, que pulou em participação de duas empresas na última licitação para oito agora, que fizeram acirrada apresentação de 150 lances diferentes, capazes de gerar uma diminuição no custo mensal de R$ 1,4 milhão para R$ 588 mil.

 

Então, por quê?

Lembram-se quando a coluna cita que Jair Bolsonaro trabalha arduamente, diariamente para a manutenção de sua base eleitoral de cerca de 30% dos leitores, com postagens nas redes sociais que mais lembram uma continuidade da campanha eleitoral, a pesquisa da Confederação Nacional do Transporte com o Instituto MDA confirma que a estratégia está certa.

Em um hipotético cenário para 2022, sem dar o nome dos pré-candidatos, os eleitores responderam espontaneamente que Bolsonaro lidera as intenções de votos com 29,1% das intenções de votos, Lula (PT) tem 17%, Ciro Gomes (PDT) aparece com 3,5%, o ministro Sérgio Moro (que até o momento não está filiado a partido algum)  com outros 2,4%, e o petista Fernando Haddad teria 2,3%.

 

Falta muito

Na pesquisa que foi realizada dos dias 15 a 18 de janeiro deste ano, com 2.002 entrevistas em 137 municípios de 25 unidades da Federação, com margem de erro de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos, a estratégia de Bolsonaro se consolida.

Ele fala apenas para seus seguidores mais ávidos e ainda pode amealhar, aqui e acolá, outros simpatizantes, pouco importa o tom de suas manifestações nas redes sociais ou quando dá as famosas entrevistas à porta do Palácio da Alvorada, residência oficial. E ainda há quem duvide da inteligência política do presidente.

 

RICARDO WOLFFENBÜTTEL/SECOM

O GÁS NATURAL ENTRA NA PAUTA

O setor produtivo levou ao governador Carlos Moisés um pedido histórico: a redução do preço do gás natural. Não é a única demanda do empresariado, que reclama do que chama de contrato leonino da SCGás, de mais de 20 anos, e do monopólio da estatal catarinense, controlada acionariamente pela Celesc. O governador criou um grupo de trabalho para discutir o assunto, que deve ter novo encontro em 15 dias. À mesa estavam, além do presidente da SCGás, William Anderson Lehmkuhl, e os secretários Paulo Eli (Fazenda) e Douglas Borba (Casa Civil), o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro (presidente da Frente Parlamentar do Gás), o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar; e pesos pesados do setor cerâmico, como o vice-presidente do Grupo Portobello, Cláudio Ávila da Silva, e o presidente do Grupo Eliane, Edson Gaidzinski.    

 

Duas versões

O empresário Edson Gaidzinski fez um desabafo no encontro com Moisés de que é a terceira vez que se senta em frente a um governador para tratar do assunto redução de preços do Gás Natural, responsável por 20% dos custos das empresas cerâmicas.

Já o presidente da SCGás, William Lehmkuhl, afirma que a tarifa cobrada pelo produto é a mais baixa do país, daí a relevância da mediação que será feita pelo secretário Douglas Borba e o deputado Vampiro.

 

* AINDA RENDE MUITO: CGU transformou em multa de cerca de R$ 5 mil a suspensão por 10 dias do reitor Ubaldo Balthazar, da UFSC, por ele e o Conselho Universitário insistirem na manutenção de Ronaldo David Barbosa na Corregedoria Geral da Instituição, sem prévia a autorização da Controladoria Geral da União, que substituiu o ex-corregedor-geral.

* PANO DE FUNDO: O fato remonta a denúncia feita pelo então corregedor-geral da UFSC, Rodolfo Hickel do Prado, que levou à investigação que originou a Operação Ouvidos Moucos, em 2017, pela Polícia Federal, com desfecho trágico devido a morte do então reitor da universidade, Luiz Carlos “Cao” Cancellier de Olivo.

* PELO MESMO FATO: O reitor chamou uma reunião extraordinária do Conselho Universitário para esta sexta (24) e a CGU também advertiu dois outros servidores da UFSC: a vice-reitora Alacoque Lorenzini Erdmann e Irineu Manoel de Souza, integrante do Conselho Universitário.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia. Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis), e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, assina uma coluna no Diarinho (Itajaí), faz comentários nas rádios do Grupo RCC (Bombinhas e Nova Trento), na 105 FM (Jaraguá do Sul) e na Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!