Julho 06, 2020

Mudanças nas tendências de Marketing Digital com a COVID-19

Mudanças nas tendências de Marketing Digital com a COVID-19
Foto: Reprodução/Pixabay

Por Roberto Rocha*

A atual crise que o mundo passa com a COVID-19 está obrigando as pessoas a repensarem suas atitudes e gastos, além de analisarem como será o futuro. O isolamento social vem impactando de forma severa todas as áreas da economia e promovendo  mudanças de hábitos, principalmente na forma como consomem produtos e serviços.

Para poder se adaptar a esse novo cenário, as empresas começaram a replanejar sua forma de fazer a comunicação. Neste artigo vamos falar sobre as mudanças nas tendências de marketing digital ocasionadas pela COVID-19 e o que podemos esperar para o futuro no mercado.

 

O novo comportamento do consumidor

A necessidade de ficar em casa, seja trabalhando ou não, com o objetivo de diminuir a disseminação do vírus, está gerando mudanças drásticas no comportamento das pessoas. Nota-se o aumento no número de assinaturas de canais de tv ou plataformas de streaming, como a Disney+, HBO Now e Netflix. Estudo elaborado pela Conviva, plataforma de monitoramento de streaming, aponta que a audiência desses serviços cresceu 20% desde o início da pandemia de coronavírus. 

Além disso, o mercado do marketing digital também está tendo uma demanda aumentada, visto o crescimento por serviços de consultorias e agências de comunicação. Apesar de muitas enxergarem com dúvidas o futuro das ações de marketing, algumas empresas estão vendo oportunidades surgindo, observando as novas tendências do digital.

Até mesmo as pequenas e médias, que antes não possuíam nenhuma estratégia de marketing digital, passaram a buscar maneiras de implantar suas lojas virtuais e sistemas de entrega em casa.

Esse processo de transformação é uma forma de se adaptar a essa nova realidade do mercado. Sendo assim, é preciso encontrar novos meios de se fazer negócios, fortalecendo a presença digital da marca quanto antes.

 

O que mudou?

Algumas mudanças são temporárias, mas outras se tornam definitivas, alterando os hábitos de consumo e criando novas tendências de marketing digital.

O isolamento social  fez com que o consumidor passasse a ter mais tempo para navegar na internet, seja a trabalho ou lazer. A necessidade de estar em casa obrigou as pessoas a comprarem produtos ou serviços de forma online, assim como buscarem novas formas de entretenimento e conhecimento.

Portanto, as pesquisas aumentaram e mais pessoas estão buscando pelo mesmo produto ou serviço. Isto leva a uma necessidade de melhorar a otimização dos sites das empresas para que consigam estar nas primeiras colocações nas páginas de busca. 

Da mesma forma, os marketplaces, como Amazon e Magazine Luiza, aumentaram consideravelmente o tráfego em suas plataformas. Os produtos de higiene pessoal foram os que mais cresceram em vendas nessa pandemia, principalmente os relacionados ao combate ao vírus, como o álcool gel. Outro setor que ficou aquecido com a crise, com a restrição das pessoas de irem a lugares públicos ou mesmo viajar, foi o de alimentação, fazendo com que bares e restaurantes que ainda não investiam em delivery, se adaptarem rapidamente.

No entanto, nem todos os setores estão conseguindo manter o fluxo e, com isso, estão traçando alternativas para conter a crise. O varejo está assistindo à redução das compras por impulso - seja pela quarentena, ou ainda pela insegurança econômica, diminuindo os gastos com supérfluos e priorizando o que é de necessidade. Desta forma, as compras impulsivas tiveram uma grande queda, obrigando as empresas a pensar em novas estratégias para chegar até o consumidor.

 

O que esperar?

As marcas que tiverem maior interação com o seu público estarão em vantagem e os negócios que não se adaptarem ao meio online estarão fadados a fechar as portas. O e-commerce está cada vez mais solidificado e o isolamento social fez com que aqueles consumidores reticentes a usar o meio online para fazer compras se rendessem.

As empresas que não se estruturarem para esta nova realidade, buscando ferramentas que garantem a segurança nas compras e estratégias criativas para atrair a atenção das pessoas, não atenderão às novas expectativas dos consumidores.

Além disso, o cenário de recessão econômica e o esforço coletivo para manter os empregos estão gerando um movimento de valorização dos negócios locais, de produtos e serviços, ajudando as pequenas e médias empresas a se manterem abertas.

 

Conclusão

O pensamento do consumidor mudou, e o planejamento das empresas deve seguir esse novo caminho, buscando as novas tendências de marketing digital, ditadas por novos comportamento. A necessidade de ficar em casa está levando as pessoas a terem uma nova visão sobre suas prioridades em gastos com itens de pouca necessidade e a forma como adquirem seus produtos.

É importante reforçar o relacionamento com o seu consumidor e estar onde ele está, se fazer presente. Portante, migre para o online, reforce a comunicação, seja relevante e mantenha-se próximo do seu público-alvo.

 

*Por Roberto Rocha, CMO da leadlovers, plataforma de marketing digital e vendas.

 

 

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!