Maio 18, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada

Seleção de SC, futsal, vice-campeã do Torneio Orlando Zancanmer em SJC, SP – 1968.

 

1 – Melim

Na foto maior, à esquerda, agachado ao lado do dono da foto, e no detalhe, à direita, está Luiz Carlos Melim, amigo, bancário, diretor de empresas e jogador de futebol de salão. Um dos melhores no Estado, ao lado de Renato Sá, Tamino, Acioli, Biazotto, Fausto, Chico Lins e...

Amigo de juventude. Cresceu na Rua São Jorge. Foi cunhado do cantor Luiz Henrique Rosa. Mas no futsal brilhou mais que muita gente. Matador, como definiu o goleiro Fausto Silva, ao telefone. Um craque, como Hélio Lange, o Paruzinho, escreveu outro dia no Face.

Foi jogador nos juvenis do Avaí. Adorava uma "caixeta". Não saía sem a companhia do Dourado – Luiz Alves Rodrigues - e de Lázaro Lauri de Lima, o penúltimo de bigode, agachado. Deixou os amigos com quem contava histórias, de uma cidade que não existe mais, no café do Shopping, e o nome marcado na história do futebol de salão, como na foto cima do Paulo Araújo Duarte. Melim morreu no último dia 8 de maio de câncer.

 

2 - Treinar onde?

O governador, em crise política, econômica e administrativa, fez média e liberou o retorno dos jogadores aos treinamentos. O Figueirense treina no CT do Cambirela, em Palhoça. O prefeito Pagani Martins liberou. O Avaí não pode treinar na Ilha e no Estreito, vai treinar no campo do Guarani. Na capital, o alcaide Gean Loureiro não liberou. E onde irão jogar?

 

3 – Jogar na Palhoça!

Como os jogos serão sem público, com os portões fechados, o Figueirense poderá jogar no CT do Cambirela, no Aririú, como jogava o time B e os juniores. O Avaí, no Estádio Ivo Silveira, do Guarani, com portões fechado, sem público, onde não terá problemas. Não vai ninguém mesmo. O único cuidado é ter que cumprir o protocolo imposto pela CBF e FCF.

 

4 - Vírus

Seja qual for a política do governo, corremos riscos e estamos envolvidos nesta crise. Se existem discrepâncias entre os interesses econômicos e sanitários, teremos que sobreviver, de uma maneira ou de outra.

 

5 - Não mudará

Todo mundo aposta que depois da crise a vida será diferente. Não será para os dirigentes de futebol. Vejamos: o Corinthians, não paga a luz, não tem dinheiro; o Vasco, os salários desde dezembro; o Cruzeiro, Santos, Flamengo e grandes da Europa, reduziram os salários dos jogadores e empregados; o Fluminense, não paga o uso do Maracanã, mas prosa anuncia a contratação do Fred.

Eles não têm jeito.

 

6 - Valdano

O futebol pertence a todos, uma paixão de milhões de pessoas de diferentes idiomas, raças e culturas não tem dono. Obedece regras, que desde quando instauraram o impedimento em 1925, conhecido e discutido por todos, não mudou muito. Há mais de 100 anos adotou algumas alterações que ajudaram a disciplinar o jogo com o uso dos cartões amarelos e vermelhos, em 1970. Em 1992, foi a vez da proibição de atrasar a bola para o goleiro, tornando-o mais dinâmico. No momento querem impor, temporariamente, cinco substituições, até seis, alegando cansaço. Na Europa faltam jogar 11 partidas, em 45 dias. O Mundial tem 10 jogos, em 30 dias, no verão, e ninguém reclama de cansaço. Há gente que quer mudar o que não é deles, que sobrevive a tantos anos, mas sempre aparece um que se acha no direito de mudar.

 

7 - Ewaldo Willerding clique e veja

"Como que o Milton Cavallazzi fez um gol sem tocar na bola? Se abriu as pernas e ela entrou, o gol não foi dele. Foi de quem chutou", reclama Willerdin.

Veja aqui, de quem é o protagonismo? Cavallazzi definiu a jogada, abrindo as pernas, como Riquelme. Não sobram dúvidas!

O Ewaldo, ex-editor - dos bons - no antigo DC, completou: "Em uma noite, não lembro quando, joguei contra o Cavallazzi, no gramado da Escola da Polícia Militar, na Trindade - Imprensa x ex-jogadores -, e deu um ‘banho’ aos 60 anos e barrigudinho. Me impressionou. Perdemos de 5x2, ele fez dois e o Renato Sá os outros".

 

Fim.

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 28, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 25, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 21, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 14, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC. Além de colunista no Portal Making Of é comentarista na Rádio Guarujá.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!