Junho 22, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada

1 – Mundial de 70

Que idade você tem? Há meio século assisti a uma Copa do Mundo eterna, perpétua e infinita graças à tecnologia que permitiu que as emissoras de televisão de todo o mundo transmitissem todos os jogos desse mundial de 1970. Repito: eterna, perpétua e infinita. Nunca vi outro igual.  O Mundial do Brasil de Pelé: inesquecível! Realizado no México, pela primeira vez, entre os dias 31 de maio a 21 de junho de 1970. O treinador, Mario Zagallo, pegou os jogadores convocados por João Saldanha, com o enxerto de Dario, imposto pelo presidente Médici, e escolheu cinco deuses; cinco, 10 nas suas equipes, para formar um ataque místico: Jairzinho, Gerson, Pelé, Tostão e Rivelino.

A partida do século foi entre Itália e Alemanha, resolvida na prorrogação, quando foram assinalados cinco gols. A Itália venceu por 4 a 3 e evitou que a moeda decidisse a classificação, pelos jogadores. Beckenbauer abandonou o gramado do Estádio Asteca com o braço na tipoia. Mas o melhor jogo foi entre a Inglaterra (campeã de 66) x Brasil.

Se você não sabe, foi o Mundial que registrou as inovações nas regras do jogo, em tecnologia e dos lances inesquecíveis protagonizados pelos jogadores: Gerd Müller fez 10 gols; Jairzinho que marcou nos 7 jogos que disputou; a marca da defesa de Gordon Banks e o peruano Teófilo Cubillas como a revelação do Mundial.

Foi o mundial de um futebol de ataque; puro, de qualidade, de gols e da estrela Pelé brilhando, participando pela quarta vez e conquistando três títulos mundiais de seleção.

Desafio você encontrar outras palavras para qualificar este mundial de 70.

 

2 – Sorvete

Março de 1970, a Seleção perdeu para a Argentina, em Porto Alegre, por 2 a 0. No dia seguinte, o médico Lídio Toledo dispensou Scalla e Toninho Guerreiro. Saldanha chamou Zé Carlos, do Cruzeiro. Antônio dos Passos queria Dario. Naquele mês, Roberto Marinho contratou João Saldanha para trabalhar na Rede Globo. A crônica não gostou e perguntava: é comentarista, cronista ou técnico da Seleção? Neste clima, Yustrich, amigo do filho da Dona Cotinha, treinava o Flamengo e deu numa entrevista à Revista Manchete, chamando Saldanha de ignorante, falastrão, mentiroso, oportunista e covarde. Saldanha, de revolver em punho, invadiu a sede do Flamengo, a procura de Yustrich. No dia 17, à noite, na sede da CBD, João Havelange anunciou aos jornalistas: - “Senhores, quero comunicar que a comissão técnica da Seleção Brasileira está dissolvida”.

Saldanha... – “O que o senhor quer dizer como está dissolvida?” – interveio, – “Não sou sorvete para ser dissolvido. Quer dizer que estou demitido?”.

- “Sim, o senhor e toda a comissão técnica”.

Mario Zagallo, treinador do Botafogo, assume o comando da Seleção Brasileira e chama cinco jogadores, entre eles Dario.

 

3 – Roubaram a Taça

A Seleção de Futebol do Brasil foi campeã invicta pela terceira vez, tendo o direito de ficar com a taça Jules Rimet. Mas no final de 1983, a taça foi roubada e vendida, depois de ser reduzida a quase dois quilos de ouro. Uma cópia ocupa seu lugar na vitrine de troféus na sede da CBF, no Rio.

 

4 – Política

O primeiro decreto foi do presidente institucionalizando o comércio, ou seja, a negociação dos clubes com as redes de televisão. O segundo decreto, do prefeito Marcelo Crivella, do Rio, interferindo no Campeonato Carioca ao atender os interesses de Flu e Bota, que suspende a realização dos jogos destes e liberando os demais clubes, entres eles o Flamengo.

 

5 – Protesto

Torcedores do Avaí estão propondo uma ação no TJD, exigindo que o segundo jogo, contra a Chapecoense, seja realizado na Ressacada. Sustentam a ação com base no Estatuto do Torcedor e Regulamento da Competição. O jogo será sem público. Não entendi. A cidade ainda vive em Estado de alerta. E sobre esta situação, no jornal Notícia do Dia, edição de domingo, a advogada Grazzielly Baggentoss esclarece, “Sempre há limites quando se fala em restrições de liberdade. Ela tem que ser justificada... Visando a saúde pública, se faz necessário”.

Mas mesmo contratando o Ralf, por que o receio de jogar na Palhoça ou porque na Ressacada, alguns privilegiados acreditam que possam entrar no estádio? Só pode!

 

6 – Sinal da Cruz

No primeiro jogo do Mundial do México, entre Brasil x Tchecoslováquia, o jogador Ladislav Petras marcou o primeiro gol e correu para a frente de uma câmara de TV, ajoelhou-se e fez o sinal da cruz para agradecer o gol aos céus. Escreveram e ainda há quem escreva assim: agradecer aos céus. Lembro que em 1968, o exército russo invadiu Praga, abafou a revolta dos tchecos que ficou conhecida como a “Primavera de Praga”. Entre as reivindicações do povo, estava a liberdade de credo. Petras, católico, protestou fazendo o sinal da cruz. O mundo assistiu ao protesto.  Jairzinho, nos jogos seguintes, copiando o tcheco, se ajoelhava e fazia o sinal da cruz, aí sim agradecendo aos céus. 

 

7 – Sandro Barreto...

O Estádio da Ressacada é um espaço privado. Local de trabalho dos empregados do Avaí, inclusive dos jogadores. Obedecendo aos protocolos sanitários, impostos às empresas por decreto do prefeito, porque o Avaí não pode treinar onde trabalha?

 

8 – Volta dos alemães

Na Liga Alemã, o time campeão é o Bayern e o campeonato termina dia 27 deste mês. Apressaram e a Champions só volta a ser disputada, em Lisboa, entre os dias 12 e 23 de agosto. O Leipzig, classificado, terá que esperar o dia 12/08 para voltar a jogar, enquanto o Bayern enfrentará o Chelsea, no dia 7 ou 8 de agosto. Isto se não ocorrer um repique na contaminação do novo coronavírus na região.

 

Fim.

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Julho 13, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Julho 09, 2020

Nossa Jogada

Julho 06, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Julho 02, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC. Além de colunista no Portal Making Of é comentarista na Rádio Guarujá.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!