Julho 13, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada

1 – Começou quarta com a arbitragem

As equipes de arbitragem escaladas para os jogos do Campeonato Catarinense passaram por testes de Covid-19 e Charly Deretti - (na foto) testou positivo e foi afastada do jogo entre Chapecoense x Avaí, realizado na quarta-feira, dia 8/07 e foi para a “geladeira” por sete dias pela direção da FCF. O retorno do Estadual 2020 começou e não perceberam o “sinal” que deveriam levar em conta, e deu no que deu: parou tudo!

 

2 – Desconfiei

Ninguém sabia antes do jogo em Chapecó que 11 jogadores e o treinador da Chapecoense, tinham dado positivos em covid-19 nos testes realizados na véspera. O jogo ocorreu, o Avaí perdeu de 2 a 0, e o jogo de volta das quartas de final estava marcado para ocorrer neste domingo, mas na sexta-feira, a Superintendência da Vigilância Sanitária vetou, em função das notícias de contaminação de 11 jogadores e o treinador.

Eu desconfiei porque só o jogo do Avai contra a Chapecoense fora adiado? Havia informação de que um jogador do Brusque Emerson Martins tinha dado positivo; dois do Joinville; dois do Criciúma; três do Marcilio Dias, no Figueirense havia e hoje mais dois deram positivos e de que Jaraguá do Sul se transformara no epicentro das contaminações de covid-19 no Norte do Estado.

Mas, na mesma tarde, a federação colocou ordem na casa e adiou todos os jogos, mantendo o do rebaixamento entre o Tubarão x Concórdia, que no domingo de manhã, foi adiado por determinação da prefeitura de Tubarão que proibiu qualquer jogo de futebol no município.

O Estadual 2020 está adiado.

 

3 – Retorno, hino e vírus

Após o jogo contra a Chapecoense na última quarta-feira a delegação do Avaí pernoitou em Chapecó, no dia seguinte pegou um avião, seguiu para São Paulo, permaneceu 4h esperando a baldeação para Florianópolis. Poderia ter voltado de “latão-leito” e teriam chegado de manhã. Mas devido os últimos fatos que adiaram os jogos seguinte, seria bom, daqui a 15 dias, os jogadores do Avaí realizarem novos testes, porque até agora nenhum jogador do Avaí testou positivo em covid-19.

 

4 – Distância

Segundo o irmão do Dr. Tullo Cavallazzi, o advogado Rogério Cavallazzi, os defensores do Avaí, praticaram e exerceram um distanciamento social aos adversários, na pequena área da defesa do Avaí, principalmente na hora dos dois gols da Chapecoense. Puro sarcasmo.

 

5 - Hino

Ah, neste jogo foi tocado os hinos do Brasil e do Estado sem a presença de público, dos jogadores e das autoridades. O hino foi tocado para quem? Ninguém ouviu. Cumpriram um ritual sem sentido e vulgarizaram um ato que deveria ser cívico. Sem público, para as nuvens ou para o novo coronavírus?

 

6 - Cai-cai

Em Chapecó, também ocorreu um cai-cai do goleiro Ricardo da Chapecoense, e fingir virou expertise no futebol, sem que ele saiba que desagrada quem paga para ver futebol na TV. No dia seguinte 11 jogadores deram positivos depois da realização de testes para Covid-19.

 

7 – Portões Fechados

Tenho visto jogos de futebol transmitidos pela TV, sem a mesma atração do “prazer visual [i]”, a partir do sofá de casa. Eu voltei ao tempo em que o Roberto Alves e o Ewaldo Bento transmitiam os jogos do Estadual de SC, pela TV Cultura, em 1972. Nada parecido como se vê nas transmissões direto da Inglaterra e Espanha. O protocolo sanitário proíbe a presença de público e dos profissionais das mídias que acompanham e perseguem o futebol no Brasil. Nos países do Norte, os canais de televisão usam o truque do “chroma key”, aplicando imagens de pessoas virtuais encobrindo as cadeiras vazias.

 

8 – Flamengo e televisão

Escuto e leio que o futuro das transmissões de futebol será por “straeming”, depois da rebeldia do Flamengo. Ah é! Então me responda quantos pobres e miseráveis tem no Brasil condições de comprarem jogos de futebol transmitidos pelos aplicativos: Youtube, Netflix, DZN, Fox Sport, Face book, Disney, Globo play, Amazon Prime, TNT, Space e Fox Premium para citar alguns?

Pois saiba que o futebol pela Rede Globo chegava à casa destas pessoas de graça e em outros através da pirataria, como vai chegar nesta próxima quarta-feira, de graça via SBT TV e quem quiser pelos serviços de “straeming”, tipo canal do Flamengo.

Como imagino que cada clube pode vender seus jogos como mandante, imagine assim: a Amazon compra 10 jogos com exclusividade, a Disney outros 20; o Youtube 10, a Netflix mais 20 e assim por diante, e você terá que pagar, por cada jogo, a quantia de, 9,85 dólares. Por streaming não é de graça como a Globo e o SBT vai oferecer. No início custava 10 reais, como o amendoim de graça no boteco, mas o dono vai tirar o lucro no preço da cerveja.

 

9 – Futebol x TV

Fique sabendo que por trás desta briga Flamengo x Globo, existem outros interesses. Não será por decreto ou por vontade de um presidente que o povo irá mudar a sua cultura e seus hábitos e deixar de assistir futebol nos bares, restaurantes e em casa. Aos poucos, como estou fazendo, pode até ser, pois ou um daqueles que há muito tempo perdeu o hábito de ligar, diariamente, os canais da Globo ou das emissoras que oferecem serviço de som, imagem e texto de graça em aberto. Eu não assisto TV como antes do surgimento dos canais de assinaturas, não por questões políticas ou ideológicas, mas porque mudei de hábito e de cultura.

 

10 – Athletico e MP

Sustentado pela MP sobre direitos de TV, o Athletico quer negociar seus jogos, como mandante no Campeonato do Brasileiro, para transmissão em streaming via internet. No meio entra o Grupo Globo, que adquiriu os direitos de streaming de outros clubes que enfrentariam o Athletico em Curitiba. Esta negociação, dos 95 jogos que serão disputados na Baixada, terá a duração de cinco anos. Um dos argumentos é o entendimento, entre alguns advogados, de que um clube pode assinar um acordo em longo prazo, de cessão de jogos como mandante em streaming, enquanto vigorar a MP do governo federal.

 

11 – E agora?

Quando o prefeito Gean Loureira estava sozinho, recebeu críticas e chegaram a confundir as ações acertadas do prefeito como uma ação política. Naquele momento, cultuado no Brasil pelas ações que tomara, foi novamente criticado enquanto os prefeito da região metropolitana não agiam como Metrópole, cada um por si pensando na bolsa e não dando importância a vida. Pois agora os quatro prefeitos tomaram as mesmas medidas contra o avanço da crise sanitária. Você que acha que se trata de uma ação política partidária fique sabendo que a covid-19 ataca “atletas”, “gripezinha”, e que o aumento de contaminação na região é de mais de 50%.

Não se cuida não, só pra ver!

 

[i] Claiton Selistre – “NSC transmite jogo do Avaí como se fosse amador”, texto no Portalmakingof.com

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Agosto 06, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Agosto 03, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Julho 30, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Julho 27, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC. Além de colunista no Portal Making Of é comentarista na Rádio Guarujá.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!