Agosto 31, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada
Odi Varela, presidente da FAC, Fúlvio Vieira, RP do governo de Celso Ramos, ao lado.

O futebol não é, todavia, uma serie de Netflix e muito menos uma comedia romântica.

 

1 – Velho

Celso Ramos, na foto com Fúlvio e seu Odi, foi jogador de futebol do Avaí, Flamengo, governador de SC e presidente do Avaí. Hoje tem nome de praça, e não lhe homenagearam com seu nome a Rodovia SC 401, que mandou construir durante o período em que foi governador do Estado.

Destes três, na foto, o seu Odi Varela está vivo. No dia 3 de novembro completará 99 anos. Evitou este ano, homenagens que lhe iriam oferecer como dirigentes esportistas e comerciário. Seu Odi foi presidente da FAC – Federação Atlética Catarinense, que gerenciava o esporte amador de SC, excluindo a vela e o remo.

 

2 – Tempo Passa

Alguns não se dão conta. Estou velho. Li o livro: “A Construção da Personagem”, de Constantin Stanislavski, e o autor corrige um aluno explicando como deveria se comportar um personagem com mais de 60 anos. Preste atenção:

“Comece por estudar a natureza da velhice. Um jovem pode, instantaneamente, dar um pulo, girar, correr, sentar-se, levantar-se, sem qualquer preparação preliminar, ao passo que um velho não. Por razões puramente físicas. Devido a sedimentação dos sais e ao endurecimento dos músculos. Com o passar do tempo, as juntas do velho não são bem lubrificadas. Rangem, e raspam como ferro enferrujado. Diminuindo a amplitude dos gestos, reduz os ângulos de flexibilidade do dorso e da cabeça. Dividindo os movimentos maiores em uma série de movimentos menores. Um rapaz pode dar um giro de 50 a 60 graus, não tem o andar lento, não precisa de um terceiro apoio para se levantar e não demonstra uma cautela exagerada nos gestos”.

Às vezes alguém tem que dizer ao outro que ele está velho para determinados exercícios e gestos que se exige para jogar futebol.

 

3 – Saber

Saber jogar futebol é uma coisa, poder jogar, com os mais jovens, é outra coisa. Lembram da entrevista do Marquinhos Santos explicando que o Avaí, entre outras coisas, era formado por jogadores de renome, experientes, vieram de times grandes, “estrela” no Internacional, como Valdívia? Na sexta vi uma jogada de bola de pé em pé, de primeira, coisa que os “velhos” não conseguem acompanhar. Quem foram os melhores neste jogo?  Os esquecidos que estão recuperando o futebol do Avaí.

 

4 – Meio de Campo

Pedro Castro, jogador que atua no setor no Avaí, não é aproveitado como deveria, porque suas “características” é de um..., como o Lauro Burigo gostava de definir: típico bico a bico ou box and box, como definem os ingleses: caixa a caixa, porque na gíria deles área é uma caixa. O que faz o vai e vem. Pois no último jogo o Geninho o aproveitou nesta função: correu, marcou, chutou de fora da área e fez dois gols. Como volante não rende a mesma coisa.

 

5 – Eduardo Kunde

Ficou de fora, foi preterido e é melhor do que esta velharia que trouxeram para jogar na zaga. Com Kunde aconteceu a mesma coisa com o Louvatt e com o Gabriel. Eduardo Kunde foi para a geladeira, porque não quis prorrogar o contrato que terminava em dezembro

 

6 – Elano

Chegou e a primeira nota oficial do Figueirense, transcrevendo uma entrevista para o clube mesmo, publicada e reproduzida pela mídia, dizia que ele tinha conversado com Sidão, Marquinhos que transformou em capitão, Arouca e Everton Santos para encontrar o melhor time.

 

7 – Lucas pede para sair

Pediu para sair. A moda pegou depois que o Messi disse que não queria mais ficar no Barcelona. Lucas lateral, formado no clube, com passagens pelo Botafogo, Fluminense e Palmeiras foi embora. Como a noticia é oficial, não tenho como confirmar que ele foi procurar outro clube para jogar.

 

8 – Messi e o Barça

Por que ele não pode sair? Ah, porque tem contrato em vigor. Mas o Luiz Suáres e o Arturo Vidal foram comunicados que o clube não quer mais os dois e eles têm contrato em vigor. Quer dizer que o clube pode dispensar e o jogador não pode dispensar o clube?

 

9 – Sabia?

Que os velhinhos gostam de andar juntos, formam uma roda, tomam café no mesmo bar, passeiam pelas mesmas ruas? Pois olhem na tabela de classificação da Segunda Divisão: Avaí tem seis pontos e o Figueirense tem cinco pontos ganhos. Eles gostam de andar juntos!

 

10 – VAR

Já expliquei. Mas não leem regras, nem as novidades e ficam colocando culpa nas arbitragens. Queriam tecnologia como se o VAR fosse interpretar sozinho as regras do jogo. Só me queixo de uma coisa: a demora que interrompe a emoção do jogo. O Joseph Blater tinha razão: iria custar caro e não resolveria o problema das desculpas pelas derrotas.

 

11 – Melhor não pode

Está na outra fase da Copa do Brasil, se tiver sorte no sorteio passa e ainda é líder do seu grupo na Terceira Divisão do Brasileiro, sem contratar medalhões, jogadores de renome, cobra criada e sem um treinador que a dupla botasse o olho. Aliás, a dupla não sabe olhar porque os dois melhores jogadores do Fluminense: Dodi e Nino, como me chamou a atenção o Chiquinho, saíram de Criciúma. Eles enxergam, nós não.  

 

Fim.

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Setembro 21, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Setembro 17, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Setembro 14, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Setembro 10, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC. Além de colunista no Portal Making Of é comentarista na Rádio Guarujá.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!