Outubro 01, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada
Reprodução

1 - Sem Vídeo Arbitragem

Avaí 1 x Figueirense 0, terça à noite sem VAR[i]. Começo pela entrada de Getúlio e Rômulo. As duas melhores “contratações” de M10! Getúlio número 99 e salário de reserva; Rômulo número 77 e salário de reserva. Os dois criaram as oportunidades de gols para o Avaí. O Figueirense teve 65% de posse de bola e não soube o que fazer com ela. O erro do Elano é tentar montar um time a partir do Marquinhos. Ele não aparece para jogar só quando há faltas e escanteios, mesmo assim não acerta uma.

2 - Sobre o gol:

Pedro Castro, o vai e volta, o bico a bico, chegou primeiro do que Sanches Costa, tirou a bola que sobrou para Jean Martin, de primeira entrega a Rômulo na metade do campo. O 77 do Avaí progrediu, ninguém combateu e da entrada da área chutou. A bola bateu na trave e sobrou para Gaston Rodrigues, oportunista, tocar “pra” rede, pelo lado de dentro. Onde estava o Alemão? No lance não. Chegou depois para quase bater no árbitro. Os jogadores reclamaram falta na disputa PC e Sanches. Não há vídeo arbitragem, não volta a fita, não volta o lance, não volta a origem da jogada. Só cabe reclamar. À primeira vista lance normal. Editado com “slow motion” aumenta a dramaticidade como num filme dramático. Sobrou reclamar para o árbitro Rafael Traci, como fez o Alemão até ser expulso, não serve para nada.

3 - Jogadores no Figueirense

No Figueirense destaco: Pereira, Patrick - é melhor do que o velho e cansado Arouca, Diogo Gonçalves, Bruno Michel e um pouco do Keké.

4 - Jogadores no Avaí

No Avaí destaque para Pedro Castro; Rômulo e Getúlio pelas beiradas do campo; Jean Martin, Felipe e os “pratas da casa”, que entraram depois: Kunde e Ramon para confirmar a tese do Chiquinho: “Brito, os ‘juvenis’ (6) jogam mais do que os reforços”.

5 - A disputa

Cristiano Ronaldo e Romário são dois nomes incontestáveis no cenário do esportivo mundial. O brasileiro é o segundo maior artilheiro do futebol em gols oficiais e o português está a um gol de alcançá-lo, 743 a 742. Como ainda tem todo o campeonato italiano pela frente, não vai faltar oportunidade. E Messi tem 705 gols oficiais e dois anos e meio a menos que Cristiano.

6 - Nada mudou

O Avaí na luta para subir e quando ganha duas seguidas anuncia três jogadores: o zagueiro Alan Costa, o volante Leandrinho e o lateral João Lucas que estão em Florianópolis treinando e realizando exames médicos. Serão titulares ou come e dorme. Trazer reservas é jogar dinheiro fora ou agradar empresário de treinador.

7 - Lance normal?

Pergunto: Rafael Masselli foi falta? Ele responde: “Foi na bola, acertou uma perna e ele mostra escoriações nas duas, como nas duas”? O Luís Henrique Dias disse o seguinte: “Lance normal foi na bola, choque inevitável e segue o jogo”. Mas o Rafael voltou para dizer que o: “Futebol não é câmera lenta. As imagens em câmera lenta, que se mostra para justificar as reclamações, quase todas parecem faltas. Como foi o caso do pênalti em favor do Avaí. Não foi nada! Mas mostrado em câmera lenta, parece que foi. Uma coisa é o VAR em lances de impedimento, linha do gol etc.

8 - Irreverência aos mortos

Um minuto de silêncio, antes do início do jogo deveria ser uma referência e homenagem aos mortos. Observem como nem ficam contritos os jogadores, o arbitro e público. Eles nem estão aí para quem morreu ou deixou de morrer. Homenagem assim é melhor não fazer do jeito que fazem.

9 - A língua não tem osso

Outro dia um árbitro errou contra o Avaí, Geninho no final do jogo invadiu o campo e foi conversar com ele. O mundo quase veio abaixo. Editaram lances com imagens da TV, criaram um VAR depois do jogo e enviaram para a CBF pedindo o afastamento do juiz. Geninho só faltou “chorar” o leite derramado, esquecendo que a derrota ocorreu por um erro do goleiro Frigeri. Chuva e trovoada para o árbitro?

Para o goleiro carinho e compreensão.

10 - Política e esportes

“Sacudindo a torcida aos 38 minutos do segundo tempo, depois de fazer uma jogada celestial em gol”...

Carol Solberg, jogadora de vôlei de praia, aproveitou o momento na frente da TV para gritar: “Fora Bolsonaro”, desconhecendo a ética do esporte que não se deve misturar política e religião, público com privado. Ninguém ligou a televisão para ouvir protestos. O mundo veio abaixo: cadê a liberdade de expressão? Jogo de vôlei não é palanque. Jornalista esquece rápido. Até do que falaram na Olimpíada de Moscou. A Rússia invadiu o Afeganistão. Os Estados Unidos protestaram. Em apoio mais de 30 países não foram aos JJOO. Em 1980, em Moscou, não se via crianças e nem cachorros nas ruas. Só se via soldados e agentes da KGB.

11 – Roubo político

A política fez mais uma vítima: “Roubaram” a medalha de ouro do João do Pulo[ii], que voltou para a Vila Olímpica chorando. Foi no dia 25 de julho. Ele havia saltado: 17m90cm, um novo recorde mundial, no salto triplo. Um dos juízes anulou o salto. A medalha de ouro deveria ser dada ao russo Viktor Saneyev, recordista mundial e vencedor de três olimpíadas. Não ganhou, competiu machucado e perdeu para Jaak Uudmãe. João Carlos de Oliveira era seu maior adversário, mas os políticos russos queriam entregar a Viktor pela quarta vez uma medalha olímpica. Voltando ao protesto da filha da Izabel e as fotos acima, você que torce pelo Avaí e não votou no Bolsonaro, não gostou. O torcedor do Figueirense não gostou de ver Bolsonaro rindo depois da derrota de terça. É no que dá misturar política com esportes. 

12 – Meia com o dinheiro dos outros

Outra: sou contra meia entrada sem ressarcimento do Estado. O Estado e a Prefeitura deveriam assumir os custos. Os vereadores, deputados estaduais e federai aprovam uma lei de benefícios e clubes ou promotores de eventos pagam sem nada em troca. O Corinthians ingressou com uma ação na Justiça pedindo o fim da obrigatoriedade da meia-entrada na venda de ingressos para os jogos em que for mandante. O clube paulista quer ser ressarcido pelo Governo Federal, como São Paulo e Flamengo, do valor que deixou de arrecadar nos últimos cinco anos por causa da meia entrada.

A moda irá pegar. Sabe quem vai pagar? Você, como sempre, quando os “candidatos” atrás de votos fazem políticas sociais.

Fim.

___________________________________________________________

[i] VAR é uma sigla em inglês de video assistant referee ou árbitro assistente de vídeo que deve "ajudar o árbitro, em quatro situações (gols, pênaltis, cartões vermelhos e erros de identidade), mas o sistema está habilitado para reverter qualquer ação que possa ter influenciado um gol.

[ii] https://elpais.com/elpais/2020/08/27/eps/1598525636_433644.html

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Outubro 22, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Outubro 19, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Outubro 15, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Outubro 12, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!