Abril 02, 2020

Nossa Jogada

Nossa Jogada

Ídolo e craque

Segundo José Mourinho, estes foram os melhores que treinou: Petr Cech; Zanetti, John Terry, Ricardo Carvalho, e Gallas; Makelele, Lampard e Ozil; Hazard, Drogba e Cristiano Ronaldo.

Ele não viu o Milton Cavallazzi jogar, se tivesse visto... Acho uma injustiça que não tenha uma “Bola de Ouro da FIFA”. Na minha memória, ele foi o melhor. Quando vi Messi pela primeira vez lembrei dele jogando e se mexendo em campo.

Milton Cavallazzi está numa seleção dos melhores: Gainetti; Cafu, Brito, Veneza e Newton Santos; Nelinho, Didi e Pelé; Garrincha, Cavallazzi e Lico. Um dos muitos gols que fez, um eu lembro: foi no gol dos eucaliptos, no velho Estádio Adolfo Konder. Ele não tocou na bola, ele abriu as pernas e ela entrou...

Nos anos 60, nas tardes de domingo, se reuniam: Gega, China, Malhado, Beto Bandeira, Roberto Vaz, Paladinho, Julinho Rosa, Zé Bia, Batista, Xandoca, Tullo e eu para ver o Cavallazzi jogar, não importava contra quem.

 

Felicidade

Perguntaram a teóloga alemã Dorothee Sölle:

- Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

- Não explicaria – respondeu. - Daria uma bola de presente.

 

Esportista

Eduardo Galeano dedica seu livro – “Futebol – ao sol e a sombra”, a um grupo de garotos que cruzaram com ele, cantando:

“ Ganhamos, perdemos. Igual nos divertimos”.

 

Loucura do futebol

Janet Lever no seu livro “A loucura do futebol” narra, na página 121, de como é novo aspecto econômico. “A escalada dos salários, os custos crescentes, uma decorrência tanto da inflação, o aumento do número de jogos e a expansão de outras indústrias de lazer, que competem na disputa de público. A nova era financeira de todos os grandes clubes do mundo".

Esqueceu das televisões que vendem publicidade, em todo o mundo, à custa dos jogadores que se fossem cobrar um dólar de cada assinante, acredito que estão ganhando pouco.

Com quem fica a riqueza produzida pelo futebol?

 

Quarentena

Em casa sem fazer nada, você assiste tapes de jogos de futebol pela televisão. Depois que passar a nuvem, haverá uma crise econômica, os clubes sofrerão, os jogadores reduziram os salários.

Mas... Não acha que eles deveriam ser pagos por estas exibições?

 

Nem dá...

Primeiro é que beber cerveja com a mulher em casa não tem graça! Não dá para discutir se foi pênalti, impedimento. Se a vitória foi justa ou se o juiz roubou. Agora os aplausos são ao pessoal dos hospitais ou a quem está “repartindo” comida com os velhinhos.

Até esquece aquele pênalti no Tinga, que o Márcio Resende não apitou no jogo Inter x Corinthians, mas pode aplaudir o que ele está fazendo, em Porto Alegre, levando comida para os moradores de rua.

 

Penumbra

O esporte vive ume penumbra desde o dia 20 de março, quando caiu esta escuridão que recolheu todos para dentro de “casa”. Desligaram a vida. Há semanas que não se joga futebol, nem nas ruas, nem no campinho da esquina. Vou mais longe: futebol americano, basebol, basquetebol, tênis, rugby, criquet, formula 1, moto, rali, vela, ginástica, gols, natação... Tirando do ser humano o entretenimento, a diversão, o tempo, a hora de lazer.

Antes de ir para cama ligava a TV, escolhia um jogo, agora só levanta, toma banho, come, come, levanta, dorme, come e dorme de novo.

A vida ficou perigosa e vazia!

 

Robert Sirico:

"¿Quiere ayudar a los pobres? Monte una empresa!"

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 25, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 21, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 18, 2020
Exclusivo

Nossa Jogada

Maio 14, 2020

Paulo Brito

Paulo Brito

Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC. Além de colunista no Portal Making Of é comentarista na Rádio Guarujá.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!