Outubro 30, 2017

NSC exibe momentos de amadorismo. Por Claiton Selistre

Não é privilégio da NSC reduzir tamanhos de equipes, demitir funcionários que ganham mais e juntar grupo de profissionais de diferentes meios em um mesmo espaço. Mas o que chama a atenção, em primeiro lugar, é que algumas ações incomuns estão disponibilizando no vídeo momentos que chegam ao amadorismo.

Na sexta passada, por exemplo, o NSC Notícias, principal noticiário da casa, colocou um comentário do repórter político do DC, Upiara Boshi, despreparado para o espaço que ocupou, tanto em formulação de pensamento quanto em vestimenta, voz e postura (assista aqui). É certo que caiu por terra, diante de tantas mexidas em equipes, que o profissional de TV tem que ter um certo padrão de qualidade, mas não ter nenhuma identidade com o meio é exigir paciência demais do telespectador.

Se continuar esse processo a curto prazo haverá consequências na visão de que o Grupo NC poderia ter herdado qualidade da RBS.

  • Ambiente interno

Como o Grupo NC mantém ainda alguns bons profissionais da empresa original a pergunta é: por que deixam acontecer certas agressões a qualidade? A resposta só pode ser uma: estão sem voz e diante da insuficiência do mercado cumprem as funções mínimas, cedendo espaço a iniciantes no meio mas com poder.

À propósito de equipes, Making Of sabe que a junção do DC & CBN para a produção do "Direto da Redação" não só não animou muitos dos profissionais envolvidos, como deixou uma sensação de "exploração". A CBN enxugou e agora vai usar a mão de obra do jornal, sem compensação pela atividade em dois veículos, é o que muitos dizem internamente.

Os argumentos otimistas da empresa  sobre uma edição conjunta entre os jornais também não convenceram os jornalistas. Ao contrário, o clima é de desânimo. Enquanto os mais velhos se sentem desconfortáveis, entediados e sem motivação com a nova situação, os jovens repórteres parecem um pouco assustados com o ambiente, sem saber bem como agir.

Outra coisa que a fonte observou é a situação de repórter e fotógrafo terem que se revezar na direção do carro até Chapecó para cobertura do jogo. Ou ainda produtor e cinegrafista dirigirem até o Paraguai.

Um outro detalhe anotado: não há uma única mulher na enxuta equipe da CBN. Nem voz, nem na "cozinha", visão feminina zero.

*Claiton Selistre, redação Making Of com colaboradores.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!