Julho 12, 2019

O cinema no mundo da lua

O cinema no mundo da lua

A minha geração viu – talvez como nenhuma outra – o mundo em constante transformação. Passamos do rádio para um aparelho mágico que trazia imagem. Foi nele, um pequeno aparelho de TV, com imagem em preto e branco (a TV em cores só chegaria ao Brasil em 1972) que vi, com meus curiosos olhos adolescentes, o homem pisar na lua. Coube ao acaso que vi Armstrong passear pelo solo lunar justamente na casa de um tio que até morrer, 40 anos depois, afirmava que aquilo era mentira. Ele fazia coro à teoria da conspiração de que aquelas imagens haviam sido produzidas em algum estúdio de cinema de Hollywood para enganar a população mundial. "Os americanos queriam mostrar poder diante da Rússia e criaram aquele cenário como se fosse a lua", era a base de argumentos dos céticos.

Como bem sabemos, meu tio estava errado. A nave Apolo 11 realmente pousou na lua em 20 de julho de 1969, como mostrava aquela imagem com chuviscos que nem o pedaço de Bombril na antena conseguia tornar mais nítida. Mas, se o cinema não foi cúmplice de uma armação com a Nasa para enganar os telespectadores, ele soube explorar muito bem o assunto que mexia com a imaginação do público. A corrida espacial, a descoberta de novos mundos, a pegada do homem na superfície lunar há exatos 50 anos, serviram e ainda servem de inspiração para os roteiristas.

Nesta edição, vamos lembrar alguns destes filmes. Faltou aquele que você mais gosta? Conta aqui.

Brígida De Poli

____________________________________________________________

 

O PRIMEIRO HOMEM – Damien Chazelle - ( 2018 )

A história do astronauta norte-americano Neil Armstrong tinha que render um filme. Rendeu vários. Por ser o primeiro homem a pisar na Lua, em 1969, sua imagem é de herói. Nesta nova cinebiografia, baseada no livro de James R. Hansen,  quem interpreta Armstrong é um dos queridinhos de Hollywood: Ryan Gosling. Segundo a sinopse oficial: a história explora os sacrifícios e os custos – de um homem e de uma nação – a fim de completar a jornada da NASA durante o período de 1961-1969.

***

 

2001: UMA ODISSEIA NO ESPAÇO – Stanley Kubrick - (1968)

Talvez o melhor filme de um diretor que só fez grandes trabalhos, 2001 se tornou um marco na ficção científica, além de ser um tanto visionário por ser lançado antes da chegada do homem à lua. Kubrick e o escritor Arthur C.Clarke desenvolveram a história simultaneamente. O primeiro elaborava o roteiro, enquanto Clarke escrevia o livro e assim iam trocando ideias. O filme foi lançado antes e fez muito mais sucesso. Por acaso, li o livro antes de ver a obra no cinema, o que me causou algumas frustrações. Cenas que eu imaginava de um jeito, foram mostradas de outra. Mas é um filmaço ! Talvez as novas gerações, acostumadas ao ritmo vertiginoso dos filmes de ação achem 2001 demasiado lento, mas impossível não se impactar com cenas antológicas como a passagem do tempo, quando o macaco atira o osso para o alto. O filme acabou ganhando o Oscar de Melhor Efeitos Visuais. Eu não lembrava quem tinha ficado com o Oscar de Melhor Filme naquele ano para conseguir tirá-lo de Stanley Kubrick e fui pesquisar : Oliver, uma adaptação do romance Oliver Twist, de Charles Dickens, um melodrama sobre o órfão que foge do abrigo. Se ao menos tivesse perdido para O Leão no inverno, que deu a estatueta de melhor atriz para Katherine Hepburn, vá lá!

E a trilha sonora? Genial. Ouve aqui !

Sinopse:Desde a "Aurora do Homem" (a pré-história), um misterioso monolito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) é enviada à Júpiter para investigar o enigmático monolito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes.(Adoro Cinema)

Disponível no Looke

***

 

OS ELEITOS – Philip Kaufman- (1983)

Baseado no livro não-fictício do jornalista Tom Wolfe sobre os primeiros quinze anos do programa espacial americano, o filme foca na história do pioneiro programa Mercury e seus astronautas. Um deles, é Chuck Yeager, que se tornou o primeiro homem a quebrar a barreira do som pilotando o admirável X-1. Ele é interpretado por Sam Shepard, ao lado de outros ótimos atores como Ed Harris, que faz John Glenn, e Dennis Quaid, como Gordon Cooper, outros dois dos eleitos. O filme de Kaufman ganhou o Oscar nas categorias de trilha sonora, montagem, som e efeitos sonoros. O melhor de tudo é que não envelheceu, 36 anos depois continua delicioso de ver e rever.

Disponível para alugar no Looke.

***

 

APOLLO 13 – Ron Howard - (1995)

Sinopse: Três astronautas americanos a caminho de uma missão na Lua sobrevivem a uma explosão, mas precisam retornar rapidamente à Terra para poderem sobreviver, pois correm o risco de ficarem sem oxigênio. Além disto existe o risco de, mesmo retornando, a nave ficar seriamente danificada por não suportar o imenso calor na reentrada da órbita terrestre. O elenco é ótimo Tom Hanks, Kevin Bacon, Ed Harris e Gary SInise, entre outros.

***

 

COWBOYS DO ESPAÇO – Clint Eastwood -(2000)

Filme simpático, dirigido e produzido por Clint Eastwood, que também interpreta um piloto aposentado da Força Aérea Americana chamado às pressas para consertar no espaço um antigo satélite com problemas de funcionamento. Ele já trabalhou na Nasa e é o único que pode fazer o conserto. Sua condição: levar com ele três velhos amigos como parte da tripulação. O trio é interpretado por Tommy Lee Jones, Donald Shuterland e James Garner.

***

 

MERCURY 13 – David Sington- (2018)

Quem assistiu a Estrelas além do tempo viu o trabalho de três grandes mulheres que eram "calculadoras humanas" e levaram o homem para o espaço com sua inteligência e habilidades exímias em matemática e engenharia. O filme tem um final favorável para o trio feminino responsável pelo sucesso do projeto Mercury 13.  Neste documentário da Netflix, a realidade não é tão positiva. Ele mostra o forte preconceito contra a mulher na Nasa nos anos 60. São13 mulheres que foram menosprezadas no teste para decidir quais astronautas iriam ao espaço. Embora se mostrando tão habilidosas quanto os candidatos do sexo masculino — algumas até se saíram melhor nas provas – acabaram desclassificadas do processo seletivo por serem...mulheres. O projeto que selecionou os astronautas da NASA era chamado "Homens no Espaço" e selecionou sete homens, todos militares, para serem os primeiros a deixarem o planeta Terra.

Disponível na Netflix.

***

 

APOLLO 11 – Todd Douglas Miller- (2019)

O novo documentário Apollo 11, que conta a história dos primeiros passos do homem na Lua, traz novas imagens que ficaram "perdidas" durante cinco décadas. Elas foram encontradas em um depósito dos Arquivos Nacionais dos EUA e digitalizadas. Com a digitalização, as cenas já conhecidas ganharam mais qualidade, mas 50% são novas e surpreendentes. Com isso ficou ainda mais extraordinário contar a história que mostra o plano de desembarcar dois astronautas na superfície lunar e regressar para a Terra em segurança. A missão Apollo 11 é até hoje uma grande referência quando se trata de momentos importantes na humanidade.

O filme ganhou o Oscar de Melhores Efeitos Visuais em 2019.

***

 

AD ASTRA – James Gray - ( 2019) –

E ainda por estrear temos o filme com Brad Pitt que mostra a história de um homem que viaja pelo interior de um sistema solar sem lei para encontrar seu pai desaparecido - um cientista renegado que representa uma ameaça à humanidade. Brad é o filho, que possui um certo grau de autismo, e Tommy Lee Jones é o pai. Promete !

Data prevista para o lançamento: setembro/2019.

***

 

Outros: Solaris (2), Gravidade, Lunar , Primeira Vez, Gagarin, O lado sombrio da lua, A face oculta da lua

____________________________________________________________

 

FORA DE SÉRIE

From the earth to the moon

São muitas as séries sobre o espaço, a começar pela espetacular Jornada nas Estrelas, que entre TV e cinema, vem encantando várias gerações desde sua estreia em 1966. Mas escolhi uma que está voltando agora remasteurizada na HBO: From the earth to the moon.

Tom Hanks ficou fascinado pelo programa espacial americano depois de atuar em Apollo 13, em 1995,, e decidiu contar a história de forma mais ampla do que apenas um longa-metragem. Com o apoio do diretor Ron Howard, eles conseguiram vender a idéia para a HBO, que investiu muito dinheiro na produção.

O resultado foi a série de 1998, Da Terra à Lua, uma obra-prima contando a história do programa espacial americano, do primeiro vôo tripulado do projeto Mercury ao último da Apollo XVII. Alguns episódios são totalmente técnicos, outros mostram a política, outros as repercussões sociais. É um apanhado completo de uma década, com efeitos visuais que mesmo 21 anos depois ainda se sustentam. (Dados: Meio Bit).

Previsão: a série estará nos serviços de streaming HBO Go e HBO Now em dia 15 de julho. A pré-venda do Blu-ray e DVD está prevista para dia 17.

____________________________________________________________

 

HISTÓRIAS DE HOLLYWOOD

Natalie Wood – 20/07/1938

Dia 20 de julho marca também o dia de nascimento de Natalie Wood. Estrela de filmes importantes como Juventude Transviada (Rebel without a cause), com James Dean; Amor, sublime, amor e, um dos meus favoritos, Clamor do Sexo (Splendor in the Grass), Natalie tinha um ar ao mesmo tempo ingênuo e triste. Ela começou a carreira ainda criança, levada pelos pais que sonhavam em vê-la se tornar uma estrela de Hollywood, e acabou participando de mais de 56 filmes para o cinema e televisão, e foi nomeada três vezes ao Oscar.

Na vida pessoal, as coisas não foram um mar de rosas. Natalie foi casada três vezes, primeiro com o também famoso ator Robert Wagner (28 de dezembro de 1957 à 27 de abril de 1962, divorciado), então se casou com Richard Gregson (30 de maio de 1969 a 01 de agosto de 1971).

Ela se divorciou dele ao descobrir uma traição e logo em seguida voltou a se casar com seu primeiro marido, Robert Wagner.
Em 1981, Natalie começou a trabalhar em Brainstorm, mas não viveu para vê-lo terminado.

Ela desapareceu durante a noite, enquanto navegava em seu iate Splendour com o marido, Robert , e seu amigo, o também ator Christopher Walken. A versão oficial é que teria tido uma briga depois de beber muito e pego um bote para ir embora. Seu corpo surgiu em terra firme na manhã do dia seguinte, e as circunstâncias de sua morte nunca foram completamente esclarecidas. No ano passado, a polícia reabriu o caso, mirando no ex-marido, Robert Wagner, como suspeito pela morte da atriz. Segundo o capitão do iate, Robert não teria feito nada para ajudar a salvar Natalie. Trinta e seis anos depois de sua morte, o nome da atriz é lembrado pelo fim trágico. (Na foto, Natalie e Robert Wagner, no iate Splendour).

____________________________________________________________

 

DICA DE LEITURA - SÉRIES

1001 Séries de TV para assistir antes de morrer

Ganhei recentemente de aniversário este verdadeiro manual das 1001 séries mais importantes já feitas. São 960 páginas que começam com produções anteriores aos anos 60, e depois vai organizando por década. Reli títulos de infância ali que nem lembrava mais. Os mais velhos certamente vão recordar de : O Túnel do Tempo, The Monkees, Columbo, Perdidos no Espaço, Bonanza e um dos meus favoritos sobre a história de uma jovem secretária de uma emissora de TV, Mary Tyler Moore. O livro chega aos dias de hoje com House of Cards, Fargo e, claro, Game of Thrones. A edição é super cuidada e as fotos uma atração à parte. Uma bíblia para quem curte séries de TV!

Editor-geral: Paul Condon

Editora : Sextante

____________________________________________________________

Até a próxima sexta, com nova edição de Cine&Séries...

Uma vez que você esteve no espaço, você percebe como a Terra é pequena é frágil. ( Valentina Terechkova, russa, primeira mulher a viajar no espaço).

THE END

(*)Fotosdivulgação/reprodução

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!