Janeiro 27, 2020

O desafio de apresentar TV

O desafio de apresentar TV
Jacqueline Brazil no Jornal Nacional (Foto: Reprodução/Globo)

Quando os apresentadores titulares entram em férias, as emissoras de TV tem uma boa oportunidade para testar outros profissionais no vídeo. Em geral, vindos de outros programas ou da reportagem.

A Globo é a que mais trabalha essa transição. Em alguns casos, não funciona tão bem. Na apresentação do tempo do Jornal Nacional, por exemplo, a escolhida para substituir Maria Julia Coutinho foi Anne Lottermann. Só que, por algumas semanas, Jacqueline Brazil ficou com a tarefa e chamou mais a atenção.

As informações vêm da mesma fonte de meteorologistas, mas Jacqueline compõe melhor o vídeo e parece mais à vontade do que Anne. Isso conta em um noticiário que expõe o profissional de corpo inteiro, destacando não só o clima, o visual também.

 

Fantástico

Foto: Reprodução/Globo

Já Maju Coutinho passou a apresentar provisoriamente o Fantástico ontem, 26, ao lado de Tadeu Schmidt, com mais desenvoltura do que no Jornal Hoje. A companhia de outro apresentador faz bem a ela.

No Noticiário da tarde, Maju “sofre” em busca do teleprompter e nas caminhadas de salto pelo imenso cenário. Marcio Gomes, seu substituto de agora no Hoje, formaria uma boa dupla com ela.

 

Regional

Nesse verão, as alterações no vídeo regional foram pequenas. Fora a volta de Ildiane Silva ao vídeo da Record, já no fim do ano passado, praticamente nada mudou .

Na NSC, com a saída de duas profissionais da reportagem, Fabian Londero acabou substituído pela apresentadora do Bom Dia. A missão dele é encontrar seu número 2.

No SBT, dos três apresentadores do meio-dia, dois estão no ar, Fernando Machado e Maria Ester. E está de bom tamanho.

 

Ibsen

Foto: Galileu Oldenburg/Divulgação PMDB

A morte de Ibsen Pinheiro sexta-feira deixa um espaço em aberto na vida pública: no jornalismo, política e na vida esportiva. Na crônica, convivi com ele um quando participava do Sala de Redação. Colorado de raciocínio rápido e frases de efeito, era o único que “enfrentava com igualdade o gremista Paulo Santana. Grandes debates.

Como político, presidiu a sessão do congresso que cassou Collor de Mello 

E ele mesmo acabou cassado sob acusação de corrupção.

O site GZH, no entanto, entrevistou o repórter que em 1993 fez a matéria de capa da revista Veja que acabou por precipitar a saída de Ibsen. 

O jornalista Carlos Pinto, na época com 24 anos,  admitiu que errou ao converter valores de um suposto suborno de Ibsen. E que a revista foi avisada quando estava rodando, mas não parou as máquinas. 1 milhão de exemplares foram as bancas com a informação equivocada. 

Ibsen superou o revés. Só perdeu para a doença,aos 84 anos.

 

“Em futebol vive-se entre tristeza e alegria, entre euforia e depressão'' (Ibsen Pinheiro)

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!