Agosto 17, 2019

O PSL aguça a estratégia para 2020

O PSL aguça a estratégia para 2020
MARCELO LUIZ/DIVULGAÇÃO

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro e do governador Carlos Moisés da Silva, lançará entre 100 e 120 candidatos a prefeito no Estado, garante o presidente da sigla, o deputado federal Fabio Schiochet, com ênfase já mapeada nos 30 maiores municípios catarinenses.

Schiochet não esconde que a prioridade, neste momento, está na elaboração de uma grande nominata de candidatos a vereador, que, a partir de 2020, disputam em chapa pura, sem a coligação com outras siglas.

O perfil dos candidatos, que passam por uma escola de formação de líderes até semana que vem, e que, a partir de janeiro, reforçam os conceitos em uma espécie de “cursinho pré-vestibular”, como cita Schiochet, é o de pessoas da direita, que apoiaram Jair Bolsonaro, sem que sua candidatura esteja vinculada à onda que elegeu o presidente da República, mas sim ao conceito ideológico.

O veto natural recai sobre os partidos de esquerda, PT, PCdoB e segmentos do PSB, e ao outro lado do espectro político, com uma “certa mágoa do PSD”, pela disputa no segundo turno, no ano passado ao governo, embora, reforce Schiochet: o foco está na pessoa, que não seja ficha suja ou tenha uma postura diferente do que o pregado por Bolsonaro.

Na foto, Bolsonaro, Moisés e Schiochet conversam, sentados, sob o olhar atento do filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro, do Rio de Janeiro.

 

Fora e dentro do radar

O PSL já avisa que aproximações como cargos ou secretarias para abrigar seus filiados e assegurar composições nas prefeituras estão fora de cogitação.

Schiochet lembra que o partido “não quer e nem precisa disso”, mesmo que não descarte, por exemplo, coligações com MDB, PSDB ou DEM, desde que o nome da sigla à mesa seja de direita e tenha um histórico neste sentido.

 

Na lista

Pelo menos dois deputados estaduais estão mapeados pelo comando pesselista catarinense para concorrer às prefeituras de Blumenau e Itajaí: Ricardo Alba (líder da bancada) e o Coronel Onir Mocellin (vice-líder do governo).

O governador Carlos Moisés e o presidente Fabio Schiochet também miram em um federal, Daniel Freitas, que resiste ainda disputar a prefeitura de Criciúma e ganhou um prazo para se decidir até dezembro. Schiochet se exclui de qualquer lista e afirma que, por conceito próprio e definição, foi eleito deputado para cumprir o mandato, embora tenha sido o mais votado na região de Jaraguá do Sul, que também elegeu o emedebista Carlos Chiodini. 

 

Especulações

O presidente estadual desfaz a ideia de que o PSL está atrás de prefeitos que concorrerão à reeleição para filiar à sigla.

Lembra dois casos locais de sua base, os de Guaramirim, Luiz Antonio Chiodini, o Professor Chiodini (PP), e de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB), que seriam bons nomes para receber um convite, mas não o foram.  

 

Pesquisa na rua

O PSL faz uma pesquisa nos principais 30 municípios para saber sobre os nomes e perfis que caem na preferência do eleitor.

O levantamento deve estar pronto em 15 dias.

 

DIVULGAÇÃO

NA CAPITAL, UMA POSIÇÃO FIRME!

Os três da foto são, da direita para a esquerda, o coronel da reserva remunerada do Corpo de Bombeiros Militar e ex-comandante-geral da corporação Edupércio Pratts, o delegado da Polícia Federal Edgar Lopes, que disputaram para deputado federal; e o advogado Tiago Frigo, que concorreu a deputado estadual, todos do PSL e pré-candidatos em 2020. Juntos, dos mais de 84, 2 mil votos que conquistaram nas urnas, 23,5 mil foram em Florianópolis. Agora, unidos em torno da formação do diretório do partido na Capital catarinense, que ainda não tem sequer definida a nominata da Comissão Provisória, temem que a liderança para comandar o PSL e ser o nome para concorrer à prefeitura venha de fora, importada. Com eles também estão os integrantes da Direita Conservadora, Pedro Neves, João Padilha e Rejane Varela.

 

O indício

Os pesselistas da Capital fazem um cálculo interessante, já que, a um ano das convenções partidárias, o prefeito Gean Loureiro, o deputado estadual Bruno Souza e até o ex-vereador e hoje diretor estadual do Procon, Tiago Silva, estão sem partido e podem ser alcançados por algum projeto da sigla.

O presidente estadual do PSL garante que, na semana que vem, haverá uma decisão sobre o comando em Florianópolis, mas que, além dos grupos de Edupércio, Lopes, Frigo e da Direita Conservadora, não pode ser desconsiderada a liderança do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico Sustentável, ex-presidente do partido e vereador em Tubarão Lucas Esmeraldino, que concorreu a senador.

 

Opiniões divididas

O grupo que se propõe a organizar o partido na Capital considera que Esmeraldino, se vir a ser candidato, ganharia o fato como “um prêmio de consolação”, algo que se somaria a outros dispostos a entrar na briga.

Porém, Fabio Schiochet aponta para outro nome forte: o atual presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública do Estado e comandante-geral da Polícia Militar, coronel Araújo Gomes, para concorrer a prefeito. Com uma ressalva: “Se ele (Araújo Gomes) quiser e o governador Moisés deixar!”

 

A bronca

A Federação da Agricultura de Santa Catarina (Faesc) emitiu carta aberta ao governador Carlos Moisés da Silva a quem a acusa de não respeitar a atividade do agronegócio catarinense, responsável por 70% das exportações catarinenses, ao retirar os incentivos fiscais dos agrotóxicos, cuja alíquota do ICMS pulou de 0 para 17%.

O tom do documento, assinado pelo presidente da entidade, José Zeferino Pedroso, é o de enfrentamento e vem acompanhado de uma série de ações que envolvem políticos, uma verdadeira ofensiva deflagrada nesta sexta (16), que pega pesado na projeção de que todo o movimento do governo catarinense resultará em aumento de preço e prejuízo para a sociedade.

 

As companhias

Quase que simultaneamente, a Federação Catarinense de Municípios (Fecam), presidida pelo prefeito Joares Ponticelli (PP), de Tubarão, e o ex-governador Raimundo Colombo (PSD) divulgaram notas à imprensa, nesta sexta (16), onde o tema aumentar a alíquota do ICMS, principalmente sobre os agrotóxicos, é o dominante.

Os dois engrossam a pressão empresarial e desenham um cenário de grave crise a partir da medida, na mesma linha adotada por Merisio, e relatam o aumento de preços de produtos do agronegócio, a falta de competitividade e o impacto na vida do produtor como consequência da Tributação Verde, sem contextualizar que o tema terá, mais cedo ou mais tarde, que ser enfrentado pelo setor produtivo por ser uma tendência mundial. A pressão é grande.

 

SIMONE SARTORI/DIVULGAÇÃO

SÓ MUDA O ENDEREÇO

Pode ser em qualquer região do Estado, como na foto registrada durante a reunião da maior parte da Bancada do Oeste com a direção do Hospital Regional, em Chapecó, a busca de soluções para a saúde iguala os catarinenses na prioridade do setor. Em situações como esta não há distinção partidária, pois alia, neste caso, os parlamentares Mauro De Nadal (MDB), vice-presidente da Assembleia; Moacir Sopelsa (MDB); Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde; Mauricio Eskudlark (PL), líder do governo Carlos Moisés; Marlene Fengler (PSD), Luciane Carminatti (PT) e Altair Silva (PP). O Hospital Regional do Oeste é uma das maiores instituições públicas de Santa Catarina, atende mais de 1 milhão de pessoas em toda região, e a bancada quer estreitar o contato da direção local com o governador Carlos Moisés e o secretário Helton de Souza Zeferino, um pedido de audiência foi feito pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (COSEMs).

 

Revés

Só uma reversão de votos dos quatro ministros que já se posicionaram a favor da confirmação do registro da candidatura a deputada federal de Ivana Lais (PT), a maioria do Superior Tribunal Eleitoral, impedirá que ela tenha garantidos os 495 votos que obteve, o que levaria Ana Paula Lima (PT) a ocupar a vaga de Ricardo Guidi (PSD), na Câmara dos Deputados.

O julgamento do processo parou na última quinta (15), quando o ministro Luís Roberto Barroso pediu vista. Tem gente que já está torcendo para que João Rodrigues (PSD) consiga o reconhecimento pelo STF da decisão do STJ que considerou que a pena imposta a ele prescreveu para que o ex-parlamentar assuma no Congresso. A clássica disputa de três para uma cadeira.  

 

Alcatraz

A denúncia do Ministério Público Federal contra 17 pessoas investigadas pela Polícia Federal na Operação Alcatraz sobre supostas fraudes em licitações e contratações de serviços terceirizados foi aceita pela juíza federal Janaina Cassol Machado, da 1ª Vara Federal de Florianópolis.

São eles: Luiz Ademir Hesmann (ex-presidente da Epagri), Danilo Pereira, Maurício Rosa Barbosa, Flávia Coelho Werlich, Fábio Lunardi Farias, Décio Luiz Rigotto, Fabrício José Florência Margarido, Eduardo Suekiti Almeida Shimokomaki, Lia Carneiro Pessoa de Paula Frota, Thiago Sartorato, Éderson Clóvis de Oliveira Santos, Rafael Pedro Gepes Silva, Renato Deggau, Nelson Castello Branco Nappi Júnior (ex-secretário adjunto estadual de Administração), Luiz Carlos Maroso, Michelle Oliveira da Silva Guerra e Cristiane Rios dos Santos Castello Branco Nappi. Os delitos são diferentes para cada réu e alguns acumulam várias denúncias.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 34 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, nas RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis e na Rede TV Sul!; comentarista na RIC TV Record e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários nas rádios do Grupo RCC (Bombinhas e Nova Trento) e na 105 FM (Jaraguá do Sul); e assina uma coluna no Diarinho, de Itajaí.
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!