Novembro 08, 2017

O Campeonato Catarinense de pires na mão. Por Claiton Selistre

As perspectivas para o Campeonato Catarinense de 2018 são as piores possíveis. A fórmula proposta no conselho técnico não foi aprovada e para evitar que seja por pontos corridos a Federação vai ter que negociar mais datas com a CBF, em busca de jogos finais que acrescentem alguma emoção.

Pior do que isso, no entanto, é o desinteresse da televisão em transmitir os jogos. As emissoras locais tiraram o time de campo, pondo final a um romance que durou vinte anos. Sobrou para a Federação negociar direto com a Globo. Cá entre nós: acreditam que isso possa gerar algum acordo financeiro conveniente, quando este ano até o Campeonato Paranaense ficou fora do pacote?

Há uma diferença grande entre o que a TV quer pagar e os clubes desejam receber. É muito provável que, em caso de acerto, sobre dinheiro apenas para aqueles times envolvidos em transmissões abertas, já que o pay per view tem se revelado deficitário. O PPV está condenado nesta época de crise devido a receita insuficiente diante dos custos.

Se essas previsões se confirmarem, a tendência é que tenhamos um campeonato que voltará a ter divulgação apenas pelo rádio na maioria das cidades. Porém, o problema acabará sendo de todos, pois ficar com o pires vazio será um mau início de ano que poderá levar a novos sofrimentos do torcedor quando chegar o Brasileirão, flertando com o Z4 e rejeitado pelo G4, mais um vez.

Infelizmente.

*Claiton Selistre é jornalista.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!