Abril 17, 2018

Os caminhos que Bauer precisa percorrer

Nesta quinta (19), quando a executiva estadual tucana definir em reunião os critérios para as candidaturas a deputado estadual e federal e senador, o grande evento deve ser o lançamento da candidatura de Paulo Bauer ao governo. O senador buscará, a partir deste ato, consolidar seu nome pela capitalização positiva do recall da última eleição, em 2014, quando por pouco mais de 1% dos votos não chegou ao segundo turno - aliado ao PP e ao PSB -, e evitar que a investigação por suposto caixa dois, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal, retire-lhe votos. Outro grande desafio para Bauer será aceitar as costuras que estarão sendo feitas com outras siglas, principalmente o MDB, pois é indisfarçável que ele encantou-se com as propostas do PSD, leia-se Gelson Merisio, e do PP, de Esperidião Amin e Silvio Dreveck, na viagem a Chapecó que cravou a tal “Chapa do Avião”. Os tempos são outros e embora o ex-senador e governador Jorge Bornhausen sonhe com este desenho, com o acréscimo do PSB, é pouco provável que esta configuração vingue. Seriam muitos problemas a administrar, como as delações da Odebrecht que envolvem o nome de Merisio por recebimento de doações ilegais, a condição de réu do ex-governador Raimundo Colombo pelo mesmo motivo e a delicada situação de Bauer, que transformariam a composição em a "Chapa da Lava Jato".

 

Pois é

A comemoração era dos 87 anos de Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, administrada por José Thomé (PSDB), ao centro, e a foto, que abre a coluna, de um encontro entre o prefeito, o senador tucano Paulo Bauer, pré-candidato ao governo, e o deputado estadual Milton Hobus (PSD), ex-prefeito da cidade e atual líder da bancada na Assembleia, gerou especulações. Nelas, Hobus seria um bom vice de Bauer, lançado informalmente por Thomé durante o evento. Mas a conversa para por aí. Bauer ainda precisa confirmar sua indicação e convencer a cúpula do PSDB que seguir com os pessedistas é o melhor caminho, sigla, aliás, que já tem a pré-candidatura de Gelson Merisio. Resultado: Bauer e Hobus desconversaram sobre a provocação.

 

DIVULGAÇÃO

O OUTRO TUCANO

O assunto não é muito tratado nas internas do PSDB, mas que o ex-prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes está para o PSDB catarinense e seu pré-candidato Paulo Bauer como o ex-prefeito de São Paulo João Doria Junior está para o presidenciável Geraldo Alckmin, um plano B de luxo, não há dúvidas. Na estrada, Napoleão já fez roteiros pelo Sul, pelo Planalto Serrano e Meio-Oeste. Professor universitário, o tucano blumenauense aproveitou para interagir com alunos e professores da Uniplac, de Lages. E com a parceria do empresário e pré-candidato a deputado estadual Roberto Amaral, Napoleão teve longa conversa com o reitor da universidade, Luiz Carlos Pfleger (foto), que deve oficializar o ingresso no ninho tucano em breve.

 

Apostas 1

O Novo, que tem o empresário João Amoêdo como candidato à Presidência, faz um processo de seleção para os que querem ser candidatos, que, até o final de junho, prevê uma avaliação por uma banca de integrantes da sigla e uma fase derradeira para ver na prática como o pré-candidato se sairia em uma campanha. Com toda esta exigência, 40 pessoas de todas as regiões de Santa Catarina se inscreveram. A análise curricular e os testes sobre valores da sigla, idêntico aos dos aplicados em grandes empresas, incluem um fato curioso: todos os pré-candidatos não tem qualquer ligação com a política.   

 

Apostas 2

Ao todo são 19 pré-candidatos, entre eles os postulantes a deputado federal   Eduardo Usuy e Luiz Barbosa, de Florianópolis; Marcos Souza, de São José; e Paulo Scharf, de Palhoça. A ideia do Novo é fazer pelo menos uma cadeira na Câmara.

 

MARCELO TOLENTINO/DIVULGAÇÃO

A BASE COM MARIANI 

Quem também quer consolidar a condição de pré-candidato ao governo é o emedebista Mauro Mariani, que, ao lado do fiel escudeiro Carlos Chiodini, que pretende disputar uma vaga à Câmara dos deputados, recebeu o apoio do Planalto Norte, base eleitoral do presidente estadual do MDB. No roteiro por  Papanduva, o prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini, reasgou elogios a Mariani pela trajetória vitoriosa de ex-prefeito de Rio Negrinho e a experiência como parlamentar, estadual e federal. E foi uma declaração na presença de líderes comunitários, vereadores, presidentes de diretórios e dos pré-candidatos a deputado estadual e federal, Leoberto Weinert e Richard Harrison. 

 

Ainda repercute

A Justiça Federal anulou ato da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) que exonerou o corregedor-geral da Instituição, Rodolfo Hickel do Prado, do cargo, ao aceitar um mandado de segurança impetrado pelo escritório Farah, Gomes & Advogados Associados, de Florianópolis. Hickel do Prado havia sido exonerado após denunciar desvios de verbas públicas na UFSC e tentativas de interferência em seu trabalho, que originaram a Operação Ouvidos Moucos, da Polícia Federal, que culminou com a trágica morte do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, o Cao. No entendimento técnico, a questão disciplinar caberia somente à Controladoria Geral da União (CGU). Em virtude da ilegalidade do ato do atual reitor Ubaldo Balthazar, a UFSC terá que pagar com juros e correção monetária o que Hickel deixou de receber desde que foi exonerado.

 

REPRODUÇÃO/FACEBOOK

NA ONDA DA STAMMTISCH

Recepção digna de candidato à Câmara dos Deputados foi a que recebeu Manoel Dias (PDT), em São Pedro de Alcântara, primeira colônia alemã catarinense. Era Um domingo de muitas cores em um estado repleto de tradição. Prestigiando a festa Stammtisch, em São Pedro de Alcântara, primeira colônia alemã de Santa Catarina. Toda a cidade se mobiliza para confraternizar e celebrar suas raízes. E Maneca, acompanhado pelos vereadores Charles da Cunha e Marquinho Reitz apertou muitas mãos e conheceu barraca por barraca. A pré-campanha está nas ruas.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!