Julho 20, 2019

Os desafios da Associação Brasileira de Designers de Interiores em SC

Os desafios da Associação Brasileira de Designers de Interiores em SC
Foto Diretoria ADB

A Associação Brasileira de Designers de Interiores (ABD) está prestes a comemorar 40 anos de atuação no mercado brasileiro. Quase quatro décadas atuando em busca da valorização do profissional designer de interiores, mas, há três anos apenas a entidade comemora a maior de suas conquistas: a regulamentação da profissão com a aprovação da lei 13.369.

O país hoje conta com 55 mil profissionais do segmento, destes, 15 mil são associados à ABD. A sede fica em São Paulo, mas a associação está presente em 14 regionais pelo Brasil. Santa Catarina é uma delas, atualmente com 160 associados e mais de 600 prospects, ou seja, potenciais parceiros. Há dois anos a entidade chegou no Estado e quem  faz toda a movimentação é a designer de interiores Michele Pires, diretora da ABD SC.

Nesta entrevista ela fala sobre os principais desafios e quais os benefícios oferecidos aos associados.

 


Qual a sua formação profissional e onde já atuou?

Me formei Designer de Interiores no Senac Santa Cecília, em Higienópolis, São Paulo, em 2007. Antes de me formar, ingressei nesse mercado como projetista de móveis planejados em 2004 e gostei tanto que quis me especializar no assunto, partindo para o curso de Design de Interiores.

Antes mesmo de formada, montei meu escritório com uma amiga (nos formamos juntas), no qual chegamos a ter dois endereços, um na Capital e outro no Litoral de São Paulo (Santos). Nesta empreitada de escritório próprio tivemos a oportunidade de desenvolver um projeto internacional, de casas decoradas em um condomínio de Luanda Sul, Angola.

Em 2008 fui ganhadora do Prêmio Jovem Brasileiro, que ocorreu no Memorial da América Latina, em São Paulo, na categoria empresarial de Arquitetura e Design de Interiores, entregue por Serginho Groisman. Em 2010 fui convidada para gerenciar os projetos de interiores do escritório Sandra Picciotto, no qual atuei com o mercado de alto padrão em SP.

Em busca de qualidade de vida, em 2012 vim para Florianópolis. Atuei em projetos residenciais diversos, porém foi aqui que consegui realizar um sonho antigo: trabalhar com o mercado B2B. Hoje eu atuo com projetos de estandes para feiras e congressos técnico-científicos, desde o desenvolvimento até a execução, um mercado bastante dinâmico por se tratar de construções temporárias/efêmeras, em Santa Catarina, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, atendendo clientes como Banco Itaú, Banco Santander, Caixa Econômica Federal, Epson do Brasil, Google, Microsoft, Oracle, 3M, Beto Carrero, Fiesc, Astrazeneca, Ache, BioMerieux, Bayer, Hospital Albert Einstein, King Host, Locaweb, Olx, Mercado Livre, Totvs entre outros. 

Ministrei diversos cursos de extensão na área de interiores no Shopping Lar Center e Feicon em São Paulo e na Univali em Santa Catarina. Paralelo a isto, eu dedico parte de minha rotina para a ABD, este que é um trabalho voluntário com muita paixão envolvida por uma causa maior, com intuito de contribuir com o mercado tanto para os profissionais como para a sociedade.

 

Você assumiu o desafio de construir do zero a representação da ABD SC. Como foi o começo, as principais dificuldades desse período? Qual a estratégia utilizada nessa primeira fase?

Desde a minha chegada em Florianópolis percebo a necessidade do fortalecimento da profissão do designer de interiores na região. Certo dia, em conversa com a amiga e também designer de interiores, Marina Sá, concluímos que a vinda da ABD para SC poderia contribuir muito para o mercado e este fortalecimento que tanto queríamos.

Sendo assim, com esta vontade de fazer acontecer, eu e ela iniciamos os contatos com a ABD em São Paulo. Inicialmente tivemos que fazer um mapeamento de mercado, por meio de muitas pesquisas, montando assim um plano de negócios completo para justificar a vinda da ABD para o Estado.

Desde então foram diversas idas à SP para desenvolver como seria a chegada da ABD por aqui. No final de 2016, com a regulamentação da profissão, iniciamos de fato a nossa atuação, onde apoiamos a ABD incansavelmente nas etapas que antecederam a tão sonhada regulamentação, a pedido da própria ABD em SP.

A formalização da chegada da ABD em SC foi realizada em abril de 2017 na Faculdade Cesusc, onde trouxemos um dos presidentes da ABD, Roberto Negrete, que nos ministrou uma palestra sobre o design de interiores brasileiro, através do livro Brasil Porta a Dentro - grande publicação da ABD.   

 

 

Como você avalia esses dois anos de criação da ABD aqui no Estado? O que buscam nesta etapa?

A ABD em SC tem estado cada vez melhor. Inicialmente a tarefa sempre é mais árdua, onde passamos pela fase de apresentação da entidade para o mercado e para os profissionais. Tivemos também que demonstrar a nossa presença regional, apresentando todo o trabalho que realizamos e participamos, que vão muito além dos eventos de fomentação do mercado.

Temos uma busca incessante pela valorização do profissional, colaborando com o mercado para o fortalecimento da profissão, desde a sua formação até sua atuação, de fato.

 

Você acha que há um preconceito em relação à profissão ou considera como um desconhecimento do papel do designer de interiores?

Pelo contrário, acredito que há uma valorização constante deste profissional, onde a sociedade está cada vez mais informada por meio da tecnologia e com a quantidade de informação disponível na rede. Hoje o cliente tem total consciência da existência do profissional designer de interiores, faltando apenas, eu acredito, a ampliação dessa informação esclarecendo quais são os papéis do profissional dentro da sociedade em geral.

O designer de interiores, como especialista, garante o melhor aproveitamento dos espaços internos e a melhor adequação dos mesmos aos usuários. Conhece profundamente os elementos necessários a um bom projeto, assim como os materiais, equipamentos e mobiliários indicados para cada caso particular. Garante o melhor custo-benefício do investimento ao antecipar problemas e suas soluções e, particularmente, por ser o único profissional apto a trabalhar no atendimento às particularidades dos usuários dos espaços sem querer impor soluções, respeitando suas características socioculturais e econômicas. Garante maior qualidade de vida no uso e na realização das atividades nos espaços.

 

 

Sobre a divisão do mercado: arquitetos de um lado, designers de outro. Sente que existe essa divisão? O que alimentou isso no mercado? 

Esta distância está cada vez menor, tendo em vista que as profissões se complementam, onde não deve haver disputa. O design de interiores é a profissão regulamentada pela Lei 13.369/16, que garante o exercício profissional de toda uma categoria especialista nos trabalhos de projeto e configuração dos espaços e ambientes interiores.

Possui conhecimentos específicos que vão da análise espacial à busca da compreensão psicológica do usuário, passando pelo programa de necessidades e pelo briefing, pelo conceito de projeto, pela ergonomia – em suas diferentes abordagens, com o intuito de solucionar problemas e garantir aos usuários espaços adequados às suas necessidades individuais e/ou coletivas, pessoais ou profissionais.

Busca o conforto ergonômico, térmico, acústico, lumínico e psicológico, compreendendo o comportamento do usuário e sua inserção cultural, otimizando a qualidade de vida e garantindo pertinência e identidade. Conhece as normas específicas e altera com responsabilidade a configuração dos espaços, buscando a colaboração de outros profissionais (engenheiros e arquitetos) com responsabilidade técnica garantida por lei nas intervenções e instalações (estruturais) que assim o exigem.

 

O que pretende deixar como legado da sua gestão em SC?

Pretendo que todo profissional designer de interiores tenha orgulho de sua profissão e que seja cada dia mais valorizado. Que a sociedade em geral tenha total ciência do nosso papel, contribuindo para a qualidade de vida. 

 

A entidade está concentrada em Florianópolis. Como expandir as ações para todo o Estado?

Atualmente nossa maior presença de associados está na Capital e Balneário Camboriú. Acredito que em breve teremos mais demandas em outras áreas do Estado. Mas temos um canal direto com nossos associados, mesmo aqueles que estão mais distantes deste eixo. Através da tecnologia conseguimos essa expansão, sem ficar ausentes das outras regiões. 

 

 

Quais os serviços/benefícios que a ABD oferece ao associado e também à sociedade em geral?

A ABD - Associação Brasileira de Designers de Interiores com sede em SP e com quase 40 anos de atuação, é uma entidade de classe que defende os profissionais, estudantes e professores da área de design de interiores. Hoje são 14 regionais pelo país, entre elas a ABD SC.

Ao se associar, o maior valor está na sua contribuição para a coesão e o fortalecimento da área, o que é fundamental para nossas conquistas em interiores. Ter consciência desse fato é essencial. As ações mais importantes da ABD que justificam o apoio de seus associados envolvem itens como exemplo, o permanente contato com as instituições governamentais em busca da solução de problemas que nos afetam, tanto na questão da formação profissional, como na sua prática.

E mais: o associado passa a ter acesso a benefícios e convênios, tais como: 

- a carteira da ABD, que atesta a clientes, lojistas e colaboradores a sua atuação como profissional da área com formação reconhecida pelo MEC;
- cursos de conteúdo que conferem formação continuada e ajudam o aprimoramento profissional e comercial;
- palestras e eventos de atualização técnica e cultural;
- consultoria jurídica e contábil;
- código de ética do profissional designer de interiores;
- material de cunho profissional como modelos de proposta comercial, de plano de reforma, tabela de honorários, orientações quanto ao recebimento de Reserva Técnica (RT);
- guia do designer: vitrine dentro do site da ABD, com divulgação de seu perfil profissional e de seus principais projetos;
- descontos em feiras de decoração;
- ABD Club - descontos em empresas conveniadas.

 

Com as mudanças que vivemos - seja na ordem de comportamento impactado pela tecnologia, sustentabilidade e etc -, quais as principais mudanças que a ABD enxerga e mapeia para o mercado de design de interiores. E como está preparando seus profissionais?

A ABD em conjunto com entidades internacionais está sempre de olho no futuro da profissão. Realmente, com a vinda da tecnologia e o importante papel da sustentabilidade, a ABD vem trabalhando dentro das instituições de ensino de todo país, por meio do ABD Acadêmico, orientando estas instituições quanto à grade curricular dos cursos.

Além de oferecermos diretamente palestras, cursos e eventos culturais com temas diversos. Também estamos sempre atentos quanto às novas práticas de mercado. A exemplo disso podemos citar o tema de nosso congresso CONAD deste ano: Tecnologia da emoção.

Também a presença da nossa presidente, Silvana Carminati, na Portugal Design Week, um evento internacional que inclui exposições, fóruns e profissionais do mundo todo. Ela representou o Brasil e o design de interiores brasileiro junto aos europeus, neste evento realizado pela APIMA – Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins.

A ABD é a única associação brasileira a fazer parte da IFI - International Federation of Interior Designers (Federação Internacional de Designer de Interiores). Ou seja: representantes da entidade estão sempre presentes em reuniões para buscar juntos com a IFI a valorização e qualidade do profissional, além do alinhamento da grade curricular do Brasil com o resto do mundo.

A ABD é a maior defensora da excelência da profissão do designer de interiores.

Tags:
social entretenimento Floripa Florianópolis gente festas eventos agenda
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Yula Jorge

Yula Jorge
Jornalista graduada pela UFSC. Antes disso estudou e viveu quatro anos entre o Canadá e os Estados Unidos e quando retornou a sua terra natal, Goiânia, graduou-se pela PUC em Secretariado Bilíngue. 
Logo mudou-se para Florianópolis, ingressou na Universidade Federal, e da ilha não saiu mais. Atua como colunista desde 2012, assinou uma coluna diária no jornal Notícias do Dia por alguns anos, e, paralelamente, foi repórter da RICTV Record e Record News. Traz todos os dias o que rola de especial em Floripa: sobre quem acontece, empreende, se engaja em causas legais. O que inaugura, as festas bombásticas, as melhores casas, restaurantes, os shows, as ações bacanas e o voluntariado.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!