Agosto 05, 2020

Pacto remodelação economia, via educação

Pacto remodelação economia, via educação
Reprodução

A inteligência curta do Ministro Paulo Guedes quer colocar no Brasil a estratégia de desenvolvimento econômico que ele aprendeu em Chicago, nos USA. Uma idiotice. As economias do Brasil e dos Estados Unidos são totalmente diferentes. A economia americana, a mais poderosa do planeta, compete, via suas maiores empresas, e vence a concorrência mundial pela produção e comercialização dos produtos mais sofisticados do mundo. Os produtos menos sofisticados, do consumo primário de sua própria população, são produzidos pelos milhões de médias, pequena e micro empresas do país. O Brasil não produz nada de sofisticado, que consiga concorrer no mercado mundial. Produz apenas os produtos primários, simples, do consumo diário de sua própria população, maciçamente pobre. E quem produz esses produtos são as grandes empresas brasileiras. Que detém monopólios que vivem do consumo por parte da vasta pobreza do Brasil. A pior distribuição de rendas do mundo, segundo a ONU. Depois do Qatar.     

Para chegarmos onde estão os USA, precisamos ensinar as grandes empresas, os grandes capitais brasileiros, a produzir produtos sofisticados que nos levem a competir no mercado mundial. Para fazer isso, temos que ensinar nossa população pobre a produzir os produtos simples do seu próprio consumo. Pão, linguiça, camisas, calças, vestidos, sabão, chinelos, etc., etc., etc.... Em poucas palavras, temos que ensinar o povo mais pobre a produzir para seu próprio consumo, pobre. E ensinar os monopolistas do consumo pela pobreza, donos dos grandes capitais no Brasil, a concorrer no mercado mundial, com produtos sofisticados.

A ferramenta para fazer essas duas coisas é a educação. Mas não essa educação que está aí, puramente acadêmica antes da universidade, e dentro dela. Precisamos de uma educação integral, desde antes da universidade. Que ligue a educação acadêmica com a vida, com o trabalho, com o empreendedorismo. Metade do dia essa educação assumirá a responsabilidade pelo sucesso das carreiras concretas de vida, trabalho e empreendedorismo de todos os cidadãos, do nascimento à morte, com ajuda da revolução comunicacional-informacional que está aí. E metade do dia injetará em tais carreiras concretas os conhecimentos básicos acadêmicos – matemática, línguas, ciências, etc. – devidamente combinados com os interesses concretos das carreiras de vida, trabalho e empreendedorismo.

Com isso ensinaremos a população pobre e de renda média a produzir para seu próprio consumo. E levaremos, também via educação, os poucos milionários do país, que hoje monopolizam a produção para o consumo por parte da pobreza, a produzir para competir com a sofisticação do mercado mundial. Cabe um pacto para fazer essas duas coisas, via educação. E assim chegaremos a uma economia similar à dos Estados Unidos. E poderemos aplicar, então, a estratégia de Chicago, que Paulo Guedes quer aplicar equivocadamente, na situação em que estamos agora, para fazer avançar a economia do Brasil. Só faremos avançar nossa economia, se primeiro a remodelarmos, via educação. Ensinando os pobres a produzir para seu próprio consumo. E ensinando os grandes capitalistas brasileiros a produzir para competir na sofisticação do mercado mundial.    

A ingenuidade de Paulo Guedes só vai nos manter no subdesenvolvimento.

*Ricardo Luiz Hoffmann é Formado em direito, técnico em assuntos educacionais da Universidade Federal de SC, aposentado.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!