Agosto 01, 2019

PIPA SIM, CEROL NÃO

PIPA SIM, CEROL NÃO
Foto: Pexels

O filho da vizinha, de 12 anos, chegou em casa esta semana comentando que as professoras de ciências e de artes e o professor de educação física se uniram em um projeto muito legal. Estão ensinando os alunos da escola a confeccionar pipas, mas do jeito certo: sem o uso de cerol ou linha chilena. Na semana que vem todos irão a um local seguro para aprender a empinar suas pipas, a parte mais legal da brincadeira. Quem não gosta de ver uma pipa subindo e colorindo o céu?

O problema não é a brincadeira. É o mau uso dela. Acredito que a base de tudo é a educação. Se as crianças aprendem na escola que usar cerol é perigoso e proibido por lei, elas podem ajudar a conscientizar os irmãos mais velhos, os pais e o restante da família, para que parem de fazer isso também. Se não adiantar, pelo menos esses alunos terão a consciência de que a "brincadeira" pode ferir ou matar inocentes.

O cerol é uma mistura de cola e vidro moído, que é passada no fio da pipa, tornando-a uma arma que pode ser letal. Foi o que aconteceu com a Josiane Marques, na Via Expressa, em São José, há duas semanas. Ela andava de moto quando teve o pescoço cortado por uma linha de pipa com cerol. Morreu na hora. Assim como ela, outros motociclistas morreram da mesma forma trágica no Brasil inteiro.

Em Minas Gerais os legisladores querem aumentar a pena para quem usar cerol. A proposta é fixar a multa em R$ 1.500. Aqui em Santa Catarina temos uma lei desde 2001 que proíbe a venda de cerol e também o uso de materiais cortantes em pipas. Além da apreensão do objeto, o infrator paga multa de R$ 200. O problema é que, sem fiscalização e muito menos punição exemplar, nada vai mudar. Por isso, aposto na educação para evitar novas tragédias.

Tags:
Viviane Bevilcqua colunistas portal making of cronicas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Viviane Bevilacqua

Viviane Bevilacqua

Trinta anos de jornalismo diário e predileção por temas ligados ao comportamento humano. Crônicas que falam sobre as relações familiares, educação, saúde e o cotidiano de todos nós, sempre de forma leve e direta, como se fosse um bate-papo entre a jornalista e o leitor.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!