Julho 28, 2017

Por que acreditar na privatização do Hercílio Luz

Muito mais do que o anúncio adicional do aumento do projeto do novo terminal de passageiros, que deverá ficar pronto em dois anos e seis meses – no final de 2019 -, e os R$ 500 milhões de aporte para tornar o Aeroporto Internacional Hercílio Luz em um ambiente adequado para o movimento de passageiros que recebe, leva os catarinenses a acreditar na competência da Zurich. A concessionária, que assume o que já foi motivo de chacota e prova da incompetência estatal para melhorar a estrutura de um dos mais movimentados aeroportos do país, é uma empresa que atua na Europa, na Índia e nas Américas Central e do Sul, além de operar, desde 2014, o Aeroporto de Confins, na região Metropolitana de Belo Horizonte. Ao todo são 10 aeroportos.

Mesmo que alguns lhe retirem o trema do nome, o original é Zürich Airport, para tornar a empresa mais local, a concessionária deverá cumprir uma série de exigências contratuais e assegurar lucro ao negócio de 30 anos. Algo que era inimaginável em meio a projetos, que circularam durante mais de duas décadas entre as mesas ministeriais e da Infraero, sem a mínima perspectiva de efetividade.

 

É só não copiar

O que não se pode admitir é que compromissos assumidos no contrato de privatização do Aeroporto Hercílio Luz acabem como a construção do Contorno Viário Norte da BR-101, na Grande Florianópolis, que está em fase de protelação desde 2011 pela Auto Pista Litoral Sul, da Arteris. São os 42 quilômetros mais longos da história que passa pela duplicação da rodovia, e que faziam parte de cláusula fundamental do documento de concessão assinado entre a empresa e o governo federal, que foram empurrados com a barriga com a devida complacência das administrações de Dilma Rousseff (PT).  

 

ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL  

  

BOA E MÁ NOTÍCIA

No mesmo adia em que anunciou a concessão de aeroportos, o presidente Michel Temer, que cumprimenta o ministro Wellington Moreira Franco (secretário-geral da Presidência) vive um choque de realidade: como cumprir o déficit primário, a meta fiscal, sem fazer as reformas. O presidente mais impopular das últimas três décadas, de acordo com a pesquisa CNI/Ibope, tem que administrar as contas, a enorme dívida pública. Fazer um corte de R$ 5,9 bilhões no orçamento, com R$ 5,2 bilhões do PAC, justo para repassar à Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal e Defesa Civil, entre outros, mostra que a crítica situação não permite sonhos tresloucados para agravar a crise política. Quem se habilita a pegar esta bomba?  

 

Não parou

Depois que o governo do Estado cancelou o contrato com a empresa que prestava serviço no transporte aéreo do governador Raimundo Colombo, que já havia sido prorrogado além do prazo, o assunto passou a ser proibido dentro do Centro Administrativo. Certamente porque há pressão, vinda da Assembleia, para que uma nova empresa assuma a função, o que incomoda a relação partidária dentro do PSD.  

 

Pelo Brasil

Depois de participar da reunião de planejamento na executiva nacional do PT, o deputado federal Décio Lima, líder da oposição no Congresso, vai entrar de cabeça nas caravanas com Lula, entre estados do Sul e Nordeste. O primeiro ato é preparatório: a conta de Décio no Facebook irá transmitir, ao vivo, nesta sexta, a entrevista do ex-presidente da República ao colega Adelor Lessa, da Rádio Som Maior, de Criciúma, a partir das 8h. Lula deverá dizer quando passará pelo Estado.

 

JOSÉ SOMENSI/DIVULGAÇÃO

POR OBAMA

Crítico ácido do histriônico presidente Donald Trump, o jornalista Lucas Mendes, que vive em Nova York desde 1968, não poupa elogios ao maior contraponto do atual presidente, que chama de “imbecil”, o ex-presidente Barack Obama. Para Mendes, que participou de encontro promovido pelo LIDE, com a participação de mais de 130 pessoas, na sede da Fecomércio, em Florianópolis, Obama era a esperança de que os Estados Unidos alcançariam outro patamar em relação à igualdade racial e os direitos individuais, mas Trump põe isso em xeque e faz ressurgir algo que vivenciou há quase 50 anos, a segregação. Mas admite que a economia norte-americana não deve ser contaminada com as tropicadas do republicano.

 

Uma saída

Para esta sexta, às 14h, a reunião que pretende propor penas ou medidas alternativas diversas da prisão para minimizar a superlotação do sistema prisional de Santa Catarina. O defensor público-geral Ralf Zimmer Júmior convidou representantes do Ministério Público, do Tribunal de Justiça, da OAB e das secretarias de Segurança Pública e Justiça e Cidadania para estudar saídas jurídicas para desafogar o que muitas vezes passa por uma simples revisão do tempo de cumprimento de uma pena ou menos rigor na hora de aplicar a norma legal.

 

RÁPIDAS

* O que dizer da prisão do ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendini, homem forte dos governos de Lula e Dilma, que também comandou a Petrobras, uma bomba que só reforça a cleptocracia que um dia foi instalada no país.

 

* Bendini, que cresceu profissionalmente dentro do Banco do Brasil, desde a adolescência, como estagiário, fazia discurso sobre os recursos devolvidos pela Operação Lava Jato à Petrobras, em 2015, mas, mesmo antes de assumir o comando da poderosa estatal, já pedia propina.

 

* Presidente da Comissão de Direito do Consumidor da OAB catarinense, Geyson da Silva acompanhará a fiscalização conjunta nos aeroportos brasileiros, nesta sexta, denominada “Bagagem sem Preço”, desenvolvidas pelos Procons estaduais, que passa pelo Aeroporto Hercílio Luz.

 

* Interatividade pela web: empresário Jaime de Paula, presidente da Neoway, participou, via internet, de Nova York, no bate-papo de Lucas Mendes, em Florianópolis, uma inversão do Manhattan Connection, durante o evento do LIDE, comandando pelo publicitário Wilfredo Gomes.

 

* No projeto O Bem Estar Global, parceria da Rede Globo e o Sesi, que ocorre nesta sexta, em Joinville, a Associação dos Defensores Públicos de Santa Catarina participará para prestar orientação jurídica gratuita, trabalho que é fundamental para difundir a Defensoria, informou o presidente da entidade Edison Marconi Dittrich Shmitt.

 

* O deputado federal João Rodrigues (PSD) tem percorrido o Estado no recesso parlamentar sem abrir mão de apresentar o programa Balanço Geral, na RIC TV Record de Chapecó, aos sábados.  

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia. Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis), e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, assina uma coluna no Diarinho (Itajaí), faz comentários nas rádios do Grupo RCC (Bombinhas e Nova Trento), na 105 FM (Jaraguá do Sul) e na Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!