Fevereiro 17, 2020

Presença de negros na Publicidade ainda é muito desigual no Brasil

Presença de negros na Publicidade ainda é muito desigual no Brasil

Segundo estudo feito pelo Gemaa (Grupo de Estudos de Ação Afirmativa) da UERJ, a publicidade ainda é composta por 78% de pessoas brancas. A pesquisa analisou todos os anúncios publicados em 370 edições do semanário de maior circulação nacional entre 1987 e 2017. No total, mais de 13 mil figuras humanas foram analisadas de acordo com gênero, raça, idade, ocupação etc.

A proporção de mulheres na publicidade nacional é crescente, apesar de apresentar um aumento moderado. Nos anos 1990 vemos uma alta variação, fixando-se acima de 40% somente nos últimos 10 anos. Contudo, as mulheres ainda aparecem mais em anúncios de determinados tipos de produtos que reforçam algumas distinções de gênero.

Já no quesito diversidade racial, a publicidade brasileira pouco avançou. O percentual de figuras humanas pretas, pardas ou indígenas em 1987 é quase o mesmo dos dias atuais.

Pessoas brancas costumam representar cerca de 80% das figuras humanas que aparecem em peças publicitárias.

Quando observamos os grupos cruzados de raça e gênero, as desigualdades ficam ainda mais patentes. 46% das figuras humanas codificadas eram homens brancos e 37% eram mulheres brancas.

Os homens pretos, pardos ou indígenas corresponderam a 8% e as mulheres pretas ou pardas, as mais prejudicadas, apareceram em apenas 4% dos casos.

A maioria esmagadora dos anúncios publicitários são de empresas privadas, sendo um pequena quantidade ligada a anúncios estatais ou de órgãos da sociedade civil. Os homens brancos são maioria nos dois setores, apesar das instituições públicas contratarem quase 3x mais pessoas negras.

Os brancos predominam em todos os tipos de produtos anunciados, mas são menos presentes em anúncios governamentais. As mulheres brancas são maioria absoluta em anúncios de jóias enquanto os homens brancos se fazem mais presentes em anúncios de automóveis.

A pesquisa indica mudanças tímidas no mundo da publicidade brasileira. Embora a proporção de mulheres nos anúncios publicitários esteja hoje próxima daquela dos homens, elas aparecem associadas a produtos vistos como essencialmente femininos como joias e roupas.

Mas são as desigualdades de raça que mais surpreendem: além de significativas, elas permanecem razoavelmente estáveis no tempo. Tudo isso nos faz pensar no modo como a publicidade brasileira reforça estereótipos sexistas e racistas nos últimos 30 anos.

Tags:
marketing
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!