Fevereiro 01, 2017

Prevaleceu o acordo na Assembleia

Antes de da reunião com os líderes, que definiu as posições na mesa diretora, os deputados Silvio Dreveck (PP) e Aldo Schneider, presidente e vice na chapa de consenso, encontram-se com a bancada do PSDB para aparar as arestas um dia antes da eleição para o comando do Legislativo. O contato dirimiu mais do que dúvidas, estabeleceu a conformidade dos tucanos com o acordo que começou a ser desenhado no ano passado e acabou com eventuais atritos.

Foi a última etapa para ratificar o equilíbrio. Havia muita conversa que poderia trazer desconfortos, uma delas chegou a ser cobrada no encontro de Silvio e Aldo com os tucanos, a de que não teria pegado bem a história que a eleição da chapa sairia “contigo ou sem ‘tigo’”, expressão que nem o futuro presidente nem o seu vice tiveram qualquer participação, mas incomodava a bancada do PSDB.

 

Os nomes

Pelo acordo entre os líderes com os novos comandantes da casa, a mesa terá Mário Marcondes (PSDB), como 2º vice-presidente; Kennedy Nunes (PSD), na 1ª secretaria; Dirce Heiderscheidt (PMDB), na 2ª secretaria; Ana Paula Lima (PT), em 2017, e Neodi Saretta, em 2018, na 3ª secretaria; e Mauricio Eskudlark (PR), representante da minoria, na 4ª secretaria. A sessão que elegerá o novo presidente da Assembleia será presidida pelo deputado mais velho em plenário, Narcizo Parisotto (PSC).

 

O mérito

Trabalhar por uma escolha única, sem embates, tem ajudado a Assembleia desde que o então deputado Julio Garcia, atual conselheiro de contas, iniciou a costura. Deu certo, pois evita desgastes. Embora a comparação seja desproporcional, basta ver as implicações de uma disputa muito mais acirrada e cheia de interesses partidários e pessoais como a que ocorre na Câmara dos Deputados, em Brasília.

 

O tempo

Antes de Joares Ponticelli (2013, e quase todo o 2014), o último deputado eleito pelo PPR (hoje PP), que presidiu a Assembleia, foi Pedro Bittencourt Neto, que depois filiou-se ao PFL e hoje está no PSD. Presidiu a casa entre 1994 e 1996, em duas legislaturas, ou seja, há 31 anos.

 

Surpresa

Deputados estaduais e até o secretário Valmir Comin (Asistência Social, Trabalho e habitação) fizeram uma surpresa para o deputado Gelson Merisio e puxaram o “Parabéns a você” na sala da presidência, ontem. Merisio, que comandou o Legislativo por cinco anos, três vezes eleito, trabalhou nos bastidores pelo cumprimento do acordo em torno de Silvio e Aldo. Assista ao vídeo.

 

Abalou

Notícia positiva da transferência da maior parte da operação do site de compras coletivas pela internet Peixe Urbano para Florianópolis, publicado pela Revista Exame, leva em consideração o ambiente favorável para os negócios do setor de tecnologia. A troca do Rio de Janeiro por Santa Catarina tem, ainda, significados óbvios da unidade da federação que tem futuro e a que foi dilapidada.

 

RÁPIDAS

 

* Conselheiro Luiz Eduardo Cherem assume, nesta quarta, a presidência do Tribunal de Contas do Estado. Será um evento discreto.

 

* Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) deverá ser eleito presidente do Senado, chefe do Poder Legislativo Federal no comando do Congresso, nesta quarta, por um novo sistema eletrônico de votação e com uma espada no pescoço sobre denúncias de corrupção.

 

* Prova de que não dá para governar pelas redes sociais é que os recursos servem para todos os lados, principalmente para os opositores, mas a grande polêmica é mesmo o porquê se difunde tanta notícia falsa sem nenhum pudor.

 

* Depois da eleição do novo presidente da Assembleia, o governador Raimundo Colombo fará a leitura anual na reabertura dos trabalhos do Legislativo, um bom momento para saber das prioridades do Executivo no que tendem a ser os últimos 12 meses de administração do pessedista.

 

* Para quem defende que o deputado Marcos Vieira (PSDB) conseguiu tudo o que queria ao questionar alguns pontos da chapa de consenso para o comando da Assembleia basta avaliar a manutenção da presidência da Comissão de Finanças para os tucanos, justamente em um ano onde a questão do orçamento regionalizado, que tem caráter impositivo, deve fugir do veto do governador.

 

* Bancada do PMDB, a maior da Assembleia, ainda não debateu como ocupará as quatro comissões a que tem direito na Assembleia, em um ano onde perde os comandos das comissões de Constituição e Justiça e de Educação.

 

* Cronograma do repasse constitucional de recursos aos poderes e órgãos com autonomia financeira pelo executivo foi publicado na edição desta terça do Diário Oficial do Estado.

 

* Falta de conhecimento faz com que cresçam as reclamações para que sejam liberadas as listas de políticos envolvidos nas delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht, fato que não tem respaldo legal, pois a Procuradoria Geral da República ainda decidirá o que será investigado.  

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 34 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, nas RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis e na Rede TV Sul!; comentarista na RIC TV Record e na Record News, e editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital. Faz comentários sobre política e economia.
  • Youtube

Comentários