Setembro 26, 2020

QUAL A MELHOR?

QUAL A MELHOR?
ViniBraExpo/Reprodução

Uma catarinense disputa o voto do público na pesquisa que vai reconhecer a Vinícola do Ano. A Leone di Venezia, fica em São Joaquim, e compete com a paulista Guaspari e as gaúchas Casa Perini, Casa Valduga, Don Guerino e Luiz Argenta. A votação está sendo feita pela internet e é organizada pela Vini Bra Expo, uma feira de vinhos criada em 2017 e que tem apoio da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) e Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin).


Jefferson Douglas/Acervo

Os organizadores não deixaram muito claro qual o critério usado para a pré-seleção dos nomes. Mas a coluna ousa apostar no fenomenal resultado obtido pela Leone com castas italianas como o Montepulciano (em especial o finito e agora raro Mastino da foto). Justamente por conhecer a qualidade desse vinho catarinense, já votou e reforça o coro: Forza Leone di Venezia!

____________________

 

O FANTÁSTICO MERCADO DE 10 BILHÕES DE DÓLARES


Susana Baldo/Reprodução

O mercado de vinhos não alcoólicos evolui em uma velocidade tão alta que deve alcançar o patamar de US$ 10 bilhões em no máximo sete anos. O crescimento médio anual é de 7%, e segue uma tendência de outros segmentos de bebidas como cervejas, gins e RDT (drinks prontos para beber), todos bom baixo ou nenhum teor alcoólico. O estudo é da empresa de inteligência de mercado Fact.MR. “A tendência crescente de conscientização e bem-estar da saúde está posicionando o vinho não alcoólico como uma das maiores categorias de produtos em bebidas”, descreve um trecho do relatório.

No ano passado a australiana McGuigan lançou uma gama de vinhos não alcoólicos chamados 'Zero'. Quem também aderiu à tendência é a argentina Susana Balbo, que lançou há algumas semanas o Envero (foto). Produzido à base da uva Torrontês, a bebida é apresentada como “apta para todos os públicos e todos os momentos”. A divulgação que vem sendo feita pela vinícola apresenta a bebida com uma pegada frisante e notas sensoriais que lembram “casca de laranja, tangerina, lichia, limão, pétalas de jasmin e de rosas brancas”. 

__________________

 

CONSUMO RESPONSÁVEL


Ambev/Reprodução

Por falar em tendência de consumo, a multinacional AmBev colocou o carro na rua na semana passada para divulgar uma iniciativa de consumo responsável dentro de seu programa de sustentabilidade. O projeto pretende divulgar os malefícios do consumo exagerado de álcool, apresenta sugestões de drinks com baixo teor alcoólico e – com a calculadora de doses – ajuda o consumidor identificar o quando anda consumindo e qual o impacto disso no organismo.

Um exemplo: um homem que consome 4 long necks na sexta-feira e 2 taças de vinho no sábado ingere 847 calorias e seria necessário caminhar por mais de uma hora para compensar o ganho calórico. A ferramenta ainda permite calcular qual a quantidade ideal de bebida a ser adquirida para festas ou reunião de amigos.

________________

 

NOVIDADES CERVEJEIRAS


Bierland/Divulgação

A Bierland, de Blumenau, está lançando as primeiras long necks da cervejaria. A Session IPA e a América Pilsen (foto) devem ajudar a empresa a se posicionar melhor nos pontos de venda, complementando o portfólio de produtos.

Outra cervejaria local, a Blumenau, está lançando a Oktoberfestbier, como o Portal Making Of informou esta semana. A cerveja tem 5% de teor alcóolico, lúpulos alemães e 23 IBU. O lançamento deveria coincidir com a Oktoberfest que, infelizmente, foi suspensa em função da pandemia.

Tags:
vinhos cervejas cerveja artesanal drinks destilados whiskey gastronomia portal makingof
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Jefferson Douglas da Silva

Jefferson Douglas da Silva

Jornalista com especialização em Gestão de Marcas, atuou por mais de 25 anos em jornais e emissoras de televisão de Chapecó, Blumenau, Joinville e Florianópolis. Foi repórter, editor, apresentador e gestor de equipes de TV, entre elas a chefia de redação da RBS TV. Tem experiência em assessoria de comunicação e relações públicas nas áreas governamental e privada. Conhece em detalhes a rotina de cantinas que produzem vinho colonial no Oeste do estado e alambiques do Vale do Itajaí. Fez cursos de coquetelaria (Senac) e produção artesanal de cerveja (Escola Superior de Cerveja e Malte). Apaixonado por vinhos, estuda o assunto desde 2001.

Comentários