Julho 03, 2018

Que emocionante é uma partida de futebol!

Que emocionante é uma partida de futebol!

"Que coisa linda é uma partida de futebol; que emocionante é uma partida de futebol", canta o Skank. É essa emoção que o Cinema tenta traduzir quando o assunto é o esporte mais popular do mundo. Já falamos aqui sobre a infinidade de filmes que abordam o tema sob vários ângulos. Podem ser engraçados, tristes, edificantes ou biográficos, mas todos precisam ter aquilo que também não pode faltar em uma partida de futebol: a emoção. É o que acontece no curta-metragem "Barbosa", sobre o injustiçado goleiro da seleção brasileira de 1950, comentado aqui pelo colaborador Mário Antonio. No mais, separei alguns dos mais importantes - todos disponíveis na internet ou canais como Netflix - mas certamente você tem aquele filme que é o do coração. Como o time de cada um.

A chuteira veste o pé descalço
O tapete da realeza é verde
Olhando para bola eu vejo o sol
Está rolando agora, é uma partida de futebol ( É uma partida de futebol- Samuel Rosa e Nando Reis)

------------------------------------------------

É DO BRASIL  !

 

Asa Branca – um sonho brasileiro ( 1980)

Edson Celulari, bem jovenzinho, vive o jogador de futebol de origem humilde que  acaba participando de uma Copa do Mundo. Vemos a trajetória dele saindo de um pequena cidade do interior e passando a viver com dinheiro, mulheres e outros interesses envolvidos. O elenco traz Walmor Chagas, como o empresário, e Eva Vilma, a mãe. Vi a estreia no Festival de Cinema de Gramado, onde o filme ganhou o prêmio de melhor direção. Perdeu o Kikito de melhor filme para "Pra Frente Brasil", um filme político sobre a ditadura que se passa durante a Copa do Mundo de 70.

 

Boleiros ( 1998)

Um grupo de ex-jogadores se reúne em um bar para falar sobre carreira, sucesso e dissabores com o futebol. É considerado um dos melhores filmes sobre o tema. No elenco, Lima Duarte, Otávio Augusto e Rogério Cardoso. Aparecem também alguns craques verdadeiros, como o Dr.Sócrates.

Uma das sequências mais divertidas está na abertura da coluna, principalmente para quem assiste alguma dessas inúmeras mesas redondas sobre futebol na TV.

 

Garrincha, a estrela solitária ( 2003)

A vida de Garrincha, um dos maiores mitos do futebol brasileiro, foi tão incrível que merecia um resultado melhor. O filme conta a ascensão no esporte, o escândalo ao deixar mulher e filhos para viver com Elza Soares ( uma das maiores cantoras brasileiras), a bebida, a decadência... André Gonçalves e Taís Araújo nos papéis principais ajudam a deixar o filme com cara de novela.Pena!

Existe também um documentário dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, com roteiro de Armando Nogueira e Luiz Carlos Barreto. "Garrincha, alegria do povo", filmado em 1962, quando a participação de Garrincha foi fundamental para a vitória do Brasil na Copa do Chile. ( foto que abre a coluna).

 

O ano em que meus pais saíram de férias (2006)

Aqui o futebol é um dos panos de fundo, pois conta a história de um menino de 12 anos que tem a vida afetada quando seus pais saem repentinamente "de férias". Na verdade, eles estavam fugindo da perseguição durante a ditadura militar. A narrativa vai sendo pontuada pela Copa do Mundo, a única alegria do garoto naquele momento de tristeza e confusão. Filme sensível que mostra a dureza dos anos de chumbo que muitos desconhecem hoje em dia.

 

Linha de Passe ( 2008)

Muito bom filme de Walter Salles, um dos melhores diretores brasileiros em atividade. Quatro irmãos, criados pela mãe, uma empregada doméstica, lutam para sobreviver. Ela está grávida novamente de pai desconhecido. Os rapazes têm sonhos, um quer conhecer o pai, o outro quer ser jogador de futebol e vive de "peneira" em "peneira" atrás de uma chance. As histórias vão se cruzando. A atriz  Sandra Corveloni, que interpreta a mãe, apaixonada pelo Corinthians, ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes.

------------------------------------------------

 

OUTRAS PALAVRAS

O PAÍS QUE NUNCA VAI DAR CERTO

                                                                            Mário Antonio

Há trinta anos, Jorge Furtado produziu o curta-metragem "Barbosa", baseado no livro de Paulo Perdigão - "Anatomia de uma derrota" - ensaio sobre o maior drama do futebol brasileiro (perto dele, a derrota para a Alemanha na Copa de 2014 parece uma tragicomédia de mau gosto) no qual foi transcrita toda a locução de rádio do jogo Brasil versus Uruguai, no Maracanã, em 1950.

Antônio Fagundes é o protagonista que, por curiosidade,  devido à caracterização do personagem, levanta suspeitas de ter inspirado a figura de Al Pacino em "Perfume de Mulher", lançado quatro anos mais tarde.

Furtado não teve pejo de usar o recurso consagrado da "máquina do tempo" para que seu anti-herói volte ao passado para reparar duas injustiças pessoais: a da criança frustrada que ele foi e aquela cometida contra Barbosa, goleiro da seleção brasileira de 50.

O curta de treze minutos está disponível na internet (assista aqui).

É marcante pelo depoimento do próprio Barbosa e pela reflexão, rápida e ao mesmo tempo profunda, sobre a irreversibilidade do passado e o conceito sustentado por alguns pensadores: destino é tudo aquilo que ocorre na nossa existência e que não temos condições de interferir.

A trilha sonora de Geraldo Flach e a participação de Zeca Kiechaloski, ator e autor de uma biografia de Elis Regina, fazendo a voz de um repórter, só confirmam que Jorge Furtado chegou tão longe, não apenas pelo seu próprio esforço e talento, mas também porque sempre contou com grandes colaboradores.

Infelizmente, a frase do personagem principal, que inspirou o título deste comentário, ainda ecoa fantasmagórica por todo o território nacional.

Para amenizar, felizmente, nos confortam o futebol, o cinema e a grandeza histórica de injustiçados como Barbosa, um dos melhores arqueiros brasileiros de todos os tempos.

------------------------------------------------

PRODUÇÕES DE OUTROS PAÍSES

 

Fuga para a vitória ( 1981)

Dirigido pelo grande John Houston tornou-se um clássico sobre o tema. A história é baseada em fatos: em um campo de prisioneiros na segunda guerra mundial, um major alemão ( Max Von Sydow) tem a ideia de promover uma partida entre soldados e prisioneiros. Os alemães querem ganhar para fazer propaganda do nazismo e os jogadores aliados planejam uma fuga durante o jogo, liderados pelo capitão John Colby ( Michael Caine). Pelé está no filme ator, mas foi também responsável pela coreografia dos movimentos em campo durante a grande partida.

Curiosidade: Sylvester Stalone , que emagreceu 40 quilos para o papel de prisioneiro, queria fazer o gol da vitória. O problema é que ele era o goleiro e não faria muito sentido. Reza a lenda que incluíram o pênalti como prêmio de consolação para Stalone.

 

Febre de bola ( 1997 e 2005)

Baseada no livro de Nick Hornby, a versão inglesa do filme  traz Colin Firth vivendo um professor fanático por futebol. Ele segue o time do Arsenal em todas as partidas. Quando ele conhece Sarah ( Ruth Gemmel) ela logo percebe que o namorado dá mais atenção ao futebol que ao namoro. Como lidar com essa paixão desenfreada e as situações divertidas que surgem daí fazem a graça do filme. Nas palavras de Paul " a vida se complica quando você ama uma mulher e reverencia 11 homens"!

No remake americano, o papel ficou com Jimmy Fallon, hoje mais conhecido como apresentador de TV. A namorada é vivida por Drew Barry Moore. Além dos atores, mudou também o esporte: em vez de futebol, baseball; em vez do Arsenal, o Boston Red Sox.

 

The cup (1998)

"A Copa" foi o primeiro filme da história rodado no Butão. Conta a história do jovem monge Orgyen que tem uma grande paixão: o futebol. Em plena época da Copa do Mundo de 1998, ele faz de tudo para conseguir assistir as partidas das principais seleções do campeonato. Ele e seu amigo Lodo tentam driblar a vigilância do mestre Geko, criando situações divertidas. Um filme adorável.

 

O milagre de Berna ( 2003)

O filme conta a história do primeiro título alemão na história do mundial, em 1954, sob a ótica de uma família praticamente destruída pela segunda guerra mundial. O diretor foi entremeando a conquista na cidade suíça de Berna com a luta dos alemães para se reerguerem econômica e moralmente no pós-guerra. É uma abordagem sensível, sem ser piegas.

 

Maldito Futebol Clube (2009)

A história se passa na Inglaterra nas décadas de 60 e 70 e fala do legendário técnico de futebol e ex-artilheiro Brian Clough (Michael Sheen).  Ele ganhou respeito comandando um pequeno time, que deixou a última posição do campeonato e assumiu a liderança. Com isso, Brian é convidado para treinar o gigante Leeds United. Apesar da antipatia pelo time, ele aceita o cargo.  Brian Clough teve que enfrentar o ego e caprichos dos jogadores , postura que ele detestava e atribuía ao técnico anterior.  Durou 44 dias no cargo.

 

À procura de Eric ( 2009)

Mais um filme inglês sobre futebol. A vida do carteiro Eric Bishop está um caos e ele precisa de coragem para mudar, enfrentar a mulher por quem se apaixonou há 30 anos etc...Um dia, após fumar um baseado, surge o seu "mentor": o grande jogador Eric Cantona. O próprio Cantona, astro eterno do Manchester United, interpreta a si mesmo. O diretor Ken Loach , ganhador recente da Palma de Ouro em Cannes com "Eu, Daniel Blake" fez um filme mais leve para contar a história de Eric.

Obs.: Cantona é o mesmo que há poucos dias estava nas redes sociais, zoando do novo corte de cabelo de Neymar e também dos dotes de ator do brasileiro em campo.

------------------------------------------------

 

EM CARTAZ

MOSTRA DE FILMES GRATUITOS PARA OS CINEFILHINHOS

Até o dia 08/07, acontece a 17ª Mostra de Cinema Infantil em Florianópolis. São 70 filmes do Brasil e de outros países, com entrada gratuita.

A programação completa pode ser conferida aqui.

------------------------------------------------

Estou fora da Copa, mas de olho na coluna​!


THE END

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!