Março 06, 2019

Quem sobreviveu à mídia no Carnaval

Quem sobreviveu à mídia no Carnaval
Reprodução

O Carnaval mostrou, mais uma vez, que é um fenômeno social: em momentos de crise como este, os foliões liberam a energia criativa e festejam como se não houvesse amanhã. Às vezes exageram como pancadaria de ontem, 4, no bloco da Ludmila; ou nos entreveros no centro histórico, de Floripa e na Cidade Baixa, em Porto Alegre. Foram os piores momentos populares.

Os fanáticos por mídia social estiveram no topo dos "barracos" personalizados, onde se destacaram Bruna Marquezine, Anitta e Neymar, alimentados pelos influenciadores de fofocas.

Neymar foi o grande queimado da história toda. A imagem dançando até o chão em um camarote na Bahia percorreu a Europa, ele foi criticado pela crônica esportiva francesa e espanhola. O PSG, que tem jogo importante pela Liga dos Campeões, estipulou prazo de volta à Paris até hoje, 6. Em vez de se recolher e preservar, já que está tratando de uma lesão no pé, o jogador passou a noite da Sapucaí, no Rio, de onde saiu às 5 horas da matina amparado por amigos, segundo o UOL.

Neymar mostrou que é jovem adulto sem grandes responsabilidades e não está nem aí para quem lhe paga uma fortuna. Lamentável.

A Globo pagou muito para transmitir o Carnaval e trabalhou com grande profissionalismo. As transmissões das escolas de samba foram um show de competência ao nível do "maior espetáculo da terra". Fátima Bernardes foi ótima e ajudou Alex Escobar a não comprometer.

Já a GloboNews atravessou o samba. A emissora, dedicada à informação, teve a péssima ideia de colocar em estúdio grupos musicais ancorados pelos profissionais que tratam normalmente de notícias. Uma mistura que não dá samba. Pior, só a cobertura exaustiva dos blocos de rua em várias capitais, com entrevistas sem graça e com algum pessoal já alterado pela bebida.

Quanto a transmissão do Carnaval das escolas em Florianópolis, a NSC está se auto elogiando como fez nos inserts de caracteres durante o desfile, citando até o vestido da apresentadora.

Seria recomendável que houvesse uma avaliação correta do serviço que foi mostrado ao telespectador, que foi sofrível no geral. O esquema foi igual aos anos de sucesso em transmissão, mas o resultado esteve muitos pontos abaixo. Faltou melhor preparo.

Para encerrar, no item intransigência, surgiram várias críticas a Jair Bolsonaro vindas de artistas. O presidente pessoalmente respondeu, postando no Twitter uma marchinha de Carnaval, ao que parece preparada para responder as críticas. Antes escreveu: "Dois famosos acusam o Governo de querer acabar com o Carnaval. A verdade é outra: esse tipo de artista não se locupleterá da Lei Rouanet".

Confira vídeo de Daniela Mercury e Caetano Veloso:

Cabe a pergunta final: o que mais podemos esperar depois disso?

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Redação Making Of

Comentários