Setembro 25, 2020

Repórter é chamada de 'macaca' por funcionário público do RJ

Repórter é chamada de 'macaca' por funcionário público do RJ
Reprodução

Dois profissionais da Rede CNT, do Rio de Janeiro, Julie Alves, repórter, e Vangelis Floyd, cinegrafista, sofreram agressões físicas e verbais por parte de um funcionário público da área da saúde, enquanto gravavam uma reportagem para o programa "Fala Baixada", voltado especificamente para notícias da Baixada Fluminense

Em entrevista ao UOL, Julie contou como tudo aconteceu. Ela diz que eles foram realizar uma matéria sobre um lixão, quando o agressor começou a abordagem já de forma agressiva.

"Nós já estávamos terminando de produzir o material, o cinegrafista já tinha até desligado a câmera, quando chegou esse homem. Ele começou a gritar com palavrões 'por*, caral*, quem mandou vocês gravarem aqui?'", disse ela.

Na sequência, Julie disse que não precisava da autorização e que conhecia os direitos dela. "Foi aí que ele falou 'sabe do seu direito o que, macaca?'. Logo em seguida, o cinegrafista questionou o modo como ele me tratou e o homem o mandou calar a boca e o chamou de gordo", continuou.

"Quando ele percebeu, veio na minha direção para bater no meu rosto. O cinegrafista foi me proteger. O homem acabou batendo na minha mão e meu microfone caiu. Ele foi então em direção ao cinegrafista e deu um chute nele. Algumas pessoas que estavam no local foram segurá-lo", seguiu, dizendo também que a equipe registrou tudo o que acontecia.

Ainda ao UOL, Julie conta ter ficado muito nervosa com o ocorrido, e que ela e o cinegrafista precisaram ter a pressão aferida no posto de saúde, e foram medicados na sequência. Posteriormente, registraram boletim de ocorrência em uma delegacia.

Segundo o portal, o agressor foi exonerado no mesmo dia.

Tags:
comunicacao
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários