Maio 25, 2020

Os respiradores sem dono

Os respiradores sem dono

Os 50 respiradores importados da China estão há duas semanas em Santa Catarina retidos nos processos alfandegários. Parecem objetos comuns, como se não houvesse nenhuma urgência em desembaraçar a compra, que foi feita com antecipação de 33 milhões de reais. A empresa responsável pelo negócio não providenciou os documentos para liberação e nem o comprador demonstra muita pressa em tomar posse deles.

A suspeita de muitos – e do próprio govenador Moises, em declaração sexta-feira passada - é que não servem para uso em UTI. Seria a comprovação da suspeita de compra indevida e possíveis interesses ilícitos no negócio.

Órgãos de investigação tratam do assunto em segredo de justiça, cumprindo os prazos legais; o governo indicou especialistas para avaliar se os respiradores servem ou não. Por isso, a comissão parlamentar de inquérito da Assembleia, que se reúne amanhã, 26, tem a grande oportunidade de mostrar sua importância, ao antecipar para os catarinenses o que todos querem saber: alguém levou vantagem na importação dos respiradores, até o momento sem dono?

A rede hospitalar catarinense que não foi. 

 

UTI

 

Em dados divulgados ontem, em boletim bastante ilustrado, o governo catarinense mostra que 62,4% dos leitos da rede SUS estão ocupados, um sexto com pacientes de covid. Por outro lado, a curva de infetados e de óbitos mostra provavelmente a chegada no platô de estabilidade. É cedo para prever o que vai acontecer nas próximas semanas, por isso o caso dos respiradores é tão emblemático. Tanto que as autoridades compraram o produto fabricado pela Weg, por um valor mais em conta e com entrega dos primeiros 100 aparelhos já nesta semana.

Compra fundamental para a saúde e a tranquilidade dos catarinenses. O governo, apesar do "negócio da China", tem feito um bom trabalho no controle da Covid-19.

 

Ministério

Há pouco mais de um mês, o Ministério da Saúde tinha um titular Luiz Henrique Mandetta que dominava a comunicação; foi substituído durante um mês por um médico Nelson Teich, que até dava entrevistas, mas não sabia se comunicar. E agora, o interino general Eduardo Pazuello não quer se comunicar e não comparece às entrevistas coletivas.

Tudo isso aumenta a sensação que estamos à deriva no tratamento da Covid-19, o que é francamente demonstrado pelo número de mortos e infectados em todo o País.

"Até quando?", é a pergunta.

 

USA

O presidente Donald Trump é o líder mundial na negação da pandemia desde o início. Sua preocupação é com a reeleição e o marketing. Em visita à fábrica da Ford, foi o único a não usar máscara para não entregar aos fotógrafos uma imagem reveladora, segundo ele mesmo disse.

A revista New Yorker, em edição ainda antes do início da crise do coronavírus, publicou uma charge na capa que mostra o comportamento do presidente em toda a crise da saúde, que já matou cem mil americanos.    

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!