Abril 01, 2019

REVOLUÇÃO EDUCACIONAL: SUPERAR OS LÍDERES MUNDIAIS

REVOLUÇÃO EDUCACIONAL: SUPERAR OS LÍDERES MUNDIAIS

A revolução educacional futurista está sendo induzida pela psicologia pós-freudiana. Quando ela diz que o bombardeio informacional por parte do meio-ambiente é mais poderoso do que a herança genética-traumatológica para modelar o comportamento. E que esse bombardeio, no longo prazo, modela, inclusive, os próprios genes. Edelmann, Skinner, Wiener, Foucault, e outros grandes pensadores, concordam nessa direção.

A partir dessa definição de princípio deve-se entender que é possível, em tese, definir-se em detalhes, cientificamente, o bombardeio informacional por parte do meio que levou um jovem da favela a abraçar a carreira de traficante de drogas. E se tivermos o estudo científico desse processo, de forma geral, em cima da classificação orgânica de todas as ações humanas e de todas as informações que as condicionam, poderíamos, em tese, planejar um bombardeio informacional sobre o rapaz, de seu nascimento à morte, para transformá-lo num cientista da física quântica, em vez de deixa-lo rolar pelo caminho, informacional, que o transformou num traficante de drogas. É claro que exageramos no exemplo, para ficar claro.

O princípio que definimos acima, da psicologia pós-freudiana, está dizendo para a educação do futuro que seu papel será modelar, cientificamente, o sucesso das carreiras concretas de vida e trabalho dos indivíduos. A partir do conceito psicológico de que a psique, o comportamento, e o próprio genoma no longo prazo, são modelados pelo bombardeio informacional por parte do meio-ambiente. E a educação pode fazer as primeiras duas partes disso com bastante imediatismo. Providência básica, ampla, geral: Metade do tempo diário da educação dedicar à modelagem das carreiras de vida e trabalho dos indivíduos, do nascimento à morte. E metade do tempo, injetar as tais matérias básicas – matemática, português, ciências, etc. – adequadamente articuladas aos interesses das carreiras de vida e trabalho. A partir dos dois princípios que definimos, o psicológico e o educacional, um rumo científico muito claro fica definido para se modelar a revolução educacional exigida pelo futuro. Educação do futuro que terá como responsabilidade modelar o sucesso das carreiras de vida e trabalho dos indivíduos. Partindo, para fazer isso, do patamar básico de classificar-se, cientificamente, organicamente, todas as ações humanas e todas as informações, conhecimentos, que acionam e otimizam tais ações. Algo semelhante ao que fez a biologia, classificando animais e plantas, induzindo com isso, inclusive, a teoria da evolução biológica, de Darwin. As classificações orgânicas articuladas da ação e do conhecimento humanos viabilizarão, inclusive, uma teoria da evolução sócio-econômica orgânica das comunidades, que dependem totalmente para sua evolução do sucesso das carreiras de vida e trabalho dos indivíduos que as compõem. O Brasil está precisando muito desses produtos da educação.

Para sairmos do caos sócio-econômico e político em que estamos mergulhados, os brasileiros precisam esquecer a timidez intelectual, e buscar superar os líderes mundiais da revolução educacional moderna, que já está a caminho no mundo desenvolvido, impulsionada pela revolução comunicacional-informacional. Que nos faculta ministrar durante toda a vida dos indivíduos a tal educação integral, definida adequadamente, como fizemos acima.

Nenhum problema brasileiro tem solução – distribuição de renda e previdência, por exemplo, inteiramente interligados – sem a revolução educacional que definimos acima. E podemos perfeitamente liderar no mundo a formulação e implementação da educação futuro. Estamos esperando o quê? Para abraçar essa utopia direcional? O mecanismo que, segundo Gandhi, leva a humanidade a evoluir.      

*Ricardo Luiz Hoffmann é Formado em direito, técnico em assuntos educacionais da Universidade Federal de SC, aposentado.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!