Agosto 30, 2019

Rodrigo Maia em Floripa, uma visita de prestígio

Rodrigo Maia em Floripa, uma visita de prestígio
Claiton Selistre

Não é sempre que um político destaque nacional vem a Santa Catarina no momento em que está em todas as discussões que envolvem o centro do poder, em Brasília.  Este foi o ambiente na chegada à Alesc nesta sexta-feira, 30, por volta das 11h, do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

O voo atrasou um pouco, mas ele manteve a agenda, primeiro conversando com jornalistas em uma sala especial. Depois foi para o plenário falar com os convidados.

A coletiva, coordenada pela Acaert, foi de bate-papo: perguntas e respostas diretas, sem rodeios.  Maia está com a lição na ponta da língua e fala com segurança sobre tudo, apesar de um pouco de tosse, provavelmente devida as intermináveis conversas noite adentro no congresso e governo.

Aqui, na frente de todos, não está um presidente comum - de um parlamento tão importante para o País e tratando de ajudar na gestão. Está também um político que tende a ter posições relevantes em breve, quem sabe até aspirando a ser candidato a presidente em 2022.

Por isso, este não foi um evento normal. Foi um momento de prestígio.

Mas quem pode falar só dos conteúdos do Maia é o meu colega aqui ao lado, comentarista político Roberto Azevedo.

 

Futebol não tem mais dono

Sempre é bom comemorar um marco histórico. É o que estão fazendo os 300 funcionários da FOX, pois a audiência do jogo exclusivo ente Palmeiras e Grêmio rendeu históricos 15,3 pontos, nunca antes alcançados por um canal da líder SporTV. Foram 3 milhões e 170 mil telespectadores.

Se comparar com os canais abertos, a FOX teve três vezes mais audiência do que o SBT.

Essas novidades acontecem desde que a Globo veio perdendo concorrências por exclusividades no mundo do futebol, parte devido aos custos e parte por desarranjo interno entre alguns diretores, que tiveram que sair corridos do meio.

Bom tudo isso, ainda mais para a FOX, que não sabe seu futuro desde que foi adquirida pela Disney e o CADE determinou que fosse vendida a terceiros, porque o grupo já tem a ESPN.

 

Superou 15 minutos de fama

O jornalista brasileiro/americano Glenn Greenwald já teve mais do que seus 15 minutos de fama ao vazar áudios da Lava Jato, mas continua manifestando opiniões controversas sobre o tema.

Agora ele disse ao blog de Juca Kfouri que o Jornal Nacional e os procuradores de Curitiba tinham uma combinação para divulgar as investigações sem nem investigar.  

É tão obvio que o material teria muito mais repercussão em um telejornal de grande audiência e em horário nobre como o JN.

Queria que divulgasse onde, na Rede TV?

Em outro ponto, fala da parceria do The Intercept com a Veja, para denúncias sobre Moro, dizendo que em outros tempos isso seria impossível.

De fato, depois que a família Civita entregou a Abril para advogados em troca da dívida, a linha editorial decaiu muito e o número de assinantes vem caindo também.

Hoje em dia a Veja tem outro perfil e perdeu o brilho.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!