Abril 12, 2019

Tecnologia aproxima relações comerciais entre países da América Latina

Tecnologia aproxima relações comerciais entre países da América Latina

Historicamente, as relações comerciais entre os países da América Latina são pouco relevantes e envolvem, principalmente, commodities e produtos de baixo valor agregado. O Brasil, por exemplo, tem como principais produtos exportados Soja ($25,9 Bilhões), Minério de Ferro ($20,1 Bilhões), Crude Petroleum ($17,4 Bilhões) e o açúcar bruto ($11,4 Bilhões) de acordo com o Observatory of economic complexity. Entre os maiores parceiros comerciais há apenas um latino-americano, a Argentina. Porém, um novo agente tem entrado com cada vez mais força nesta equação, unindo os países que têm em comum a colonização latina: a tecnologia.

As soluções desenvolvidas em países latino-americanos têm maior fit com os mercados vizinhos, por conta das semelhanças econômicas, culturais e sociais. Antes de apostar em grandes players, como o mercado norte-americano ou europeu, as empresas brasileiras de TI estão expandindo para os países vizinhos. A medida visa conquistar um maior market share em economias que, assim como o Brasil, possuem muito espaço para a inserção de novas tecnologias e para soluções que otimizem operações.

A relação comercial com o México, por exemplo, é baseada em exportação de carros, carne de aves e ferros semi-acabados, de acordo com o Observatory of economic complexity. Mas o país apresenta uma grande oportunidade para as empresas brasileiras de TI e a CSO da Involves resolveu investir. A empresa desenvolve um software para gestão de trade marketing e execução dentro de pontos de venda e irá abrir o primeiro escritório fora do Brasil, no México.

"O México tem um mercado semelhante ao daqui, entretanto ainda não tão explorado. Percebemos que as dificuldades encontradas pelas indústrias de consumo massivo (CPG), quanto ao acompanhamento dos seus times de campo e o desempenho de suas categorias dentro dos pontos de venda, são as mesmas que do Brasil, mas lá continuam sendo resolvidas de forma improvisada, sem o apoio de uma tecnologia. Isso demonstra uma grande oportunidade para operar neste país", explica Guilherme Coan, CSO da Involves.

Já os fertilizantes químicos, automóveis, petrolíferos refinados e até cerveja estão entre a gama de produtos que saem do Brasil com direção ao Paraguai. Mas a tecnologia também é um artigo requisitado. Entre as empresas brasileiras de TI que levam feitos para o país vizinho está a Dígitro Tecnologia, de Florianópolis. A companhia desenvolve hardware e software para comunicação e inteligência em âmbito público e corporativo.

No Paraguai a Dígitro apostou no modelo de canais de vendas, pelo qual oferece soluções de inteligência investigativa e legal, e para comunicação unificada. A prática também é adotada com parceiros de outros países da América Latina: Uruguai, Peru, Argentina e Colômbia. "Ter um parceiro internacional via canais de vendas é fundamental para entendermos a realidade empresarial de prospects e as particularidades de cada mercado, além de expandir a marca Dígitro", ressalta Octávio Carradore, Diretor de Relações com Mercado da Dígitro.

Tags:
web
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!