Novembro 07, 2018

Tecnologia programática: os novos caminhos da publicidade

Tecnologia programática: os novos caminhos da publicidade

Pesquisa recente sobre o mercado de mídia, divulgada no último Programmatic I/O, que acaba de acontecer em Nova York, informa que a mídia programática atingirá 84% do share de investimento em mídia até 2022 (Magma Global – out18). O levantamento mostrou ainda que 95% dos executivos de marketing consideram que os dados são a grande fonte de informações para tomada de decisão e construção de estratégia nas suas empresas. A pesquisa ainda aponta que o mercado da América Latina é um dos que mais cresce e vai continuar a se expandir.

Na última década, a publicidade online registrou uma grande transformação. Hoje, o processamento automatizado ou programático de vendas de anúncios e de execução de campanhas ocupam uma parcela significativa do mercado digital – uma tendência que não mostra sinais de desaceleração. O gasto programático atingiu US$ 25 bilhões em 2017 e a previsão é ultrapassar US$ 43 bilhões até 2020, quando a penetração programática do mercado de anúncios digitais será de 63%, aponta pesquisa da Magna Global Programmatic.

Porém, um dos principais entraves para o seu crescimento é a falta de informações dos clientes sobre este novo modelo. Alguns, que são mais antenados e ágeis, como as D2C vem crescendo de forma surpreendente e tirando share de empresas consolidadas.

Hoje, as estruturas tradicionais de marketing tentam entender este novo modelo, que apresenta forma dinâmica e rápida. A solução imediata é contar com parceiros que possuem mais expertise.

Plataformas transparentes de mídia programática, como a FitMedia, oferecem uma visão clara e rápida do comportamento do consumidor, permitindo que as empresas antecipem o envio de conteúdo para diferentes públicos, o que resulta em melhor desempenho no mercado. Marcas de sucesso que já usam a mídia programática estão obtendo retornos excepcionais, em uma ampla variedade de inventários de qualidade, canais e dispositivos.

Ao simplificar o processo de coleta e unificação de dados do cliente, a ferramenta é muito útil para os profissionais de marketing. Alimentada por um poderoso mecanismo de análise, ela define a tabela para um planejamento e execução mais inteligentes.

Em um mundo programático, unificado e multicanal, a tomada de decisão não pode contar apenas com um enorme volume de informações. Agora, elas precisam de rapidez, escala e confiança.

Hoje, é possível trabalhar em um universo muito mais extenso e completo, contando com dados de comportamento. O foco agora está mais no planejamento e menos no processo de definição de canais – espaço onde a tecnologia programática já tem o seu lugar consolidado. Neste processo, é fundamental contar com parceiros que sejam transparentes, trabalhem com as melhores regras de band safe e metodologias antifraude.

A tecnologia extremamente disruptiva agiliza a publicidade digital e melhora a experiência de compradores e vendedores, o que é uma boa notícia para o setor. Com menos tarefas baseadas em regras, há mais tempo para dedicar aos assuntos que podem determinar o sucesso ou o fracasso de uma campanha, pois a mídia programática segmenta, testa e analisa o público-alvo, além de avaliar o desempenho da mensagem. Dados mais claros, análises mais fáceis e tomadas de decisão mais inteligentes favorecem a rotina dos departamentos de marketing, que podem fazer seu trabalho ainda melhor. O grande desafio está nas mãos do profissional de marketing, que deve escolher um time especializado para compreender grandes quantidades de dados, analisá-los e tomar decisões rápidas.

*Bruno Pompeu é CMO/CFO da FitMedia.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!