Setembro 12, 2019

TV a cabo retrocede sete anos

TV a cabo retrocede sete anos

A crise atinge em cheio as emissoras de TV a cabo. A perda supera 100 mil assinantes por mês, exceto fevereiro. Nesse ritmo, o total de consumidores até o final do ano será menor do que 16 milhões, retornando aos números de 2012.

Cinco anos perdidos. Uma parte devido a programação dos operadores e outra ao avanço incontrolável dos serviços de streaming. No primeiro item, os assinantes deixaram o sistema devido ao custo do pacote, uma série de canais inexpressivos e outros que picotaram a grade com breakes de tamanhos abusivos e chamadas repetitivas. Há um vídeo da GloboNews, por exemplo, onde os correspondentes agradecem em inglês seus entrevistados, que seguramente está há mais de 1 ano no ar.

E não há nada de novo à vista, a não ser a estreia da CNN Brasil, cuja data é desconhecida e tem foco no segmento da informação. Os demais canais vão continuar sofrendo com o dinamismo da Netflix e concorrentes.

 

Comunicação deficiente

O Governo Federal continua falhando na forma de comunicar. A equipe que cerca Jair Bolsonaro – e talvez ele mesmo – acha que o público acredita em informações ingênuas ou sem transparência. 

O mais recente pacote envolve a internação e cirurgia do presidente. Foi criada toda uma preparação que o procedimento seria simples e relâmpago, de modo que o vice não precisaria ficar muito tempo no cargo.

Resultado: o procedimento durou o dobro do tempo estimado e a recuperação vai atrasar, devido a colocação de uma sonda para alimentação.

Super-homem só existe na ficção. Qualquer pessoa que faz cirurgia por três vezes no mesmo local precisa de tempo e paz para recuperar a forma.

O País espera que Bolsonaro volte o mais rápido ao cargo, com saúde e menos bajulação no entorno.

 

Passo adiante

Anunciados esta semana como quase uma revolução no jornalismo, os telejornais noturnos da Record e Band estão longe disso, mas representam um passo adiante para elas. As reportagens ao vivo estão mais presentes, há tentativa de soltar mais o texto e os âncoras se levantam para chamar os vivos.

Os dois têm cenários especiais. O da Record mais futurista, com tubos azuis e pretos. Já o da Band explorando nova cor nas artes (similar ao bordô).

Os conteúdos mais importantes se assemelham, garantindo ao público atualização sobre os temas do dia. A Record vai mais adiante, experimentando interagir nas redes sociais e na escolha de pautas.

O importante, de agora em diante, seria consolidar a audiência, mantendo os dois telejornais na grade, seguramente mais importantes que certos filmes e séries importadas.

 

ND

O jornal Notícias do Dia adota soluções caseiras para mexer na equipe. Esta semana, saiu o editor-chefe Marcos Horostecki, substituído por Rodrigo Lima, que editava cidade e região.

A coluna política de Altair Magagnin não ganhou substituto fixo. A redação tem feito notas tanto para o impresso como para internet, com reprodução também do blog de Paulo Alceu.

Horostecki e Magagnin foram personagens de um questionamento interno sobre recente cobertura de evento em Brasília.

 

Vaza Jato

As acusações de movimentação estranha em conta flagrada pelo Coaf, colocam na defensiva o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept, e o marido, o deputado do Rio, David Miranda, dono da conta. Glenn tratou de divulgar ontem, 11, mesmo um vídeo de defesa, no qual usa o mesmo argumento de Sérgio Moro, "trata-se de algo obtido de forma ilegal".

No mínimo Glenn é vítima do mesmo processo que vem afetando a operação Lava Jato, desde que ele vem publicando vazamento de conversas via Telegram dos integrantes da força tarefa.

Não se sabe se a denúncia de ontem terá a mesma força. O certo é que David Miranda vai precisar de um repertório melhor de explicações, já é frágil que o dinheiro extra provém de contas e receitas obtidas nos Estados Unidos, depositados em dinheiro vivo por um funcionário de sua casa. Tudo indica que este assunto está aberto a complementações de dados.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!