Novembro 08, 2019

Veja acha porteiro que teria incriminado Bolsonaro

Veja acha porteiro que teria incriminado Bolsonaro

A revista Veja fez o trabalho jornalístico correto: foi atrás do porteiro do Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, que teria citado o presidente Jair Bolsonaro como recebedor da visita de um dos assassinos de Marielle. Não deu outra: é uma pessoa simples, religiosa, pai de dois filhos, funcionário há 13 anos, Alberto Jorge Ferreira Mateus.

 

“Ele não quer falar sobre o assunto, parece um animal acuado”, segundo depoimento dos vizinhos.  E o cunhado dele, ouvido pela revista, foi mais longe:  "Não sei se alguém importante mandou ele não falar. Quando alguma pessoa chega perto e toca no assunto, ele foge". Segundo familiares, está "feito um animal acuado" e "com muito medo de perder o emprego e até morrer".

 

Mateus prestou depoimento à polícia enquanto estava de férias e não voltou ao trabalho diante da repercussão do caso.

 

Segundo a Veja, quem atendeu Élcio Queiroz, o homem que entrou no condomínio enquanto Bolsonaro estava em Brasília, foi outro porteiro Tiago Izaias. A reportagem informa que reproduziu o áudio divulgado por Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e ele confirmou se tratar de sua voz. Ele disse não se recordar quem era o outro porteiro que trabalhava com ele naquele dia. Izaias disse que tentou falar com Mateus para obter "a informação verdadeira" sobre o caso, mas não recebeu resposta. "Todos aqui no condomínio ficaram surpresos por ele ter ligado o presidente a um crime gravíssimo. Pode ser que estejam usando o Alberto para denegrir a imagem de Bolsonaro", disse.

 

A reportagem de Veja, obviamente, não esclarece o episódio, mas demonstra a fragilidade da reportagem do Jornal Nacional, quando falou pela primeira vez que o porteiro (Mateus) teria dito que o bandido procurava a casa 58, do presidente, e não a 65, do seu cumplice, RonieLessa. O assunto é muito mais complexo do que parece e merece uma investigação apurada. Se o caso dos assassinatos da vereadora e do motorista não foi resolvido até agora é de se imaginar que o episódio do porteiro está no mesmo contexto de mistério. Vai muito além do que colocar uma denúncia incompleta no ar e depois tentar provar que todos estavam errados, menos a autora da primeira reportagem.      

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!