Setembro 13, 2019

Yeah, yeah, yeah... tem Beatles no cinema!

Yeah, yeah, yeah... tem Beatles no cinema!
Ringo, John, Paul e George - Sgt.Pepper&Beyond

Minha geração viu surgir coisas revolucionárias, de mudanças sociais e comportamento a inventos tecnológicos que só existiam na imaginação dos escritores de ficção científica. Quem foi jornalista até os anos 80, por exemplo, mandava notícias por telex, uma máquina criada na década de 60, que permitia enviar textos à longa distância. Depois veio o fax, logo substituído pela internet e pelo e-mail. Mas, sem querer fazer uma viagem ao passado, garanto que uma das coisas mais incríveis na história desta geração que hoje tem por volta dos 60 anos foi ser testemunha do nascimento da maior banda da história: The Beatles, ou simplesmente, Beatles, surgida na Inglaterra e admirada no mundo inteiro. Um privilégio ter sido jovem e ir acompanhando o trabalho de John, Paul, George e Ringo até se dissolverem como grupo em 1970, um baque no coração dos fãs,  e partirem para bem sucedidas carreiras solo.

Além da música que influenciaria as gerações seguintes, os "reis do iê,iê,iê" ajudaram a mudar comportamentos. Quem vê as primeiras imagens do quarteto, de terno e gravata, talvez não saiba que eles eram considerados "rebeldes" por causa do cabelo longo ( longo??? Sim, para a época) e uma má influência para os jovens. Eles foram até perseguidos pela Ku Klux Klan e um dos líderes da seita racista queimou livros dos Beatles em uma fogueira, em 1966 ( pode ser visto documentário Danny Says, na Netflix). O motivo de tanta ira foi a famosa frase de John Lennon "os Beatles são mais conhecidos que Jesus Cristo" e também quando Paul McCartney se referiu aos EUA como "um país nojento onde qualquer pessoa negra é chamada de negro sujo". A KKK não gostou, claro! Agora, meio séculos depois, há poucos dias um pseudo-filósofo-guru brasileiro disse que...bem, não vou amplificar as bobagens que ele falou sobre os Beatles. Deixa pra lá...

É claro que artistas de tamanha importância ganhariam inúmeras biografias, documentários e filmes sobre sua história. Ou "simplesmente" sobre sua música. Atualmente em cartaz nos cinemas brasileiros, Yesterday, de Dany Boyle, diretor do oscarizado Quem quer ser um milionário,  trouxe a minha lembrança algumas dessas películas que vou compartilhar com vocês. Nem todas são SOBRE os Beatles, mas a música deles é o personagem principal. Tive que reduzir a quantidade de títulos, então, perdão se faltou algum favorito. Não entram na lista, por exemplo, os filmes em que o quarteto atuou, como Os reis do iê,iê,iê, Help e O submarino amarelo.

Então, bicho, vamos curtir os filmes sobre essa patota duca que a gente gosta paca? Só alguém muito quadrado pra não curtir a música deles, morô? Os Beatles são papo firme e o Paul era um pão que deixava as garotas gamadas...podiscrê, mas tem quem achava que John é que era o bom! Putzgrila, difícil decidir, mas não precisa ser bidu pra concordar que o som deles é chuchu beleza, imortal e definitivo!! Boa leitura, bons filmes e ...boa trilha sonora. Até a próxima.

___________________________________________________________

 

YESTERDAY – Danny Boyle – 2019

Dá pra imaginar o mundo sem os Beatles ? O filme parte dessa premissa quando um cantor e compositor encontra essa estranha realidade ao acordar de um acidente. Só ele lembra das músicas do grupo e se depara com um dilema: deve fingir que é o autor de todas aquelas belas canções ? Boyle optou pelo gênero comédia romântica e fez um filme impossível de não se gostar, principalmente pela trilha sonora incrível!

***

 

FEBRE DA JUVENTUDE -  Robert Zemeckis  - 1978

O título original, I Wanna Hold Your Hand, é um dos primeiros grandes sucessos da carreira dos Beatles. O filme conta a história de seis adolescentes de Nova Jersey que viajam para Nova York para assistir a primeira aparição dos Beatles na TV americana, no programa "Ed Sullivan Show". O tipo de filme que sempre passa na sessão da tarde da TV, cheio de alegria e mostrando bem o que era a beatlemania, a histeria das fãs americanas e do mundo todo.

***

 

TUDO ENTRE NÓS -  Michael Lindsay-Hogg - 2000

O diretor Michael Lindsay-Hogg trabalhou com os Beatles e criou esta história sobre o possível encontro entre John Lennon e Paul McCartney, em 24 de abril de 1976.  A dupla relembra os tempos de juventude, o início da banda, conversa sobre a carreira solo, família, a dramática separação dos Beatles, algumas diferenças antigas, mas, principalmente, a amizade entre eles.

Jared Harris ( um diretor e ator britânico que agora, aos 58 anos, alcança popularidade na  carreira) interpreta John e Aidan Quinn, Paul McCartney.

***

 

ACROSS THE UNIVERSE – Julie Taymor – 2007

Sou apaixonada por este musical moderno. A história é toda costurada com as canções dos Beatles que dão nome ao filme e aos personagens. A trama: Jude, um jovem britânico, desembarca nos Estados Unidos em busca de seu pai e acaba conhecendo o estudante Max e sua irmã Lucy juntamente com uma série de figuras excêntricas. Jude e Lucy começam a se apaixonar, mas a relação é ameaçada pela revolução social que acompanha a Guerra do Vietnã. Jim Sturgess é Jude e Evan Rachel Wood é Lucy, um bela dupla de jovens atores.

***

 

O GAROTO DE LIVERPOOL ( Nowhere Boy) – Sam Taylor-Johnson – 2010

John Lennon é considerado por muitos a alma do grupo inglês. Sozinho – ou melhor, com a mulher Yoko Ono – ele também fez uma belíssima carreira, com sucessos eternos como Imagine. Este filme mostra o jovem John, antes de ser o mais famoso, e seu relacionamento com a autoritária tia Mimi, que o criou em Liverpool, e também o impacto da ausência da mãe, ao deixá-lo em um momento crucial de seu desenvolvimento. O filme é baseado no livro Imagine This: Growing Up With My Brother John Lennon, escrito por Julia Baird, meia-irmã do cantor.

***

 

VIVER É FÁCIL COM OS OLHOS FECHADOS – David Trueba – 2015

A trama: em 1966, Antonio, um professor de inglês  do ensino médio da Espanha, embarca em uma jornada para conhecer eu ídolo, John Lennon. No caminho ele dá carona a dois jovens fugitivos. O pano de fundo é real: mostra quando John se arriscou como ator em Como Eu Ganhei a Guerra. Em plena ditadura do general Franco, Lennon e parceiros se mudaram para a cidade espanhola de Almería para rodar o longa-metragem.

Este filme simpático e criativo acabou ganhando o Prêmio Goya, o mais importante da Espanha, em quase todas as categorias.

Javier Cámara, um dos mais populares atores espanhóis do momento, vive o dócil professor.

___________________________________________________________

 

DOCUMENTÁRIOS – disponíveis na Netflix.

The Beatles: Sgt. Pepper and Beyond – 2017

The Beatles: Eight Days a Week - the Touring years - 2016

George Harrison: Living in the Material World - 2011

___________________________________________________________

 

DICA DA COLUNA -  FILME & TRILHA SONORA

The Commitments – Loucos pela Fama – 1991

Já que o nosso assunto é música aproveito para falar dos filmes do gênero que mais gosto na vida : The Commitments-Loucos pela Fama, do Alan Parker. Um grupo de jovens irlandeses, moradores de bairros pobres de Dublin, monta uma banda de soul. Entre divergências, brigas de ego e decepções amorosas, eles conseguem um certo sucesso interpretando grandes sucessos de rhythm & blues. Os atores são cantores de verdade e interpretam com louvor canções como a maravilhosa Try a little tenderness, Mustang Sally e Chain of Fools. The Commitments acabou virando cult e a banda criada para o filme faz apresentações pelo mundo até hoje.

Pra quem curte tecnologias antigas...hehehe...o filme é disponível em DVD e a trilha sonora em CD ( ou na internet).  Ouça a interpretação de Andrew Strong, uma força da natureza, cantando Try a Little Tenderness, numa cena do filme de Alan Parker.

___________________________________________________________

THE END

(*)Fotosdivulgação/reprodução

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Brígida Poli

Brígida Poli

é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!