Outubro 26, 2020

A caça pelos votos dos ignorantes

A caça pelos votos dos ignorantes
Reprodução/web

Um grande número de candidatos às prefeituras estão copiando o modelo do Presidente Bolsonaro. Prometendo algum tipo de Renda Cidadã, para ganhar as eleições. Mesmo sem ter dinheiro para isso, como está comprovando o próprio governo Bolsonaro. Que é de direita, mas está recorrendo, mesmo sem dinheiro, a essa proposta socialista, para ganhar as eleições.

Mas o pior não é a falta de dinheiro. Mesmo que se consiga algum dinheiro para esse assistencialismo socialista, é impossível praticá-lo como programa de governo durante a vida toda da vasta pobreza do Brasil. Os que votarem nessa proposta, paliativa, só estarão provando a sua ignorância. O que os pobres e esfomeados do Brasil precisam é de vida econômica sólida permanente, que lhes dê empreendedorismos, empregos e rendas. Isso é mais difícil de organizar do que o assistencialismo bolsonarista? Sem dúvida. Mas é o caminho que tem que ser conquistado. Elegendo-se candidatos que se comprometam a gerar empreendimentos, empregos e rendas, em lugar de assistencialismo transitório, que não vai resolver a pobreza e a fome dos brasileiros.    

O que tem que ser proposto pelos candidatos, em lugar do assistencialismo, para criar a economia distributiva, que dê padrão decente de vida para todos os brasileiros? Só tem um caminho: Revolução radical do sistema educacional. Que tem que assumir durante metade do seu tempo diário, do nascimento à morte dos cidadãos, com ajuda da revolução comunicacional-informacional, a responsabilidade pelo sucesso das carreiras concretas de vida, trabalho e empreendedorismo de todos os cidadãos. E na outra metade do dia a educação acadêmica, que já está aí – matemática, línguas, ciências, etc. - mas devidamente ligada aos interesses da carreiras concretas de vida, trabalho e empreendedorismo. Educação integral, corretamente definida. Sem construir a economia distributiva, as Rendas Cidadão, ou Bolsas Família, que os candidatos a prefeito estão inventando, mentirosamente, só servirão para ganhar eleições com os votos dos ignorantes que não sabem que precisam e que devem pressionar por economia distributiva. A única coisa que pode acabar com a pobreza e a fome.  

A bagunça que lidera a política brasileira no momento - onde um partido de direita assume uma proposta de esquerda, para ganhar as eleições, um carnaval político – só vai acabar quando os eleitores acordarem e exigirem, votando apenas em candidatos que promovam a economia distributiva, a reforma radical do sistema educacional para se conquistar isso. A educação integral, corretamente definida acima. Mas o atraso, por enquanto, infelizmente, é tanto, que nem a imprensa discute claramente com os candidatos o caminho para criar a economia distributiva. Em lugar do assistencialismo esquerdista abraçado pela direita bolsonarista. Pobre Brasil. Que parece que vai continuar pobre por muito tempo ainda. Se os votos forem direcionados pela ignorância. Pela exploração descarada, por parte dos políticos, da ignorância de boa parte dos eleitores. Onde está o dinheiro para o Renda Cidadã, para resolver pela vida toda os problemas da pobreza brasileira? Que só serão resolvidos acabando-se com a pobreza, via economia distributiva, e assim dispensando-se o assistencialismo.

Por Ricardo Luiz Hoffmann, formado em direito, técnico em assuntos educacionais da Universidade Federal de SC, aposentado.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!