13.2 C
fpolis
13.2 C
fpolis
sexta-feira, 20 maio, 2022

A decisão do MDB virá em números

O deputado federal Celso Maldaner e os deputados estaduais Jerry Comper e Paulinha da Silva com o governador Carlos Moisés, em Otacílio Costa. DIVULGAÇÃO
Últimas notícias

Em no máximo 20 dias deverá estar pronta uma pesquisa com o eleitorado, que circulará internamente no MDB catarinense e que pretende fazer de maneira qualitativa e quantitativa uma avaliação sobre o cenário estadual e federal das eleições deste ano, cujo campo teve início na sexta (29).

O entendimento do quadro é o propósito que deve auxiliar a manutenção ou não da pré-candidatura de Antídio Lunelli ao governo, o ex-prefeito de Jaraguá do Sul que enfrenta a rejeição interna da maioria dos 97 prefeitos, 30 vices e dos nove deputados estaduais do partido.

A leitura se faz mais do que necessária diante do desafio em bancar um projeto ou declinar enquanto há tempo, embora seja mais plausível imaginar que os grandes acordos serão fechados mais próximos das convenções, entre o fim de julho e o início de agosto.

Na foto principal, o governador Carlos Moisés durante um evento em Otacílio Costa, no fim de semana, em uma conversa animada com o deputado federal Celso Maldaner, presidente estadual do MDB, e os deputados estaduais Paulinha da Silva (Podemos) e Jerry Comper (MDB), uma costura ainda em processo de maturação pelo candidato à reeleição.

DIVULGAÇÃO

No sábado, em Xanxerê, Moisés teve um encontro com o deputado federal Carlos Chiodini (MDB), um dos MAIORES defensores da pré-candidatura de Antídio, que subiu ao palanque ao lado de Maldaner, enquanto o ex-prefeito assistia, depois de esperar com o público ao início da solenidade por uma hora, devido à forte chuva.

 

E a bancada

Nos recentes encontros da bancada do MDB com o governador, na Casa d’Agronômica, semana passada, os deputados relataram que a pesquisa poderá dar o norte que o acordo com Moisés necessita.

Seria definitivo para Antídio decidir diante de um cenário onde muitas avaliações parecem idênticas, mas não conclusivas.

 

EDUARDO VALENTE/DIVULGAÇÃO

EDUARDO VALENTE/DIVULGAÇÃO

NA BASE DA PRÉ-CAMPANHA

O senador Jorginho Mello (PL) esteve nas manifestações pró-Bolsonaro, na avenida Beira-Mar Norte, em pleno Dia do Trabalhador, com o ímpeto de ativista, muito maior do que o de correligionário e aliado. Jorginho sabe que seu trunfo nas eleições será colar o nome ao do presidente da República e garantir o voto dos conservadores. Na caminhada do senador, a vice-governadora Daniela Reinher (PL) tem sido presença frequente. Jorginho prega agora a reeleição de Bolsonaro em primeiro turno e dispara: “Esta eleição é mais importante do que a de 2018, os ratos querem voltar e não podemos deixar”. Os “roedores” em questão são Lula e os partidos de esquerda, aos quais o então deputado federal Jorginho Mello esteve aliado durante os 13 anos do PT no poder, com direito a indicar o superintendente do DNIT, algo que se mantém até hoje. Aliás, em todo o país, os atos pró-Bolsonaro e pró-Lula foram marcados pela baixa adesão, sinal de que o cidadão mandou um recado aos dois sobre a polarização e o desinteresse pelo processo eleitoral.

 

Na oscilação 1

O deputado Bruno Souza (NOVO) comemorou duas decisões da Justiça: a que fez com que ele tivesse direito ao pedido de vista na Comissão de Finanças e Tributação, o que lhe dará duas sessões para contrariar o relatório de Altair Silva (PP), que não admitia emendas na questão das alíquotas do ICMS, e a da Vara da Fazenda da Capital que obriga a divulgação dos passageiros do voo do governador a Bonito, Mato Grosso do Sul, entre 20 e 25 de janeiro deste ano, e outras viagens com o Arcanjo-06, cedido pelo Estado ao serviço de socorro médico.

Os dois assuntos viraram palanque para Bruno, que protagonizou um bate-boca com o presidente da Comissão, deputado Marcos Vieira (PSDB), na semana passada ao desrespeitar o acordo de líderes, que, tradicionalmente, fica acima do Regimento Interno.

 

Na oscilação 2

Bruno tem que aproveitar porque já teve que dar explicações por defender a redução da alíquota de 7% para 3,2% para as bebidas quentes (vinhos, champanhe, vodka e uísque) enquanto aprovou, no fim do ano passado, o aumento da carga tributária de 7% para 17% sobre o leite longa vida de caixinha, além de deixar claro que, na nova proposta de emenda, temo respaldo do colega João Amin (PP).

Na briga entre o uísque e o leite, o movimento do deputado do NOVO travou a ida do produto laticínio para a cesta básica assim como o da farinha de trigo para o crédito presumido até dezembro de 2023.

Quem foi ao supermercado, nos últimos dias, sentiu o efeito do que Bruno fez: os preços do litro de leite dispararam.

 

Interessante

Secretária Estadual da Fazenda em exercício, Michele Roncálio, já participou, inclusive como adjunta da pasta, de várias reuniões com setores da economia e parlamentares, a ponto de desenvolver um raciocínio interessante.

“Na maioria das vezes, quando interessa, eles elogiam a questão tributária de outros estados, mas não veem o que ela tem de ruim”.

 

Sob avaliação

Bruno Souza é membro da Comissão de Finanças e Tributação porque compõe o Bloco com o MDB, que tem duas cadeiras, assim como o deputado está nas comissões de Economia, Ciência, Tecnologia, Minas e Energia; Legislação Participativa e Segurança Pública.

Uma reavaliação por parte da bancada do MDB seria um convite para deixar algumas delas ou todas.

 

Cotados

Na recente passagem por Santa Catarina, o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) fez rasgados elogios a dois parlamentares que o acompanharam na viagem por Videira, Água Doce e Caçador: Angela Amin (PP) e Darci de Matos, coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense.

O presidente da Fiesc, Marcio Cezar de Aguiar, elogiou Darci igualmente, responsável pela garantia da agenda, que já havia sido adiada anteriormente.

Roberto Azevedo
Roberto Azevedo tem 37 anos de profissão. Estudou jornalismo na UFSC, de Florianópolis, e direito na FURB, de Blumenau. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, na RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis, na Rede TV Sul! e na TVBV (Barriga Verde, BAND); comentarista na RIC TV Record e na Record News, e colunista no Diário Catarinense (onde também foi editor de Política) e no Notícias do Dia, tendo blogs nas versões digitais das edições. Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital catarinense. Além de ter uma coluna no Portal Making Of, desde setembro de 2016, faz comentários sobre política e economia na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e na TVBV (BAND), de Florianópolis.
Mais notícias para você
Últimas notícias

Os “semideuses” da era digital e a guerra pelo poder

Os “semideuses” da era digital e a guerra pelo poder “Nossos ídolos ainda são os mesmos...”, escreveu Belchior na linda...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }