Julho 11, 2018

Catarinense vai presidir organização internacional do vinho

Catarinense vai presidir organização internacional do vinho
Foto: reprodução

A professora universitária Regina Vanderlinde, natural de Braço do Norte, foi eleita na quinta-feira (05) para presidir a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV). Formada em bioquímica e engenharia de alimentos pela UFSC, Regina tem mestrado e doutorado em enologia em Bordeaux na França e atua como professora na Universidade de Caxias do Sul (UCS). Ela é a primeira brasileira a ocupar o cargo e fica à frente da entidade por três anos. A OIV foi fundada em 2001 na França e define os padrões internacionais para a produção de vinhos e derivados da uva.

 

Cidades gaúchas discutem Zona Franca para vinho

Uma audiência pública discutiu na sexta (06), a criação de uma Zona Franca da Uva e do Vinho, envolvendo 23 cidades da Serra gaúcha. Caso o Projeto de Lei 9045/2017 seja aprovado, a produção de uvas e vinhos no Vale dos Vinhedos e cidades vizinhas, pode ter redução ou até isenção de impostos. Conforme o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), a tributação nos vinhos corresponde a mais da metade do valor do produto. Além da redução do preço dos produtos, outro benefício da nova Zona Franca seria a ampliação do enoturismo. Só o Vale dos Vinhedos recebe mais de 400 mil turistas por ano.

 

Drink premiado

A paulista Adriana Pino vai representar o Brasil no maior campeonato de coquetelaria do mundo. A etapa brasileira da competição reuniu 250 participantes ao longo do primeiro semestre e foi decidida na quarta-feira (04) em São Paulo. Adriana conquistou os jurados com um drink à base de gim, óleo de laranja kinkan e combucha de melão. Ela também levou a melhor no 5x5 Classics, uma espécie de maratona onde os finalistas tiveram que preparar cinco bebidas em cinco minutos. A final do World Class, promovido pela Diageo, ocorre em outubro na Alemanha, com representantes de 50 países.

 

Azedinho bom

Um tipo de cerveja criado em Santa Catarina é o primeiro estilo brasileiro a entrar em um dos principais guias de cerveja do mundo, o Beer Judge Certification Program (BJCP). A boa notícia foi anunciada na última quarta-feira (04). Batizado como  Catharina Sour, o estilo foi idealizado em 2015 por duas empresas catarinenses e ganhou mercado a partir do ano seguinte. Com a recente inclusão no BJCP quem produz ou avalia esse tipo de cerveja passa a ter um guia com as características esperadas da bebida. De maneira geral, a Catharina Sour é ácida, clara, com um teor alcoólico entre 4 e 5,5%, aroma marcante de frutas tropicais e quase nada de amargor. A coluna conversou com Carlo Lapolli, presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) e um dos idealizadores do estilo:

- DRINK4FUN - Como surgiu a ideia de criar um estilo de cerveja brasileira? E porque uma cerveja ácida? 

LAPOLLI - Algumas cervejarias já estavam fazendo cervejas ácidas com frutas. Quando fomos fazer uma cerveja colaborativa entre a Cerveja Blumenau e o The Liffey Brewpub, surgiu a ideia pelo Fernando Lapolli de batizar como "Catharina Sour" Coroa Real, uma sour com abacaxi e hortelã. Esta foi a primeira cerveja a efetivamente ser batizada como Catharina Sour.  


- DRINK4FUN - Quem estava envolvido no início do projeto?
 

LAPOLLI - Como disse, nasceu dessa colaboração. Depois disso, eu que era presidente da ACASC (associação que reúne as cervejarias artesanais de Santa Catarina) e achei interessante fazermos um workshop para debater o estilo. Vieram várias cervejarias interessadas na ideia. Foi interessante pois algumas cervejarias eram bem tradicionais e elas acabaram se abrindo para um novo universo das cervejas ácidas. O consumidor também se interessou. Muitos jamais haviam provado uma sour antes.  


- DRINL4FUN - Como isso afeta o mercado cervejeiro brasileiro? 

LAPOLLI - Acho que acaba chamando a atenção para um estilo de cerveja bastante peculiar. As cervejas ácidas tem uma informação sensorial bem diferente do que o consumidor comum entende por cerveja (as light lagers). Isso ajuda a conquistar novos consumidores, apresentar esse universo novo para os que não estão acostumados com cervejas diferentes. E normalmente, as pessoas tem até uma certa ligação nostálgicas com algumas frutas. Isso ajuda a vender e democratizar a cerveja artesanal independente. 

 

SHOT

Uma homenagem à saga Star Trek na forma líquida. A Silver Screen Bootlin Co. uma empresa de licenciamento ligada a indústria do cinema, TV e jogos, lançou semana passada um bourbon que leva o nome do comandante da USS Enterprise. O James T. Kirk é envelhecido, tem edição limitada e pode ser reservado pelo site da empresa. O valor não foi informado.



Foto: Divulgação

A rede Mestre Cervejeiro, que tem seis lojas em Santa Catarina, lançou essa semana a sétima cerveja com a marca da franquia. É uma pilsner com adição de lúpulo Mosaic que garante aromas cítricos e um amargor que lembra muito uma IPA. A receita foi elaborada em parceria com a cervejaria carioca 2Cabeças.

Quem também apresentou novidades na semana passada foi a Cervejaria Schornstein. Em parceria com a também pomerodense Nugali, que fabrica chocolates especiais, produziu uma cerveja bock com adição de pimenta e chocolate. A cerveja tem 7% de teor alcoólico e vem em garrafas de 750 ml. A má notícia é que a edição é limitada e as 2 mil garrafas da bebida estão sendo vendidas exclusivamente no armazém da fábrica, em Pomerode.


Foto: Divulgação

Tags:
vinhos cervejas cerveja artesanal drinks destilados whiskey gastronomia portal makingof
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

O VINHO DO PRESIDENTE

Novembro 26, 2020
Exclusivo

CARA NOVA, CONTEÚDO TAMBÉM

Novembro 14, 2020
Exclusivo

FESTA NO APÊ

Novembro 05, 2020
Exclusivo

CERVEJA DE GRAÇA

Outubro 31, 2020

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!