Fevereiro 15, 2021

Cobalchini sugere esperar pelo STJ

Cobalchini sugere esperar pelo STJ
RODOLFO ESPÍNOLA/AGÊNCIA AL

Autor do pedido para que o Tribunal Especial do segundo processo de impeachment contra Carlos Moisés da Silva (PSL) tenha acesso às conclusões da Polícia Federal sobre o envolvimento do governador na compra dos 200 respiradores com pagamento antecipado de R$ 33 milhões, o deputado Valdir Cobalchini (MDB) acredita que seria prudente aguardar a decisão do Superior Tribunal de Justiça, nos próximos 30 dias, antes de decidir se haverá ou não prosseguimento do julgamento em Santa Catarina.

Cobalchini avalia que a negativa do ministro Benedito Gonçalves, do STJ, em enviar parte do parecer da PF, que não encontrou indícios de crime praticado por Moisés na comora dos ventiladores, não determina que está tudo resolvido, já que aguarda a manifestação da Procuradoria Geral da República.

O prazo aberto de 10 dias pelo desembargador Ricardo Roesler para que magistrados e deputados que integram o Tribunal Especial se manifestem ainda contemplam outro fato novo, o pedido de arquivamento das investigações contra Moisés no âmbito estadual, o que, para Cobalchini, representa quase que uma contradição e faz com os que autos não sejam os mesmos.

O deputado se refere ao movimento anterior, quando o MP Estadual declinou da competência pela palavra “governador” ter disso citada, mas agora conclui que não há envolvimento de Moisés embora o STJ não tenha concluído o inquérito criminal.

 

Retorno

Cobalchini estará de volta a Florianópolis nesta quarta (17), que seria de cinzas, porque a Assembleia manteve o calendário de Carnaval, e não sabe se manifestará sobre o assunto ao presidente do Tribunal Especial de Julgamento, desembargador Ricardo Roesler.

O fato é que, seguida a orientação de Roesler, a retomada da análise da continuidade ou não do impeachment será em março, nos dias 8 ou 12 ou 15 ou 19, porque as sessões do tribunal são realizadas às segundas e às sextas.  

 

Motivo

O deputado Valdir Cobalchini foi o relator da Comissão Especial que levou a ao plenário o entendimento de que Moisés cometera crime de responsabilidade na compra dos respiradores, pela dispensa de licitação do Hospital de Campanha de Itajaí – que nunca saiu do papel e acabou cancelada – e pela falta de punição administrativa aos então secretários Helton Zeferino (Saúde) e Douglas Borba (Saúde).

Mudar o voto agora precisa ter um fundamento maior do que seguir a tendência de arquivamento do segundo processo de impeachment.

 

Explicação 1

O ex-deputado estadual e atual primeiro suplente do PSD, Jean Kuhlmann, apresenta os documentos de alteração societária da Ivova para comprovar que e a mulher dele, Cristiane Sueli Uhlmann Kuhlmann, não faz mais parte da empresa Inova, desde setembro de 2018.

A Inova, de Leonardo Alegri, possui contratos com a Assembleia e isso poderia impedir Jean de assumir uma cadeira no parlamento, inclusive a de Julio Garcia (PSD), caso convocado. Veja as alterações contratuais abaixo:

Explicação 2

Pela coluna, Jean ficou sabendo que, apesar da documentação e da informação de que a mulher se dedica desde então a uma assessoria ambiental, em outra empresa aberta por ela, qualquer pesquisa na internet ainda mantém o vínculo de Cristiane Kuhlmann com a Inova, daí as notas sobre o impedimento na Assembleia.

Jean, que não sabe se atenderia o pedido para assumir, pois hoje faz assessoria empresarial na recuperação tributos previdenciários e cumprimento de obrigações junto à Receita Federal, busca solucionar a questão que envolve a mulher.

   

Detalhe

Jean garante que ninguém até o momento conversou com ele sobre a delicada situação de Julio Garcia.

Sob outro aspecto, que não o político, o suplente e ex-deputado precisará saber se o compliance dos que contratam seus serviços permitiria a prestação de serviço por uma empresa que tem um sócio-administrador parlamentar.

 

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

VISITA A BOLSONARO

Hoje um dos políticos catarinenses mais próximos do presidente da República, o senador Jorginho Mello exibiu nas redes sociais a foto da visita a Jair Bolsonaro, com quem almoçou ao lado de outros apoiadores, no Forte , em São Francisco do Sul. Elogiado, sempre que pode, por Bolsonaro pelo trabalho do Pronampe, que abriu R$ 38 bilhões em linhas de créditos e salvou muitos pequenos e médios empreendedores, durante a pandemia, em 2020, Jorginho posou ao lado, entre outros, do secretário nacional da Pesca, Jorge Seif Junior, o deputado fluminense Helio Lopes, o deputado federal Coronel Armando (PSL) e do empresário Emílio Dalçoquio. Na paróquia, Jorginho e se diz satisfeito com o desempenho do PL na eleição passada e anuncia, para os próximos dias, que o número de prefeituras no estado subirá de 36 para 40.

 

Gravíssima situação

O município de Chapecó enfrenta a maior onda de contágios da Covid-19 e a prefeitura avisa que 70% dos testes realizados dão positivo na cidade, embora uma série de medidas restritivas tenham sido anunciadas, pacientes dos hospitais transferidos para outras cidades e um gabinete de crise comece a funcionar nesta segunda (15).

O governador Moisés enviou os secretários André Motta Ribeiro (Saúde) e Eron Giordani (Casa Civil) para coordenar as operações na maior cidade do Oeste e o presidente Jair Bolsonaro ligou para o prefeito João Rodrigues para pedir ajuda, enquanto boa parte da população desrespeita as regras de distanciamento e a Polícia Militar e a Vigilância Epidemiológica autuma estabelecimentos e baladas clandestinas.      

 

Definidos

Os líderes de blocos partidários e da bancada do PT foram definidos, somente PSL e PL, que estão juntos, não anunciaram o nome ainda. Confira:

Bloco MDB/Novo: deputado Valdir Cobalchini (MDB)

Bloco Social Democrático (PSD e PSC): deputado Milton Hobus (PSD)

Bloco PP-PSB: deputado Silvio Dreveck (PP)

Bloco Social Democrático Republicano (PDT-PSDB-Republicanos): deputado Marcos Vieira (PSDB)

Bloco PSL-PL: não oficializou

Bancada do PT: deputado Fabiano da Luz

 

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

UMA DESPEDIDA EM SÃO JOSÉ

Com uma mensagem em uma rede social, a ex-prefeita Adeliana Dal Pont se despediu do ex-prefeito e deputado federal Gervásio Silva, que morreu este domingo (14), depois de complicações após uma cirurgia cardíaca. Gervásio trouxe Adeliana para a política e esteve com ela e o atual prefeito Orvino D´Ávila (PSD) nos últimos anos. Orvino decretou luto oficial de três dias para homenagear Gervásio, que tinha 65 anos.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 36 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!