Março 28, 2017
FIESC

Colombo promete atender o PMDB

Como era previsível, o encontro entre a bancada estadual do PMDB e o governador Raimundo Colombo não teve solavancos ou distúrbios. Colombo exercitou, na versão de alguns deputados, a sua tradicional retórica e antecipou-se em dizer que atenderia, no menor prazo de tempo possível, os pedidos que foram narrados um a um. Ou seja, nem mesmo os deputados peemedebistas acreditavam que mudariam os rumos dos convênios, cada vez mais escassos.

Outro assunto que foi narrado sem solução foi a percepção de que PSDB e PP estão avançando sobre posições que eram do PMDB. E sobre o Fundam e Fundam II, duas das muitas pressões que prefeitos fazem em cima dos deputados, Colombo garantiu que irá a Brasília para viabilizar o quanto antes os valores. Em resumo: o governador assumiu muitos compromissos com o seu maior aliado e nem tocou em um assunto que incomodou o Centro Administrativo, nos últimos dias, a derrubada de vetos em plenário, que teve a chancela de muitos integrantes da base, maioria folgada no parlamento.

 

Sentimento

Peemedebistas ou não, os integrantes da robusta base de apoio as Raimundo Colombo na Assembleia ressentem-se de uma maior atenção do Executivo, com exceção do PSD, partido do governador. Há um senso comum de que a as bancadas governistas não indicam nada e se dependessem de convênio “estariam mortos”, embora sejam os parlamentares que suportam as cobranças de prefeitos, vices, vereadores e apoiadores regionais.

 

Confiante e sem data

Raimundo Colombo fez um relato de otimismo financeiro aos deputados peemedebistas e afirmou que a receita está indo bem, as contas estão equilibradas e o provisionamento do pagamento do 13º salário em dia. Foi o próprio Colombo que tocou no assunto sucessão no ano que vem: disse que é muito cedo para qualquer definição - um toque de leve na antecipação da pré-candidatura de Gelson Merisio -, considera que o cenário será definido em julho de 2018 e confirmou que renunciará para concorrer ao Senado, só não deu a preciosa informação de quando, em que data.    

 

Rateada

Professor de direito e um dos maiores constitucionalistas do país, o presidente Michel Temer cometeu o mais elementar dos erros jurídicos ao anunciar que tiraria da reforma da Previdência a obrigatoriedade de estados e municípios seguirem o que for decidido no Congresso. Fruto da pressão de deputados federais, a medida depende agora de um amplo estudo para se enquadrar na Constituição e o Palácio do Planalto quer passar para os estados a obrigatoriedade de apressarem as medidas, como a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria ou os 49 anos de contribuição, tensão certa com o funcionalismo.

 

Discurso errado

É meio estranho ver sindicalistas, representantes dos chamados movimentos sociais e da oposição dizer que a solução para reverter o quadro caótico da Previdência será cobrar os maiores devedores. Mas não são os mesmos que apoiaram o governo que ficou 13 anos consecutivos no poder, com Lula e Dilma, e que não executou a tal dívida? Ou será porque eram estes mesmos devedores, entre outros tantos empresários e poderosos, que financiavam as campanhas do PT e de seus aliados.   

 

Liberada

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) liberou a Fundação Celesc de Seguridade Social (Celos) do ciclo de fiscalização permanente neste ano. Depois de passar por fiscalizações da Previc, desde 2011, um relatório confirmou que as condutas da Celos, como a criação do Comitê de Auditoria (CAD) para assessorar o Conselho Deliberativo, da  área específica de Compliance e de Auditoria Interna, e a implantação da Comissão Técnica de Investimentos e Risco (CTIR), que é responsável por analisar as aplicações de recursos financeiros, acompanhar a elaboração e execução de políticas de investimentos e propor melhorias na carteira, resolveram questões pontuais.

 

ADEMIR PEREIRA DE AQUINO/DIVULGAÇÃO

UM PÉ EM CADA CANOA

O deputado Mário Marcondes (PSDB), terceiro da esquerda para a direita, não parou nos últimos dias com um detalhe interessante. Na foto faz campanha para Sérgio Rodrigues Oliveira (PTB), de camisa azul, que concorre na eleição suplementar, do próximo domingo, contra Pedro Osteto (PSD), que está coligado com PP, PMDB e PT. Mas, em Sangão, no Sul do Estado, Marcondes foi à cidade pedir voto para o peemedebista Herivelto de Castro Reynaldo (PMDB), que está coligado com os tucanos locais. Eleição municipal tem destas facetas.

 

Consequências

Pelo menos um abatedouro em Morro Grande, o Tramonto, e a unidade da JBS, de Forquilhinha, no Sul catarinense, admitem ter que acabar com o trabalho em um dos turnos por conta das consequências da Operação Carne Fraca. A freada nas exportações, mesmo com as medidas rápidas do governo brasileiro junto aos países compradores do produto, significa, a curto prazo, perda de empregos.  

 

Fotovoltaicas

Alternativa de produção de energia a partir dos raios solares para consumidores individuais e empresas ganha uma linha de crédito no Sul de Santa Catarina. Os interessados devem solicitar à Unicred Sul Catarinense ou à Quantum Engenharia um orçamento, e, depois da análise aprovada, o financiamento pode ser concedido em até 84 meses. O prazo para viabilizar as instalações junto à distribuidora de energia é de 34 dias.

 

DIVULGAÇÃO

APRENDIZADO DAS JUNTAS

O novo sistema de registro digital, implantado pela Junta Comercial de Santa Catarina, trouxe ao Estado os presidentes das juntas do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Pará e Mato Grosso a Florianópolis durante dois dias. O presidente da Jucesc, Julio Marcellino Júnior (em pé, ao microfone) apresentou o sistema  pioneiro, tecnologia desenvolvida para simplificar, agilizar e facilitar a vida de quem pretende empreender sem precisar se deslocar a um dos balcões da Junta Comercial. Tudo pode ser feito no site da Junta catarinense.

 

Alternativa virtual

Vereador Edinon Manoel da Rosa (PMDB), o Dinho, aposta em um modelo de contato com o eleitor que vai além das paredes do gabinete e das visitas às comunidades. Lança nesta terça o projeto gabinete virtual, onde deixa à disposição dos eleitores um e-mail gabinetevirtualdinho@gmail.com, divulgado pelas redes sociais para centralizar sugestões e pedidos, desde as melhorias em infraestrutura nos bairros até a solicitação sobre ruas. Vale também fazer sugestões de lei.

 

RÁPIDAS

 

* Deputados do PMDB ficaram sem churrasco na Casa d’Agronômica, mas o deputado-secretário Moacir Sopelsa (Agricultura e Pesca) acenou com a possibilidade de oferecer um cabrito em um encontro gastronômico futuro.  

 

* O deputado Padre Pedro Baldissera (PT) já apresentou  um projeto sobre o assunto, que acabou postergado por se tratar de matéria de prerrogativa do Executivo e agora voltou à carga para que o governador Raimundo Colombo apresenta um projeto de lei  para monitoramento eletrônico de acusados de violência doméstica e familiar, depois de aplicada a “medida protetiva”. A favor da proposta do petista, a estatística crescente de casos contra a mulher e a criança.

 

* A questão da verba para setores da assistência social, que tocam creches e atendimento em comunidades virou a nova incomodação do prefeito Gean Loureiro (PMDB), que justifica com o passivo que recebeu da administração anterior e a falta atual de recursos.  

 

* Louvável a discrição da ministra Carmen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, a Santa Catarina, que, depois de fazer uma vistoria na Penitenciária de São Pedro de Alcântara, participou das homenagens ao ministro Teori Zavascki, catarinense que dá nome, a partir de agora, à sala de sessões do Tribunal de Justiça. Não criou polêmicas ou estardalhaços desnecessário.

 

* Cresce em Brasília algumas máximas: a Reforma da Previdência do jeito que está não passa; a lei de abuso de autoridade deve evoluir com a colaboração de magistrados e procuradores da República para não sugerir uma revanche à Lava Jato; e o fim do foro privilegiado englobará o Judiciário e não apenas a classe política.

 

* Lamentável: deputados federais e senadores trabalharem para aprovar uma anistia ao caixa dois. Não é admissível este remédio jurídico, que cheira veneno, para um crime deste porte.

 

* Em cima dos voos mais altos que ensaia o senador Paulo Bauer (PSDB), o vice-governador Eduardo Pinho Moreira sugeriu, em Criciúma, ao lado do prefeito Clésio Salvaro (PSDB), que os tucanos deveriam considerar o lançamento do senador Dalírio Beber ao governo, justamente o moderado que herdou a vaga deixada pelo peemedebista Luiz Henrique.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Roberto Azevedo tem 36 anos de profissão. Estudou jornalismo na UFSC, de Florianópolis, e direito na FURB, de Blumenau. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, na RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis, na Rede TV Sul! e na TVBV (Barriga Verde, BAND); comentarista na RIC TV Record e na Record News, e colunista no Diário Catarinense (onde também foi editor de Política) e no Notícias do Dia, tendo blogs nas versões digitais das edições. Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital catarinense. Além de ter uma coluna no Portal Making Of, desde setembro de 2016, faz comentários sobre política e economia na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e na TVBV (BAND), de Florianópolis.
  • Youtube
MOF 3

Comentários

Onze 5

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!