Setembro 17, 2021

Despedida em Paris e celebração em Veneza

Despedida em Paris e celebração em Veneza
Foto: Pixabay Free

Bate uma tristeza ver nossos ídolos partindo, não é mesmo? No último dia 06, perdemos Jean-Paul Belmondo, aos 88 anos. Talvez as novas gerações não saibam bem quem foi o “feio mais bonito do cinema”. Um importante site, por exemplo, postou a foto de Alain Delon - “o bonito mais bonito do cinema francês”- no obituário de Belmondo.

É especialmente nostálgico porque estamos vendo o fim de uma era. Poucas grandes divas ainda vivem: Sophia Loren, Claudia Cardinale, Brigitte Bardot e Gina Lollobrígida...  Esqueci alguma? E filmando intensamente, apenas a primeira.

Talvez nem todos entendam. Figuras como Jean-Paul Belmondo e outros atores/atrizes estão na minha vida desde a infância. Assisti a quase todos seus filmes, conheço detalhes de suas carreiras. O ator francês, ao menos, recebeu uma lindíssima homenagem póstuma do governo de seu país e do público.

Infelizmente, vivemos tempos em que essas partidas são e serão cada vez mais frequentes.

Bem, the show must go on: em Veneza  duas cineastas conquistaram o Leão de Ouro e o Leão de Prata, principais prêmios do Festival.

_________________________________________________________________________

 

FILMES

O mauritano – direção: Kevin Mcdonald – 2021 (Telecine)

Este é um daqueles filmes que vai nos indignando a cada cena, principalmente por tratar-se de uma história real. A paranoia que se apossou dos EUA após a tragédia de 11 de setembro, a ponto de ignorarem qualquer limite de legalidade ou humanidade na busca pelos culpados pelo atentado.

Uma das vítimas dessa sanha foi Mohammedou Slahi, retirado de sua casa na Mauritânia e levado para a terrível base militar americana do Guantánamo, em Cuba. Era suspeito de ser um recrutador dos terroristas. Lá, ele foi torturado e mantido preso, sem qualquer prova ou julgamento, durante dez anos. Slahi escreveu cartas, contando para a advogada interpretada por Jodie Foster, que acabou virando o livro “O Diário do Guantánamo”. Outro nome importante no elenco é Benedict Cumberbach, no papel do militar responsável pela acusação que pede a pena de morte para o mauritano. O mais triste disso tudo é que sabemos que este foi apenas um caso entre muitos. (Trailers Br)

 

Acossado – direção: Jean-Luc Godard – 1960 (Telecine)

Já que falamos nele na abertura: é possível encontrar vários filmes de Jean-Paul Belmondo em streaming. Embora ele dissesse que seu filme favorito era “O Homem do Rio” ( 1964  ),filmado no Brasil, o trabalho mais importante de sua carreira foi em “Acossado”, um marco do movimento Nouvelle Vague, dirigido pelo prestigiado Godard.

Belmondo interpreta um homem que rouba um carro em Marselha e parte para Paris. No caminho, ele mata um policial que tentou prendê-lo por excesso de velocidade e, já em Paris, convence uma estudante americana a escondê-lo em seu apartamento. Os dois passam a se relacionar. O título original é mais interessante: À bout de souffle, ou seja, sem fôlego. A parceira de Belmondo no filme é a bela Jean Seberg, cuja vida trágica também já rendeu um filme (Seberg contra todos- 2020)

***

 

SÉRIES

Antidistúrbios – 6 episódios – Espanha - HBO

Seis agentes vão executar uma ordem de despejo em Madrid e, em meio à confusão, um imigrante africano acaba caindo e morrendo. Eles têm que responder à Corregedoria e acabam se enrolando cada vez mais. A série mostra a violência policial – tão conhecida nossa – mas também o lado humano dos agentes. A história divide a responsabilidade da tragédia com uma instância superior. Afinal, quem ordena ? Quem não dá condições de trabalho para os policiais? Só tem dois episódios disponíveis por enquanto, mas a forma de filmar é exasperante e agitada, criando o clima ideal para a trama.

 

À beira do caos – 12 episódios – Netflix

Ainda não vi, mas esta comédia-dramática traz algumas coisas interessantes, como ter sido escrita pela atriz francesa Julie Delpy e trazer de volta Elizabeth Shue, a atriz indicada ao Oscar por Despedida em Las Vegas, que andava sumida.

Pelos artigos que li a série é uma espécie de Sex in the City, com personagens mais maduras.  Julie também atua na pele de uma renomada chef que tenta escrever um livro com receitas diferentes. Ela e três grandes amigas vão dividindo dúvidas, angústias e momentos divertidos. Cada episódio traz uma “moral da história”. Para alguns críticos, os personagens carecem de estofo, principalmente, os homens da história. A ver.

_________________________________________________________________________

 

FESTIVAIS ON LINE

Cinema russo

Começou dia 16/09 e vai até 10/10 o segundo Festival de Cinema Russo. São oito novos filmes dessa nacionalidade, com exibição gratuita no streaming Spice Play. Parentes (tragecomédia) e Masha (drama policial) são de 2021. Doutora Liza (cinebiografia) e Na ponta (thriller esportivo) são de 2020. Finalmente Luta (documentário sobre a seleção paralompíca de futebol), de 2019.

Dica do meu amigo Wlad Nequesaurt

 

Cinema chinês

A Mostra de cinema chinês do 5º Intercâmbio Brasil-China traz pela primeira vez  filmes distribuídos no canal do Instituto CPFL no YouTube. Há clássicos pioneiros do cinema Xangaines, produzidos na cidade de Xangai, e os clássicos vermelhos, produzidos em Pequim, entre os anos de 1937 a 1964. Segundo o CPFL, a curadoria foi pensada com o intuito de contextualizar ao espectador brasileiro as grandes mudanças culturais, morais e ideológicas que edificaram e ainda permeiam as pautas de reflexões e desafios da China contemporânea. www.institutocpfl.org.br

Dica do Guilherme Votto

_________________________________________________________________________

 

PREMIAÇÕES

VENEZA DAS MULHERES

Minha aposta em Madres Paralelas, de Pedro Almodóvar, no  Festival de Cinema de Veneza, não se confirmou. Apenas Penélope Cruz foi premiada como Melhor Atriz pelo filme do espanhol. O prêmio de direção foi para a neozelandeza Jane Campion (diretora do maravilhoso O Piano) pelo filme O poder do cachorro. A Netflix tem grande participação nesta produção que tem Benedict Cumberbach e Elizabeth Moss no elenco. Estou curiosa para ver.

O Leão de Ouro de Melhor Filme ficou com outra diretora, a francesa Audrey Diwan. Happening ( Evènement) traz o difícil tema do aborto e a dificuldade das mulheres para interromper a gravidez nos anos 60.

Ah, fiquei contente ao ver que uma das minhas atrizes favoritas, Maggie Gyllenhaal, ganhou o prêmio de Melhor Roteiro, por A Filha Perdida. Além do talento para atuação, ela também escreve.

 

DOMINGO, 19 , É DIA DO EMMY 2021

Depois não digam que não avisei: domingo tem a premiação dos melhores da TV. A transmissão  começa às 20h30, no Canal TNT. Quem gosta de ver os looks das celebridades ( eu,eu,eu), o canal E! transmite o tapete vermelho a partir das 19h.

Alguns concorrentes:

*A série com maior número de indicações é The Crown, concorrendo na categoria dramática com The Boys, Bridgerton, The Handmaid’s Tale, Lovecraft Country, The Mandalorian, Pose e This is Us.

*Por falar em The Crown (Netflix), a Emma Corrin deve levar o prêmio de Melhor Atriz pelo papel da princesa Diana, mas minha torcida vai para Uzo Aduba, que me conquistou na nova versão da série In Treatment. Achei que não ia superar a ausência do Gabriel Byrne, como o terapeuta Paul Weston, mas Uso me convenceu. ( A série está disponível na HBO).

_________________________________________________________________________

 

ACERVO

Em 25 de outubro de 2018, a coluna trazia a literatura como tema.  Quantos belos filmes foram feitos sobre escritores e livros! Leia aqui.

_________________________________________________________________________

THE END

*Fotos reprodução/divulgação

Tags:
cinema séries beijos de cinema arte cultura séries de TV netflix
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Homens em guerra

Outubro 15, 2021
Exclusivo

PELO PRAZER DE LER

Outubro 10, 2021
Exclusivo

Naquele tempo...

Outubro 03, 2021

Brígida Poli

Brígida Poli

Jornalista, cinéfila desde criancinha e maníaca por séries de TV desde "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, pois não consegue deixar o coração de lado na hora de avaliar um filme. Adora falar e escrever sobre o assunto e tenta chamar a atenção para as grandes obras cinematográficas que as novas gerações desconhecem. Concorda com o mestre Federico Fellini quando ele disse que "o cinema é um modo divino de contar a vida".

MOF 5

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!