Janeiro 18, 2021

Discursos não são melhores que a vacina

Discursos não são melhores que a vacina

O governador João Doria Júnior (PSDB), de São Paulo, deveria se dar por satisfeito ao vencer o primeiro round e conseguir, após a aprovação da Anvisa, fazer a primeira vacinação no país contra a Covid-19 com a Coronavac, que conta com a participação técnica do Instituto Butantan, mas não se conteve ao debater, quase que simultaneamente – um em São Paulo, outro no Rio de Janeiro -, com o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) questões que só esquentam um ângulo que pouco interessa à sociedade.

No momento em que o cidadão estiver por receber a vacina, não perguntará se foi Doria, Bolsonaro ou Pazuello que comprou o produto, tampouco se fez certo ou errado na busca da imunização, depois de Sinovac e Astrazeneca passarem pela aprovação emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O fator político, a briguinha entre “facínora” e “moleque”, insultos trocados nos últimos dias, é um jogo eleitoral, uma antecipação do debate para 2022, desgastante e nada produtivo para quem aguarda a verdadeira solução do problema, um alento para a população com a imunização.

 

O argumento

Doria disse que Pazuello se equivoca ao afirmar que recursos federais foram usados para pagar o lote da Coronavac que chegou a São Paulo, desenvolvido em parceria com o Butatan.

É uma daquelas coisas que o ministro nem deveria insistir.

 

Quase um comício

Esta tônica de misturar política duvidosa com coisa séria ficou evidente no lançamento simbólico da distribuição da vacina para os estados, quando Pazuello reuniu dezenas de governadores em um galpão do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Foi para tirar fotos e mostrar chefes de governo questionados muitas vezes em função das ações contra a pandemia ao lado das bandeiras, prova de que a presença deles não agiliza nada, porém afoitos por darem uma cavalgada na onda histórica, garantiram um jeito de aparecer.

 

Paulada

De fato, a grande paulada nesta história veio da Anvisa que, ao votar pela autorização emergencial das vacinas, bateu forte em conceitos difundidos e defendidos pelo Palácio do Planalto.

“Não existe tratamento precoce com comprovação científica para a Covid-19”, relatado mais de uma vez pelos diretores da agência, mais o contraponto de que “não cabe a discussão política sobre o assunto”.  

 

Menos mal

Carlos Moisés não foi a São Paulo, enviou quem de fato precisa: o secretário André Motta Ribeiro (Saúde).

Aliás, Motta Ribeiro disse em entrevista ao vivo no Band Cidade, da TVBV, na última sexta (15), que não teme qualquer substituição na reforma do secretariado de Moisés. “Trabalhamos todos os dias pela saúde, a decisão é de governo”, declarou o secretário que é médico por formação e servidor público estadual.

 

Trocou

Depois da chegadas das vacinas na Base Aérea de Florianópolis, o governo do Estado anunciou o início oficial da campanha de imunização, às 17h, nesta segunda (18).

E trocou de local: passou da Defesa Civil, na Avenida Ivo Silveira, para o auditório do Instituto de Cardiologia, junto ao Complexo Hospitalar de São José, em São José, devido a agenda do governador.

   

Ansiedade

Prefeitos de todas as regiões do Estado estão na expectativa de quantas doses da Coronavac chegarão às cidades.

Ansiedade que se justifica até porque a alternativa anterior era mergulhar no improvável sonho de ter a vacina direto do Butatan, quando se sabe que é o governo federal que deve centralizar estas compras, não só pelo poder de barganha junto aos laboratórios, mas pelos valores necessários para a compra em quantidade para atender a população.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 36 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!